NEWS | Encaixotando Joy Division e New Order

Como se já não bastasse a edição definitiva de Movement e o álbum ao vivo So It Goes.., o ano de 2019 ficará conhecido como aquele dedicado ao lançamento de materiais do New Order e do Joy Division em luxuosos box sets. Na verdade, essa é a tendência atual do mercado – enquanto o downloadstreaming sao voltados para o público médio, as edições premium limitadas (e caras) destinam-se à satisfação de fãs e colecionadores. Além das duas caixas citadas, listamos aqui outros quatro combos encaixotados que podem interessar os amantes dessas duas bandas. Então vambora…

STUMM433 (Vários Artistas, Mute Records): Parte da série comemorativa de 40 anos do selo Mute iniciada no ano passado, trata-se de uma caixa de cinco CDs trazendo artistas antigos e atuais da gravadora (dentre eles, o New Order) interpretando, cada um à sua maneira, a música/experimento 4’33” (lê-se “quatro minutos e trinta e três segundos”) do compositor de vanguarda John Cage (1912-1992). Apresentada ao piano pela primeira vez em 1952, consiste em quatro minutos e meio de silêncio – ou quase. Nenhuma nota musical é tocada, o que conta são os sons e ruídos aleatórios do ambiente – o “som do silêncio” – fazendo com que a cada “execução” o resultado final seja sempre diferente. O projeto da Mute é deveras extravagante, afinal são cinco discos inteiros de “silêncio”… entretanto, parte da renda obtida com as vendas da caixa será doada para a British Tinnitus Association, uma entidade dedicada à prevenção, tratamento e difusão de informações sobre uma doença conhecida em português como tinido (ou acufeno). Trata-se da mesma doença da qual sofreu, por anos, o baterista Craig Gill, do Inspiral Carpets, que suicidou-se em 2016 (ele sofria de uma depressão decorrente do tinido). Dentre os demais intérpretes da “canção” temos, além do New Order , bandas como  Depeche Mode, A Certain Ratio, Cabaret Voltaire, Erasure, Nitzer Ebb, The Normal, The Afghan Whigs, Laibach e muitas outras. Link para pré-venda: http://mute.com/mute/stumm433-pre-order-now 

Exclusive Mockups for Branding and Packaging Design

ALWAYS NOW (Section 25, Factory Benelux): Lançado originalmente pela Factory Records em 1981, o álbum de estreia do Section 25 acaba de ganhar pela Factory Benelux (uma espécie de sucursal belga da Factory que sobreviveu à falência da matriz) uma edição remasterizada com uma caminhão de extras. É uma caixa com cinco LPs, sendo que as primeiras mil cópias foram produzidas com vinis coloridos (preto, transparente, cinza, amarelo e vermelho). Um dos discos contém uma preciosa jam da banda ao lado do New Order, gravada ao vivo na Universidade de Reading (Inglaterra) no dia 8 de maio de 1981. O box pode ser adquirido diretamente no site da Factory Benelux: https://www.factorybenelux.com/always_now_fbn3_045.html

SharedImage-92811

USE HEARING PROTECTION: FACTORY RECORDS 1978-1979 (Vários Artistas, Rhino Records): Com lançamento anunciado para outubro deste ano, essa lindíssima caixa trará edições facsimile dos dez primeiros itens/produtos lançados pela Factory Records, do icônico poster da primeira “Noite da Factory” no Russel Club, em Manchester (FAC-1), até o LP de estreia do Joy Division, Unknown Pleasures (FAC-10), passando ainda pelo EP duplo A Factory Sample (que contém as faixas “Digital” e “Glass”, do Joy Division, além de canções do Cabaret Voltaire, do Durutti Column e do comediante John Dowie), os singles “Electricity” (OMD) e “All Night Party” (A Certain Ratio), outros dois posteres, um DVD e um livro de 60 páginas. Como bônus, esse box set promete um single de 12″ dos Tiller Boys (planejado, mas nunca lançado) e dois CDs recheados de entrevistas do Joy Division. A caixa é uma exclusividade da Rhino UK (o que quer dizer que ela só poderá ser encomendada na store virtual da gravadora) e sua edição é limitada em 4.000 cópias. O preço é salgadíssimo: £ 180 (aproximadamente R$ 856). Link da pré-venda: http://store.rhino.co.uk/uk/use-hearing-protection-factory-records-1978-79-limited-edition-box.html

uhp_white_1_

FACTORY RECORDS: COMMUNICATIONS 1978-92 (Vários Artistas, Rhino Records): A Rhino UK também promete para novembro desse ano uma segunda caixa, dessa vez com oito LPs contendo material de vários artistas do cast da Factory e abrangendo os 14 anos de vida da gravadora. A tiragem é limitada em apenas 500 unidades, mas o preço é um pouco mais “amigável”: £ 127 (cerca de R$ 605). Esse box foi originalmente lançado no formato CD em 2009 e continha quatro discos e um belíssimo livreto (além disso, a Rhino lançou em edições passadas do Record Store Day dois samplers em vinil de 10″ com gravações que não faziam parte da caixa). Em Communications 1978-92 o New Order contribui com oito faixas, o Joy Division com quatro, o Electronic (projeto solo do vocalista/guitarrista Bernard Sumner), o Revenge (do agora ex-baixista Peter Hook) e o The Other Two (duo formado pelo casal Stephen Morris / Gillian Gilbert) com uma cada um. Todas em versões de estúdio que o público já está careca de ouvir. No mais, versões originais de bandas como OMD, A Certain Ratio, Section 25, James, Happy Mondays, Durutti Column, The Wake, 52nd Street e muitos outros. A quem interessar possa: http://store.rhino.co.uk/uk/factory/factory-communications-1978-92-limited-edition-silver-8lp.html/

fac_white_1

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

Anúncios

REVIEW | ∑(No, 12k, Lg, 17Mif) New Order + Liam Gillick: So It Goes..

DD45102A-FF63-48E4-A5C9-2FABB462DDE0Uma olhadela protocolar no tracklist do mais novo disco ao vivo do New Order, o quase impronunciável ∑(No, 12k, Lg, 17Mif) New Order + Liam Gillick: So It Goes.. (que doravante chamaremos apenas de So It Goes..), pode fazer qualquer um pensar que não se trata de um lançamento para não iniciados ou para aqueles que só conhecem a banda pelos grandes sucessos. Mas será que é isso mesmo? Examinemos um pouco mais de perto antes de chegarmos a conclusões precipitadas.

So It Goes.. é o registro da “residência” de cinco noites nos antigos estúdios da emissora de TV Granada durante o Manchester International Festival (MIF) de 2017, realizado entre os dias 04 e 21 de julho daquele ano. O New Order era um dos homenageados do festival (com direito a uma exposição dedicada ao seu legado intitulada True Faith) e para as suas apresentações ao vivo naquele que foi o cenário de sua primeira aparição na televisão (ainda como Joy Division, em 1978) a banda se juntou ao artista visual local Liam Gillick (que tem obras expostas no MoMA de Nova Iorque) e a uma “orquestra” de sintetizadores formada por doze jovens alunos da Royal Northern College of Music com o objetivo de transformar aqueles concertos em uma experiência singular. O New Order e seu time auxiliar de músicos tocariam em uma espécie de palco-instalação que interagiria às luzes e às projeções criadas por Gillick.

Mas as surpresas iam além… o New Order apresentaria um repertório baseado apenas em canções que há anos não eram tocadas ao vivo e que incluía, também, lados B. Ou seja, nada de hits (a única excessão seria “Bizarre Love Triangle”). Além disso, em vez de sequencers samplers, todas as partes programadas outrora executadas no palco com a ajuda de máquinas seriam tocadas ao vivo com o auxílio da orquestra de tecladistas da RNCM, sob regência do maestro Joe Duddell.

O empreendimento recebeu elogios rasgados da imprensa europeia e ainda gerou um documentário chamado Decades, produzido pela Sky Arts, e que se concentra justamente no processo de criação do show apresentado no MIF 2017. O disco que acaba de sair contém, na íntegra, o concerto do dia 13 de julho de 2017, além de incluir canções pinçadas das performances dos dias 06 e 15/07 como faixas bônus. Lançado pela Mute Records, So It Goes.. pode ser encontrado nos formatos CD duplo, box set com três LPs (edição limitada), digital downloadstreaming. O belíssimo projeto gráfico faz valer a pena o investimento nas edições físicas, principalmente o box set. Não há previsão de lançamento no Brasil.

221C33D0-4D94-416C-A4BC-9808E0F2544B

BDD3EAD5-2269-4681-B67D-3044B94C0793

De volta ao tracklist, aqui temos o New Order percorrendo todas as suas fases: do Joy Division ao seu último disco de estúdio, Music Complete, de 2015. Algumas versões ao vivo não são menos que emocionantes. É o caso, por exemplo de “Disorder” (tocada com absoluta perfeição), “Dream Attack” (uma das melhores faixas de Technique, de 1989), “Sub-Culture” (talvez a mais bela recriação de um arranjo já operada pela banda) e “In a Lonely Place” (lado B do single de estreia do New Order). Tudo maravilhosamente bem tocado e, principalmente, bem gravado. Mesmo canções pouco badaladas de seu catálogo, como “Ultraviolence” ou “All Day Long”, ou temas do pouco inspirado disco Waiting for the Sirens’ Call (2005), como “Who’s Joe” e “Guilt Is a Useless Emotion”, ganharam um novo frescor em So It Goes… O set termina melancólico, porém belo, com versões cheias de alma de “Your Silent Face” e “Decades”. A três faixas-bônus são caprichos, verdadeiros mimos para os fãs: “Elegia”, “Heart and Soul” e uma versão surpreendentemente fantástica “Behind Closed Doors”, b-side de “Crystal” (2001) e talvez a única música dentre as de So It Goes.. que jamais havia sido tocada ao vivo pelo New Order antes (*).

Talvez o único ponto “negativo” do disco seja a voz de Bernard Sumner. Sempre faltou brilho em seus vocais, mas a idade (Sumner tem 63 anos) bateu à sua porta e sua voz hoje soa bastante cansada, às vezes até um pouco fora do tom em algumas músicas. Mas aí já seria exigir demais de quem nunca se destacou no manejo do microfone, ainda que tenha assumido o posto que outrora pertenceu ao mítico Ian Curtis.

So It Goes.. é, de longe, o melhor disco ao vivo do New Order, mesmo sem pérolas como “Ceremony”, “Blue Monday”, “True Faith” ou “Regret”. É um disco que mostra que a banda possui um repertório consistente para além dos grandes êxitos – e que ganhou uma roupagem atraente o bastante para despertar o interesse de quem não conhece profundamente a banda. Para os fãs de longa data, o álbum é um presente, quase um agradecimento por tantos anos de apaixonada e fiel devoção. Em entrevistas recentes, seus integrantes afirmaram que não há planos para um novo álbum de inéditas em vista e que, por enquanto, prosseguirão apenas fazendo shows. Todavia, se por acaso o seu catálogo terminasse por aqui, So It Goes.. seria (por que não?) um belíssimo canto do cisne.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

(*) Na verdade, “Times Change”, faixa que abre o CD, também nunca foi tocada ao vivo antes… entretanto, tanto essa (em versão instrumental) quanto “Elegia” aqui são tocadas apenas pelos músicos da “orquestra de sintetizadores”, sem participação da banda.

 

 

 

REVIEW | Livro: “Record Play Pause – Confessions of a Post-Punk Percussionist Volume 1” (Stephen Morris)

Stephen+Morris+Record+Play+Pause

Quando será que vai sair a autobiografia da Gillian Gilbert?

A banda das incontáveis coletâneas vem aumentando, também, sua coleção de autobiografias. Depois de Peter Hook e Bernard Sumner, agora chegou a vez de Stephen Morris, ex-Joy Division e (ainda) baterista do New Order, que acaba de lançar lá fora pela editora Constable o seu Record Play Pause: Confessions of a Post-Punk Percussionist Volume 1 (416 páginas). O título dá a pista: o que temos por hora é “apenas” a primeira parte. Nos catálogos de algumas livrarias on line vem sendo acrescentado um The Joy Division Years como forma de indicar para o leitor que a história do New Order provavelmente será foco do volume seguinte.

Não há como avaliar esse primeiro tomo das memórias de Morris sem comparar (pelo menos em determinados aspectos) com os livros lançados previamente por Hook e Sumner. Por ter feito a escolha de distribuir toda sua biografia e trajetória no mundo da música ao longo de três títulos, Peter Hook ofereceu aos fãs do Joy Division e do New Order uma história extremamente rica em detalhes e informações. Nesse aspecto, a autobiografia de Sumner, publicada em volume único, perde de goleada. Ainda que o segundo volume das memórias de Morris não tenha uma previsão de lançamento, já podemos supor que em matéria de profundidade e detalhamento Record Play Pause tem tudo para conquistar um potencial segundo lugar na preferência dos fãs.

As diferenças, todavia, não param por aí. Ainda que o mais provável é que todos esses livros tenham sido escritos por ghost writers (prática comum em se tratando de autobiografias de astros da música), cada um deles foi desenvolvido em um estilo de escrita que parece refletir com alguma precisão a personalidade de cada “autor”. Os livros atribuídos a Peter Hook, por exemplo, possuem uma linguagem carregada de um humor escrachado e irreverente. Já o livro de Sumner tem um estilo de escrita mais low profile, se parecendo às vezes com uma entrevista. Mais uma vez, Record Play Pause parece ficar no meio do caminho entre os dois. O senso de humor mais sofisticado de Stephen Morris, por vezes sarcástico e mordaz, comparece. O texto dá voz à personalidade conhecidamente nerd e excêntrica do baterista.

O primeiro volume de Record Play Pause cobre um período que vai da infância de Morris em Macclesfield (cidade que fica nos arredores de Manchester) até os primeiros passos do New Order. Dividido em três partes, duas delas são dedicadas ao Joy Division, desde suas origens punk como Warsaw até o fim trágico com a morte de Ian Curtis. Naturalmente, há muita coisa no livro que já foi dita alhures, seja nas autobiografias de Sumner e Hook, seja em tantos outros livros já publicados sobre o Joy Division e o New Order. Isso não quer dizer, entretanto, que Morris não traz para o leitor alguma coisa diferente ou nova aqui ou ali.

Record Play Pause revela ao leitor fatos da vida pessoal de Morris que ajudam a entender como aquele garoto oriundo da pequena burguesia de Macclesfield (em contraste com Hook e Sumner, que vieram da classe operária de Salford) se tornou um dos percussionistas mais celebrados de sua geração. Está tudo ali: o interesse pela música (em especial bandas como uma forte veia experimental / vanguardista, como Hawkwind, Captain Beefheart, Can, Velvet Underground e Van Der Graaf Generator), seu desejo de aprender a tocar um instrumento musical, do clarinete (por sugesão de seu pai) à bateria (demonstrando, desde o começo, predileção pelo estilo repetitivo de bateristas como Moe Tucker e Jacki Liebezeit), além, é claro, das primeiras experiências com drogas.

A terceira parte certamente é a que mais prenderá a atenção do leitor. Nela Morris traça o perfil de figuras importantes para a história da banda, como Rob Gretton (o falecido ex-empresário do Joy Division e do New Order) e Tony Wilson (repórter televisivo e chefe da gravadora Factory), esmiuçando o relacionamento que o grupo tinha com eles; detalha as gravações dos dois LPs que o Joy Division produziu durante sua curta existência (o que inclui generosas descrições de aspectos técnicos); conta como conheceu Gillian Gilbert e de que maneira os dois engataram o relacionamento amoroso que dura até hoje; e explica como ele e Bernard Sumner foram “capturados” pelos instrumentos eletrônicos. Tudo isso costurado pelo humor tipicamente britânico (ou seja, irônico ou autodepreciativo) do baterista.

Record Play Pause não chega a ser “o livro” sobre o Joy Division, mas segue a mesma linha das autobiografias anteriores, que retrata o grupo de uma forma bem menos “séria” ou “solene”, o que contraria o mito de “banda depressiva” que repousa no imaginário coletivo há anos. Apesar dos já conhecidos problemas de seu finado ex-vocalista, o ambiente interno do JD era qualquer coisa, exceto depressivo. Resta saber agora que outros mitos Morris ajudará a derrubar quando lançar o volume que cobrirá a história completa do New Order.


P.S.: Para minha imensa alegria, fui presenteado com uma cópia promocional de Record Play Pause assinada pelo Stephen Morris (foto). Todavia, o responsável por conseguir esse exemplar me pediu que eu mantivesse sua identidade em sigilo… de qualquer forma, gostaria de deixar registrado meus agradecimentos por tamanha consideração.

IMG_1276

Minha cópia promocional de Record Play Pause assinada pelo autor.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

<<OBS.: texto modificado em 26/07/2019, às 10:23.>>

NEWS | Joy Division + New Order: Novas edições limitadas a caminho

f2a60e20-ffda-46a0-8aa4-6274ab2b78b6_2048x2048Quem ainda não se recuperou do investimento feito em Movement: Definitive Edition que se prepare. Novos lançamentos do Joy Division e do New Order na forma de edições limitadas estão a caminho. Para começar, uma edição comemorativa de 40 anos do LP de estreia do Joy Division, Unknown Pleasures, sairá lá fora com um novo design (a capa será branca ao invés de negra) e prensado em vinil vermelho de 180 gramas. Mas é só, nada de extras ou mimos… e a masterização é a de 2007. Preço estimado? Em torno de £ 19 –  aproximadamente R$ 98 pelo câmbio de hoje.

01-JoyDivision-RedVinyl_778c0540-5173-4ede-ae74-16b5fdc63b9c_2048x

Mas isso é só o começo. No mês seguinte sairá o quase impronunciável ∑ (No,12k,Lg,17Mif) New Order + Liam Gillick: So it Goes.., um álbum ao vivo que será lançado pela Mute Records em três formatos: digital download, CD duplo com capa trifold e LP triplo colorido (vinis de cores vermelho, verde e azul) numa caixa que acompanhará, ainda, um livreto ilustrado de 24 páginas. Nesse disco teremos, na íntegra, a primeira das cinco noites que o New Order fez nos antigos estúdios da TV Granada durante o Manchester International Festival de 2017 (além de faixas bônus pinçadas dos demais concertos da banda no evento). O New Order foi o grande homenageado do MIF 2017 e na ocasião o grupo preparou um show especial que contou com um palco-instalação elaborado pelo artista visual Liam Gillick e com a participação de uma “orquestra de sintetizadores” tocados por doze estudantes da Royal Northern College of Music. O set list deixou de lado os grandes sucessos (a exceção foi “Bizarre Love Triangle”) e se concentrou em faixas que, em sua grande maioria, não eram tocadas ao vivo pelo New Order há muitos anos, como “Dream Attack”, “In a Lonely Place”, “All Day Long”, “Sub-Culture” (cujo sample a banda já liberou), “Ultraviolence”, “Vanishing Point”, “Disorder” (Joy Division), entre outras. O preço de pré-venda no site da Mute é de £ 45 (ou R$ 230 em média).

843f5656-109f-4b9c-97e3-13f3030c269c_2048x2048

Isso para não falar na autobiografia do baterista Stephen Morris – Record Play Pause – que acabou de sair…

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

 

REVIEW | 1981-82 Singles Re-issue

assetQuando o New Order anunciou, ainda no ano passado, que relançaria em 2019 seu álbum de estreia – Movement – em uma luxuosa caixa contendo um LP, dois CDs, um DVD e um livro, a banda aproveitou a oportunidade para comunicar aos fãs que os singles de 12″ originalmente editados no mesmo período (1981-1982) também seriam relançados em vinis de 180 gramas e com áudio remasterizado. Esses singles, de acordo com o grupo, sairiam aos poucos algumas semanas antes de Movement: Definitive Edition ir para as lojas. Os relançamentos em questão eram: as duas gravações de “Ceremony” (cada uma em um vinil), “Everything’s Gone Green” e “Temptation”.

Assim como a edição encaixotada do Movement, sobre a qual este blog já resenhou, os quatro singles em questão já estão na mão. E o papel do FAC 553 agora é trazer aos fãs lusófonos do New Order nossas impressões sobre eles. Então vamos lá…

Comecemos pelos dois 12″ de “Ceremony”. Um deles (o de capa verde) contém uma primeira versão gravada pelo New Order nos estúdios Eastern Artists Recordings, Nova Jersey, em 1980, durante a primeira excursão do grupo (ainda um trio na ocasião) pelos EUA (ou mais especificamente por uma pequena parte da Costa Leste). Durante a mesma sessão de estúdio, a banda gravaria também “In a Lonely Place”, que entraria no Lado B. Ambas canções foram escritas pouco antes de Ian Curtis por fim à sua vida e encerrar o capítulo Joy Division, de maneira que as duas foram as primeiras faixas a fazerem parte do repertório do New Order. Um mix alternativo (e inédito) dessa gravação de “Ceremony” foi incluído no CD de extras de Movement: Definitive Edition. Originalmente, esse single tinha sido programado para ser lançado em janeiro de 1981, mas a verdade é que ele terminou só saindo em março. A segunda versão da música, agora com Gillian Gilbert incorporada à banda, foi lançada em setembro de 1981 e trazia uma capa diferente, com fundo cor de “creme” e uma faixa vertical azul. Seu lado B também traz “In a Lonely Place”, mas é a mesma gravação lançada em março de 81. Os dois re-issues são bem fieis aos originais – ou quase. A capa da “versão 2”, como vocês poderão perceber, foi grosseiramente modificada.

asset (1)

Não foi a primeira vez que a Warner tirou uma “licença poética” e modificou o projeto gráfico de um disco do New Order por ocasião de um relançamento. Em 2009, quando os cinco primeiros LP’s de estúdio foram relançados, as capas de Power, Corruption and Lies (1983), Low Life (1985) e Brotherhood (1986) sofreram alterações – ou, melhor dizendo, foram barateadas. Infelizmente, isso deverá acontecer novamente em relançamentos vindouros. Uma fonte segura do blog creditada como “colaborador” em Movement: Definitive Edition (e cuja identidade manteremos em sigilo) já nos adiantou isso. Naturalmente, nada até agora se compara ao absurdo cometido em + / – Singles 1978-1980, caixa de vinis de 7″ do Joy Division lançada em 2010 com um formato mais ou menos no modelo da Singles Box dos Smiths, só que com fotos das artes originais impressas sobre capas de fundo branco em vez de réplicas perfeitas das capinhas oficiais!

Melhor “sorte” tiveram as reedições de “Everything’s Gone Green” e “Temptation”, cujas capas permanecem fidedignas às das versões originais lançadas, respectivamente, em 1981 e 1982. Essas duas canções merecem um parênteses. Lançadas após Movement, elas representam as primeiras tentativas de aproximação com os ritmos dance eletrônicos. Comparadas com o que vieram a fazer depois, como o arrasa-quarteirão “Blue Monday”, são faixas que soavam tão aventureiras quanto, digamos assim, rudes. Em suas atuais versões remasterizadas, soam agora mais polidas, o que sob certa perspectiva pode ser considerado uma “perda” frente ao valor histórico das mixagens outrora incluídas nas primeiras fitas master. Mas isso, na verdade, é uma questão de gosto – ou de opinião. Da parte deste que escreve o presente review, a melhor gravação de “Everything’s Gone Green” ainda é aquela do vinil brasileiro de Substance (1987). Mas como se chama isso mesmo? Memória afetiva, certo?

Não teria feito mal algum se esses relançamentos tivessem seguido uma tendência atual do mercado: a inclusão, em cada vinil, de um passe para baixar versões digitais dessas gravações, uma vez que não há sinais de que esses singles ganhem eventuais contra-partes em CD. Mas, de um modo geral, os fãs não têm mais do que reclamar. Finalmente o catálogo do New Order vem recebendo um tratamento digno da enorme influência que lhe é creditada. Completists certamente jamais deixarão de lado sua obsessão de reunir todas as variações possíveis desses singles, mas se não for esse o seu caso você já não precisará mais recorrer ao eBay para obter cópias de segunda mão.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

 

REVIEW | “Movement: Definitive Edition”

C69E2D5A-C126-4963-A5E1-B675CE5F1708Há uma semana saía (lá fora) a super-aguardada “edição definitiva” de Movement, o sombrio álbum de estreia do New Order, lançado originalmente em 1981. Embalado em uma luxuosa caixa contendo um LP, dois CDs, um DVD e um livro, a nova versão do début da “Nova Ordem” parece ser o primeiro de uma série de reedições em formato deluxe de seu antigo catálogo. Na esteira do lançamento do box set, a Warner reeditou em vinis de 12” polegadas três singles do New Order do período 1981-82, distribuídos em quatro discos: duas versões diferentes de “Ceremony”, “Everything’s Gone Green” e “Temptation”. Atenção, navegante: fique de olho no limite do seu cartão de crédito!

O conteúdo exato da caixa é: o álbum original totalmente remasterizado em vinil e em CD, um disquinho recheado de material extra, como demos, mixagens alternativas e gravações de ensaio e um DVD com vídeos ao vivo – em sua grande maioria inéditos ou raros. O livro, com capa dura, páginas impressas em papel de altíssima gramatura, sem falar nas belíssimas fotos, é um mimo à parte. Enfim, há motivos de sobra para os fãs desembolsarem com gosto seu suado dinheirinho nessa caixa.

O estojo que abriga todos esses caprichos exibe a elegância e o minimalismo que se tornaram marcas registradas da identidade visual da banda. Todavia, Peter Saville, o artista que assinou o design gráfico original, não esteve envolvido no projeto, que ficou a cargo de dois antigos colaboradores seus: Howard Wakefield (criação) e Warren Jackson (direção de arte). Saville agora está envolvido com novas experiências criativas e deixou de lado as capas de discos após décadas produzindo algumas das mais brilhantes e icônicas da história do pop. A última capa que ele criou para o New Order foi a de Music Complete, de 2015.

IMG_9744

O álbum original – em LP ou CD – não traz nenhuma surpresa. É o mesmo tracklist de 1981 e com as faixas na mesmíssima ordem. A remasterização é de 2016, conduzida pelo engenheiro de som Frank Arkwright nos estúdios Abbey Road, e que anteriormente estava disponível apenas nos formatos streaming e digital download. Diga-se de passagem, ela é muito superior à remasterização de 2008, aquela feita para o frustrante projeto Collector’s Edition. Arkwright é um autêntico artista da engenharia de som e isso já havia ficado patente, por exemplo, no relançamento do catálogo do Joy Division anos atrás. Entretanto, como de costume, a Warner cometeu seus pecados habituais. Além de ter colocado o código “FACD 50” na lombada da capa do vinil (!!!), a gravadora chegou a anunciar que a versão em CD feita para caixa seria no estilo mini vinyl replica (reprodução exata do artwork do LP para o formato compact disc) – mas o mesmo “FACD 50” impresso na parte frontal e as visíveis diferenças nas proporções do projeto gráfico mostram que a promessa não foi cumprida.

Mas essas, digamos assim, trapalhadas passam perfeitamente batidas quando se considera tantas coisas maravilhosas reunidas em um único pacote. O CD de “extras”, por exemplo, tem tudo aquilo que os fãs sempre esperaram que viesse à luz do dia em formato digital. É bem verdade que as Western Works Demos – com o trio remanescente do Joy Division (Sumner, Hook e Morris) se revezando nos vocais – não são nenhuma novidade, ainda que esta seja a primeira vez que elas chegam ao público por vias oficiais. Porém, as gravações demo realizadas nos estúdios Cargo, Rochdale, em janeiro de 1981, são a joia da coroa desse disco. Nelas, as canções que mais tarde fariam parte de Movement, ou que foram lançadas em singles de 12” naquela época, aparecem sem o verniz dos arranjos definitivos e sem os decorativos efeitos de estúdio que o produtor Martin Hannett fez uso nas gravações que todos conhecem. Hannett também produziu essas demos, mas nelas ele deixou tudo soar de modo natural, o que nos permite vislumbrar o lampejo, ainda que tímido, do som que estaria por vir mais tarde – algo ocultado na mixagem final do LP. Preste a atenção na batida de “Mesh” e tire suas conclusões.

Um ensaio gravado de “Chosen Time”, que encerra o CD de material extra, também mostra que sem os truques de Hannett para modificar o som da bateria (sua marca registrada) o New Order já conseguia soar dance antes mesmo de assimilar os ritmos eletrônicos noturnos de Nova Iorque. Um mix alternativo de “Temptation” – a primeira tentativa real da banda de produzir música para as pistas de dança – reforça a tese de que talvez fosse esse o som que a “Nova Ordem” estava a perseguir desde o início. Todavia, foi uma busca em meio à escuridão forjada pelo fim trágico do Joy Division, origem de toda insegurança e hesitação que se ouve no material dessa época – e de um lado sombrio que teimou em perseguir o grupo por muito tempo.

O DVD tem também seus encantos. Pela primeira vez temos, na íntegra, a performance ao vivo da banda no extinto programa de TV Riverside, do canal BBC 2. Muitos se lembrarão dessa gravação por causa de um excerto de “Temptation” no documentário New Order Story, de 1993. Dentre as gravações avulsas, a de “Ceremony” no CoManCHE Student Union já era umas das favoritas deste que escreve antes mesmo de ser pinçada para o box set (está disponível no You Tube). Entretanto, a cereja do bolo é, sem dúvidas, o show no Hurrah’s, Nova Iorque, em 1980, ainda sem Gillian Gilbert na formação e possivelmente realizado com instrumentos adquiridos nos EUA após o roubo do seu equipamento original nas ruas da Grande Maçã (história já bastante conhecida entre os fãs do New Order). Infortúnios à parte, é um inédito registro com imagem e som de um curto período em que o grupo existiu como um trio, após o fim do Joy Division.

A cobertura de chantilly é o lindíssimo livro de 48 páginas. Além das notas habituais que situam o ouvinte no contexto da obra, temos fotos da banda ao vivo e dos instrumentos / equipamentos usados pelo New Order naquela época, para deleite do público geek. Há fotos de pôsteres e flyers de concertos também. Como bônus, o feliz proprietário do box set poderá ler uma transcrição da primeira entrevista oficial concedida pelo grupo.

IMG_9746

Não existem tantos artistas na história do pop cujos itens da discografia tenham recebido um tratamento dessa estatura. Com Movement: Definitive Edition, o New Order encontra-se agora ao lado de um seleto grupo formado Beatles, Led Zeppelin, Pink Floyd, Velvet Underground e Bowie. A nova caixa coloca a banda no seu devido lugar, dignificando seu catálogo e seu legado (em parte eclipsado pelo revival em torno do Joy Division). Além disso, nos faz olhar um disco historicamente subestimado com a indulgência que sempre lhe foi negada. E estabelece um alto parâmetro para as caixas que deverão vir a seguir.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

HISTÓRIA | “Technique” comemora 30 anos

techniqueEm uma entrevista concedida a Ian Harrison em 2008 para o livreto de uma edição remasterizada em CD de Technique, o hoje ex-baixista do New Order, Peter Hook, disse que o disco foi “uma disputa por poder entre eu e os sequenciadores… e eu resistia bravamente, porque eu ainda queria que nós fossemos uma banda de rock”. A declaração tem que ser entendida em seu devido contexto: o vocalista e guitarrista Bernard Sumner, também em entrevista a Harrison, explicou que “nós ficamos conhecidos por esse som eletrônico dançante e teria sido loucura de nossa parte parar de fazê-lo… era o espírito daquela época”.

O “espírito daquela época” ao qual Sumner se referiu era o que, com o tempo, ficou conhecido como “O Segundo Verão do Amor”: a dance music (em especial a vertente conhecida como acid house) havia tomado de assalto os dois lados do Atlântico em 1988 e foi um dos pilares de uma nova subcultura urbana marcada pelo hedonismo, pelo consumo nada moderado de LSD e ecstasy, um colorido berrante e o apogeu tanto de casas noturnas como 500 Club (também conhecido como “The Five”), Shoom e The Future, como também de festas ilegais (muitas delas em armazéns abandonados). Esse foi o caldo primordial que deu origem às raves e aos clubbers.

O New Order já estava metido nisso antes mesmo de começar a gravar Technique naquele mesmo ano. Ao lado de sua gravadora, a Factory Records, a banda era proprietária de um desses hoje lendários nightclubs: o Haçienda. Após alguns anos funcionando na base do “tranco”, o Haçienda enfim emplacou entre o finzinho da década de 1980 e o começo dos anos 1990. Nessa época tinha gente que chegava a viajar mais de duas horas de carro até Manchester para suar na sua pista de dança. O lugar também ficou famoso pelas brigas entre gangues e pelos tiroteios, mas isso (assim como sua atrapalhada administração) é uma outra história… O fato é que o Haçienda foi um dos grandes responsáveis por difundir o som acid house pela Europa, já que o gênero havia surgido originalmente nos Estados Unidos – e de quebra o clube ajudou a catalisar uma cena derivada que ficou conhecida como Madchester: bandas de rock alternativo que misturavam o pop psicodélico dos anos 1960 com batidas eletrônicas dançantes (Stone Roses, Inspiral Carpets, Happy Mondays etc).

O New Order era, então, uma espécie de “padrinho” dessa nova cena. Embalados por toda essa efervescência (e por uma aversão aos estúdios “sombrios e horríveis” de Londres, nos dizeres de Hook), seus integrantes fizeram as malas e foram para a ensolarada Ibiza, na Espanha, para gravar o que seria seu novo álbum. O estúdio Mediterranean, onde deram início às gravações, nem era tão bom assim. Mas tinha uma piscina e um bar aberto 24 horas. Porém, ao contrário do que diz a mitologia que rodeia Technique, o LP não foi totalmente gravado em Ibiza. Na verdade, o New Order produziu muito pouco enquanto esteve lá. Isso porque parte da estadia foi gasta nas discotecas locais em noitadas regadas a balearic beat, álcool e drogas. “Nunca nos divertimos tanto”, disse o mesmo Peter Hook à MTV europeia em 1993.

Uma vez que a atmosfera de Ibiza não era propícia à concentração e não combinava com uma rotina de trabalho duro em estúdio, o New Order se viu obrigado a voltar para a Inglaterra para terminar o seu rebento. As gravações prosseguiram então no estúdio Real World, de propriedade de Peter Gabriel, e que ficava em Wiltshire. Mas o estrago já estava feito: o novo material continha influências do acid house e do balearic beat. O grupo que um dia foi o sombrio Joy Division acabou por fazer de Technique seu disco mais “ensolarado” até então. Tal como diz a letra de “Dream Attack”, escrita por Bernard Sumnner (como todas as outras do LP), “Nada neste mundo se compara à música que eu ouvi quando acordei hoje de manhã… Ela pôs o sol em minha vida, cortou meu coração com uma faca… Foi como nenhuma outra manhã”.

O primeiro single, “Fine Time”, foi lançado ainda em 1988 e exatamente quando a banda estava de passagem pelo Brasil. Inclusive, os brasileiros foram os primeiros a ouvir, ao vivo, faixas do disco que ainda sequer havia sido lançado na Inglaterra. “Fine Time” teve um desempenho apenas razoável na parada britânica ao alcançar o décimo primeiro lugar. Mas com o lançamento do álbum em janeiro do ano seguinte e do segundo single, “Round and Round”, em fevereiro, Technique acabou indo parar no topo da parada inglesa. Era o primeiro disco do New Order a conseguir esse feito.

Aplaudido tanto pela crítica quanto pelo público, Technique se transformou na obra-prima do New Order; é o trabalho mais bem acabado da banda e se tornou, também, parâmetro de comparação com tudo o que veio depois. Veio a ser, inclusive, o último álbum totalmente produzido pelo grupo. O disco também figura em diversos rankings, como o dos “40 Melhores Álbuns dos Anos 80”, da Q Magazine, ou dos “500 Melhores Álbuns de Todos os Tempos” do New Musical Express.

boy_dionysos_palatine_inv12476

O deus Dionísio (Baco para os romanos) representado como um menino

A capa, com suas cores fogosas, foi produzida pelo designer Peter Saville em parceria com o fotógrafo Trevor Key e mostra a estátua de um querubim. O artista gráfico o encontrou em uma feira de antiguidades e o alugou para que Key pudesse fazer a foto. Segundo Saville, o querubim evocava uma “imagem dionisíaca” (Dionísio, para os gregos, ou Baco, para os romanos, era o deus das festas campestres, do vinho, da libido e da fecundidade) que representava apropriadamente o hedonismo movido a drogas do “Segundo Verão do Amor”. Saville também costuma relatar uma bizarra coincidência envolvendo a capa criada para Technique: uma de suas inspirações nesse trabalho foram as serigrafias de Andy Warhol, porém antes de ver a capa pronta Rob Gretton, empresário da banda (falecido 1999), disse ao designer que o álbum se chamaria Peter Saville’s New Order em referência a The Velvet Underground and Nico Produced by Andy Warhol, LP de estreia do Velvet Underground que teve tanto o disco quanto a capa produzidos pelo maior expoente da pop art. Todavia, a banda acabou mudando o título do long play sacando uma palavra do verso “You’ve got love technique” (trad.: “você tem a técnica do amor”), de “Fine Time”.

 

No Brasil o álbum foi lançado alguns meses mais tarde, puxado pelo sucesso estrondoso de “Round and Round” nas rádios. Algumas das emissoras de pop/rock daqui chegaram a sortear entre os ouvintes cópias promocionais de Technique que possuíam um encarte extra exclusivo em forma de LP que continha as letras das músicas em inglês e em português. Essas cópias hoje são verdadeiras peças de colecionador e são muito procuradas por fãs gringos da banda.

A turnê de Technique se estendeu entre os meses de janeiro e agosto de 1989, com destaque para nada menos que 35 datas só nos EUA, compreendidas entre abril e julho. Mas foi justamente durante essa temporada em solo norteamericano, especificamente horas antes do concerto no Irvine Meadows Amphitheatre (em Irvine, Califórnia), que ocorreu a famosa reunião da banda com Tony Wilson, chefe da Factory, na qual a banda não somente tomou conhecimento do tamanho do buraco financeiro da gravadora (que financiava sua participação no Haçienda com a receita da venda dos discos do New Order), como também foi comunicada sobre a intenção de Bernard Sumner de “dar um tempo” para cuidar de um projeto solo (o Electronic, ao lado do ex-Smith Johnny Marr). O próximo álbum, Republic, só viria quatro anos depois.

O que aconteceu nesse intervalo todo mundo sabe: após um inédito primeiro lugar na parada de singles do Reino Unido com o tema oficial da seleção inglesa de futebol no Mundial de 1990 (“World in Motion”), o grupo se desmembrou em projetos paralelos de menor expressão (além do Electronic de Sumner, vieram o Revenge de Peter Hook e o The Other Two do casal Gillian Gilbert e Stephen Morris), a Factory faliu e o Haçienda virou um ralo por onde escoava rios de dinheiro. Em outras palavras: os excessos e o desbunde do final da década de 1980 haviam se transformado em ressaca. Mas quando se coloca Technique para ouvir, é impossível não ter a sensação de que a festa afinal foi muito, muito boa. É um disco que ainda hoje soa moderno e original – e ele pode ser considerado a imagem invertida de Unknown Pleasures, que eles haviam lançado ainda como Joy Division dez anos antes. Não seria a dor e o êxtase os dois lados da mesma moeda?

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram