NEWS | “Movement” ganhará versão definitiva em caixa no ano que vem

61kMxR-O9IL._SL1500_Anotem em suas agendas: no ano em que Unknown Pleasures, seminal LP de estreia do Joy Division, comemorará 40 anos do seu lançamento, chegará às lojas de discos gringas a luxuosa (e cara) caixa com a “versão definitiva” do primeiro álbum do New Order. De acordo com a própria banda em suas redes oficiais, Movement: The Definitive Edition será lançado em abril do ano que vem e virá recheado com tudo aquilo que os fãs da banda esperam há anos – e principalmente após a frustrante experiência com as edições remasterizadas e expandidas de parte da discografia do grupo lançadas no formato CD em 2008.

O conteúdo do box set será o seguinte: o álbum original em vinil e em CD mini vinyl replica, um bonus disc com gravações demo feitas nos estúdios Western Works (Sheffield) e Cargo (Rochdale) e fitas de ensaio de faixas como “Procession” e “Chosen Time”, e um DVD abarrotado de performances ao vivo, dentre elas o show no Hurrah’s (Nova Iorque), de 26 de setembro de 1980, com a banda se apresentando ainda como um trio e com os três integrantes remanescentes do Joy Division – Bernard Sumner, Peter Hook e Stephen Morris – se revezando na função de vocalista (Gillian Gilbert, então namorada de Morris, seria incorporada ao grupo no mês seguinte). Um pequeno trecho desse concerto pode ser visto no You Tube.

A edição deste mês da revista Uncut traz uma longa matéria de capa sobre esse período da carreira do New Order e “entrega” que Movement: The Definitive Edition poderá ser tão somente o primeiro de uma série de lançamentos nesse formato. A pré-venda no site oficial da banda inclui um bundle exclusivo que traz a caixa mais reedições em vinil dos singles “Ceremony” (em suas duas versões), “Everything’s Gone Green” e “Temptation” com um desconto especial. O preço apenas do box set está estimado em aproximadamente £120 (cerca de R$ 590 reais).

LP / CD1 (original album)       

  1. Dreams Never End
  2. Truth
  3. Senses
  4. Chosen Time
  5. ICB
  6. The Him
  7. Doubts Even Here
  8. Denial

CD2 (previously unreleased tracks)   

  1. Dreams Never End (Western Works Demo)
  2. Homage (Western Works Demo)
  3. Ceremony (Western Works Demo)
  4. Truth (Western Works Demo)
  5. Are You Ready For This? (Western Works Demo)
  6. The Him (Cargo Demo)
  7. Senses (Cargo Demo)
  8. Truth (Cargo Demo)
  9. Dreams Never End (Cargo Demo)
  10. Mesh (Cargo Demo)
  11. ICB (Cargo Demo)
  12. Procession (Cargo Demo)
  13. Cries And Whispers (Cargo Demo)
  14. Doubts Even Here (Instrumental) (Cargo Demo)
  15. Ceremony (1st Mix – Ceremony Sessions)
  16. Temptation (Alternative 7”)
  17. Procession (Rehearsal Recording)
  18. Chosen Time (Rehearsal Recording)

New Order – Movement DVD

Live Shows
Hurrah’s, NY 1980:
In A Lonely Place
Procession
Dreams Never End
Mesh
Truth
Cries & Whispers
Denial
Ceremony

Recorded on 27th September, 1980.
Produced, directed and filmed by Merrill Aldighieri

Peppermint Lounge, NY 1981:
In A Lonely Place
Dreams Never End
Chosen Time
ICB
Senses
Denial
Everything’s Gone Green
Hurt – instrumental
Temptation

TV Sessions
Granada Studios 1981:
Doubts Even Here
The Him
Procession
Senses
Denial

BBC Riverside 1982:
Temptation
Chosen Time
Procession
Hurt – instrumental
Senses
Denial
In A Lonely Place

Extras
Ceremony CoManCHE Student Union 1981
In A Lonely Place Toronto 1981
Temptation Soul Kitchen, Newcastle 1982
Hurt Le Palace, Paris 1982
Procession Le Palace, Paris 1982
Chosen Time Pennies 1982
Truth The Haçienda 1983
ICB Minneapolis 1983

12” Singles

Ceremony (version 1) 
Recorded at Eastern Artists Recordings in East Orange, New Jersey, during the US visit the previous September, New Order’s first single might, in an alternative universe, have been Joy Division’s next. The 12” single, originally released in March 1981 (the 7” having been released in January) including the original version of ‘Ceremony’, will feature remastered audio on heavyweight vinyl.

Side 1
Ceremony (version 1)
Side 2
In A Lonely Place

Ceremony (version 2) 
The alternative, re-recorded version of ‘Ceremony’ now also featuring Gillian Gilbert in the band was released later in 1981 and will feature the later alternative ‘cream’ sleeve rather than the original green and copper. This 12” will feature remastered audio on heavyweight vinyl.

Side 1
Ceremony (version 2)
Side 2
In A Lonely Place

Everythings Gone Green  
Originally released on Factory Benelux in December 1981, this 12” featured Everythings Gone Green, which had previously been on the reverse of the band’s second 7” single ‘Procession’ in September 1981,and ‘Cries And Whispers’ and ‘Mesh’ whose titles were flipped on the cover causing confusion amongst fans and compilers ever since. This 12” will feature remastered audio on heavyweight vinyl.

Side 1
Everythings Gone Green
Side 2
Cries And Whispers
Mesh

Temptation  
Featuring the full versions of both tracks this 12” was first release in May 1982 and were the first self-produced released recordings. With ‘Temptation’ being a cast iron New Order classic, this is an essential part of any New Order collection. This 12” will feature remastered audio on heavyweight vinyl.

Side 1
Temptation
Side 2 
Hurt

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

Anúncios

MEMÓRIA | Primeiro single do New Order comemora 35 anos

Há exatos 35 anos, era lançado pela Factory Records, um selo independente de Manchester, cidade do norte da Inglaterra, o primeiro disco do New Order. Não era ainda um álbum com uma coleção inteira de músicas, mas um single. No lado A, tínhamos uma tema pós-punk de primeira, com um riff esparso de guitarra, o baixo em destaque e uma bateria marcial; já o lado B nos presenteava com um tema mais soturno e depressivo, com camadas de teclados que sugeriam, ao mesmo tempo, atmosferas fantasmagóricas e etéreas que despertavam sentimentos que se confundiam entre o medo e o pesar. Assim eram “Ceremony”, a hoje clássica canção do lado A, e “In a Lonely Place”, a melancólica sinfonia eletrônica registrada no lado B.

O single, batizado apenas de “Ceremony”, também conhecido como “FAC 33” (seu número de catálogo segundo o mitológico sistema de catalogação da Factory), foi o cordão umbilical que ligou o recém nascido New Order à sua encarnação anterior – o Joy Division. “Ceremony” e “In a Lonely Place” foram as duas últimas canções que Bernard Sumner (guitarra, teclado), Peter Hook (baixo) e Stephen Morris (bateria) escreveram ao lado de Ian Curtis, a voz e o lirismo do Joy Division. Quando Curtis saiu de cena tirando sua própria vida, em maio de 1980, isso não significou o fim da linha para os outros três. Todavia, eles sentiam que não seria a mesma coisa ser Joy Division sem aquele pelo qual sempre tiveram profunda e real amizade. Mudar o nome do grupo parecia ser uma opção lógica. E assim o fizeram – eles passaram a se chamar New Order, uma sugestão do empresário, Rob Gretton. O passo seguinte seria escrever músicas novas – e, por que não, finalizar as outras duas em que estavam trabalhando quando Ian ainda estava vivo.

Eles possuíam fitas de ensaio das duas canções. Em ambas, a maior dificuldade era transcrever o que Ian cantava, já que a qualidade das gravações deixava muito a desejar. Essas fitas vieram a público pela primeira vez em 1997, através do box set quádruplo de CDs Heart and Soul, dedicado ao catálogo e às raridades do Joy Division. Anos mais tarde, em 2011, seria lançado especialmente para o Record Store Day um EP em vinil de 12 polegadas (edição limitada em apenas 800 cópias) que trouxe, no lado A, as versões de estúdio gravadas pelo New Order e, no lado B, essas gravações caseiras, mas desta vez com “In a Lonely Place” completa (em Heart and Soul a gravação está cortada). Vale ressaltar que antes de “Ceremony” finalmente ser levada ao estúdio pelo New Order, ela já havido sido tocada ao vivo pelo Joy Division no dia 02 de maio de 1980 no High Hall da Universidade de Birmingham – aliás, ela (a música) chegou a fazer parte da passagem de som antes do show! Já “In a Lonely Place” nunca foi executada ao vivo pelo Joy Division – isso só viria a ser feito depois que a banda já tinha se tornado New Order.

“Ceremony” e “In a Lonely Place” foram incorporadas aos shows do New Order, figurando ao lado de canções novas em folha, como “Truth” e “Dreams Never End”. Em geral, o material que a banda compôs após a mudança não era tão diferente do que faziam como Joy Division. E no caso de temas como “Truth”, se notava que o grupo estava prosseguindo em uma rota que o JD já vinha tomando: em direção ao uso cada vez mais frequente dos sintetizadores. Isso não estava evidente apenas no último tema escrito pelo Joy Division, “In a Lonely Place”, como também em várias outras faixas, como “Isolation”, “Decades”, “As You Said” ou “The Eternal”. Em todo caso, nos primeiros meses de New Order eles ainda não tinham “o” vocalista e essa função era dividida entre os três. “Ceremony”, por exemplo, era cantada nos shows pelo baterista Stephen Morris; já “In a Lonely Place” ficava a cargo de Sumner, que é quem viria a se fixar no cargo em definitivo.

Foi durante a turnê norteamericana que o Joy Division teve que cancelar devido à morte de Ian Curtis que o New Order gravou seu primeiro single. Aconteceu quando, em setembro de 1980, a banda estava de passagem por Nova Jersey, onde fizeram um show no Maxwell’s (já fizemos um post sobre esse concerto). As gravações foram feitas nos Eastern Artists Recording Studio e tiveram como produtor Martin Hannett – o homem por trás da produção de todo o material do Joy Division na Factory. A escolha de “Ceremony” como single parecia óbvia – apesar de letra, era uma música mais upbeat. “Dreams Never End” também teria sido uma boa opção (e em outro momento chegou a ser cogitada a ser lançada como single), mas acabou reservada para ser tornar a (excelente) opening track de álbum de estréia do New Order, Movement, lançado em novembro de 1981. Colocar “In a Lonely Place” no lado B também parecia lógico, já que ela era uma música “irmã”. Bernard Sumner assumiu os vocais nas duas faixas.

A Factory somente lançaria o disco no dia 06 de março de 1981. O single saiu em dois formatos no vinil: compacto e 12 polegadas. A capa do vinil grande, feita por Peter Saville (como de costume), com seu fundo verde-musgo e uma tipografia em tom de cor que lembra o dourado, tem um aspecto ou uma leve semelhança com os tradicionais livros de hinos religiosos ingleses. Além disso, a banda já estava um tanto mudada a essa altura. Ela havia deixado de ser um trio para se transformar em um quarteto. Se juntou aos três egressos do Joy Division a namorada de Morris, Gillian Gilbert, ex-Inadequates (banda punk que ensaiava em uma sala ao lado da do Joy Division), e que passou a dar uma ajudinha a Bernard Sumner na guitarra e nos teclados. Ela havia sido incorporada ao grupo ainda no ano anterior, quando Sumner já estava se estabelecendo como o dono do microfone. Com a sua entrada, eis que acontece algo surpreendente: o New Order decide fazer uma nova gravação de “Ceremony”, agora com Gillian fazendo uma segunda guitarra. A nova versão foi lançada em setembro de 1981, novamente com “In a Lonely Place” como b-side, mas ao contrário daquela, esta não foi regravada. A nova “Ceremony” foi lançada apenas em vinil de 12 polegadas, ganhou uma capa nova e daí em diante foi considerada “a versão definitiva”: foi ela que passou a ser incluída em todas as coletâneas e compilações, com exceção de uma, Singles (2006), que foi quando a gravação original foi lançada em CD pela primeiríssima vez. Ela retornaria em 2008 na versão remasterizada e expandida do álbum Movement, tendo sido incluída no CD bonus. A diferença entre as duas: enquanto a primeira é uma gravação mais rude, mais grosseira (pelo menos para os padrões de Hannett), a segunda (também produzida por Hannett!) tem um som mais limpo, os instrumentos estão mais bem gravados, os tom-tons da bateria de Morris estão distribuídos pelo estéreo e passam ora da esquerda para direita, da direita para a esquerda…

Mas é a versão original que conta como marco histórico, essa é que é a grande verdade. Sem falar que ela tem, mesmo com os seus “defeitos”, um grande séquito de fãs (eu não estou entre eles, prefiro a segunda versão). Ainda me lembro, quando a primeiríssima gravação ainda era desconhecida da maior parte do público brasileiro, que muita gente caiu na pegadinha que se espalhou pelos programas de compartilhamento de músicas de que era uma “versão de estúdio perdida” de “Ceremony” com Ian Curtis nos vocais!!! Quantas discussões tive no hoje falecido Orkut tentando esclarecer as pessoas que tal gravação não existe e que elas estavam diante pura e simplesmente da primeira versão feita pelo New Order. Hoje o mal entendido está desfeito. Só não suporto quando leio por aí que cada vez que o New Order toca “Ceremony”, está tocando um “cover do Joy Division”. Fala aqui com a minha mão, fala…

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

MEMÓRIA | Uma noite em Nova Jersey

NEW ORDER

No lugar do Joy Division, o New Order: Sumner, Morris (juntos na foto) e Hook vão para os EUA sem Ian Curtis em setembro de 1980.

A história todos conhecem: em maio de 1980, quando o Joy Division estava às vésperas de fazer seu primeiro tour pelos Estados Unidos, Ian Curtis, o jovem e também talentoso vocalista e letrista, tirou sua própria vida na casa onde viveu seu desastroso casamento, em Barton Street (Macclesfield, Grande Manchester). Mesmo desolados, seus companheiros, Bernard Sumner (guitarra e teclado), Peter Hook (baixo) e Stephen Morris (bateria) decidiram continuar – na semana seguinte ao funeral já estavam ensaiando uma canção nova, partindo de um riff escrito por Hook. Estava nascendo “Dreams Never End”, a primeira de um novo lote de músicas. O Joy Division havia ficado para trás – foi enterrado junto com Ian Curtis. No horizonte à frente, os três remanescentes miravam o futuro, mas agora como New Order.

Exceto os fãs fiés e de longa data, o público médio pensa que Gillian Gilbert, então namorada do baterista de Stephen Morris, teria sido imediatamente convidada para tocar teclados e guitarra na nova banda. Mas não foi assim. Gillian fez sua estreia no New Order em novembro de 1980, em um concerto no Squat, em Manchester. Antes de ser incorporada ao grupo, o New Order existiu durante um breve período como um trio. Além disso, nesse curto espaço de tempo entre o segundo concerto, em Liverpool, e o último antes do ingresso de Gillian, em Boston (EUA), Sumner, Hook e Morris se revezavam na função de vocalista (o primeiro show, no Beach Club, em Manchester, foi totalmente instrumental).

Apesar do cancelamento dos shows do Joy Division na América do Norte (havia um concerto agendado no Canadá também), o New Order com três integrantes pegou um avião, atravessou o Atlântico e foi para os Estados Unidos fazer um punhado de apresentações. O primeiro, na cidade de Hoboken, em Nova Jersey, dia 20 de setembro de 1980, é particularmente interessante. Essa apresentação aconteceu no Maxwell’s, um tradicional bar e music venue local, no qual muitas outras bandas de sucesso já tocaram: R.E.M., Pixies e Smashing Pumpkins estão entre elas.

MAXWELLS VENUE

A fachada atual do Maxwell’s, em Hoboken (Nova Jersey). Hoje o local se chama Maxwell’s Tavern.

Mas o que torna o show do Maxwell’s particularmente especial? Em primeiro lugar, talvez tenhamos que admitir que muito do interesse em torno desse concerto se deve ao fato dele ter sido gravado e pirateado – se não fosse por isso, ele perderia metade do seu “charme”. Recentemente, um novo bootleg chamado Grieving in the Dark (2014) o trouxe à tona novamente. Muitas vezes uma coisa ou fato adquire significado ou valor histórico simplesmente por estar documentado.

R-5632699-1398784501-1864.jpeg

Um dos LPs piratas do show no Maxwell’s: “Grieving in the Dark” (2014).

Para início de conversa, esse foi o único show da viagem pelos Estados Unidos no qual banda tocou com seu equipamento original. Antes do concerto seguinte, no Hurra’s, em Nova Iorque, a banda foi literalmente saqueada: os instrumentos e demais equipamentos foram roubados. Para realizar o próximo show, o grupo teve que sair às pressas para comprar tudo novamente. E acabaram levando gato por lebre: Bernard, por exemplo, levou uma guitarra Gibson ES-335 de segunda mão pensando que fosse nova, enquanto Peter Hook comprou uma guitarra barítono acreditando ser um baixo de seis cordas (ele só tomou conhecimento do engano quando percebeu que não conseguia afinar o instrumento).

O segundo detalhe acerca desse show diz respeito ao revezamento nos vocais. Quem já teve oportunidade de ouvir as primeiras gravações demo do New Order, feitas nos Western Works Studio, em Sheffield, julho de 1980, deve ter estranhado por exemplo, a voz do baterista Stephen Morris em “Truth” e, principalmente, em “Ceremony”. No Maxwell’s, a banda tocou um set de oito músicas, mas Bernard Sumner, justamente aquele que viria a ser o vocalista em tempo integral, cantou apenas em “In a Lonely Place”. O tecladista nessa canção era Stephen Morris, que cedeu a vaga de baterista para uma drum machine. Alguem aí consegue imaginar “In a Lonely Place” tocada com uma bateria eletrônica? Pois é, mas isso um dia já aconteceu…

Nas demais músicas, Morris e Peter Hook se alternaram nos vocais. “Cries and Whispers”, “Mesh” e “Dreams Never End”, por exemplo, foram cantadas por Hook (a última continuaria a ser cantada pelo baixista mesmo depois de Sumner ter sido eleito o vocalista oficial); “Procession”, “Truth” e “Ceremony” contaram com a voz de Steve. “Procession”, aliás, é outro caso curioso. Trata-se de uma versão embrionária ainda, executada com bateria eletrônica no lugar da bateria acústica. Ao que tudo indica, também não era lá muito fácil para o Steve tocar bateria e cantar ao mesmo tempo. De um modo geral, as músicas desse set ainda não se parecem totalmente com suas versões definitivas, sobretudo no que diz respeito às letras.

Mas, pelas contas do leitor, falta ainda uma música. Sim, é verdade, mas essa é um caso à parte. Nesse show, a banda tocou uma canção pela primeira e única vez. Cantada por Peter Hook, ela segue a formação básica de guitarra-baixo-bateria e soa um tanto à beira do punk rock. Como nenhum dos integrantes havia anunciado o nome dela ao microfone, ela ficou conhecida ao longo dos anos com nomes genéricos nada criativos como “Untitled” (sem título) e “Unreleased Track” (faixa nunca lançada). O mistério em torno do nome dela foi solucionado quando, em 2008, foi lançado 1 Top Class Manager (Anti-Archivists, 220 páginas), um livro com scans dos cadernos de anotações do finado ex-empresário do Joy Division e do New Order, Rob Gretton. Segundo as notas de Gretton, essa música se chamaria “Hour”.

Do repertório desse período inicial do New Order, apenas “Homage” (que não fez parte do set list do Maxwell’s, mas foi tocada em outros shows e aparece na fita demo do Western Works Studio) e a desafortunada “Hour” (que não resistiu à sua primeira apresentação pública e imediatamente caiu), não foram gravadas e lançadas mais tarde. “Ceremony” e “In a Lonely Place”, começaram a ser criadas quando Ian Curtis ainda estava vivo, mas se transformaram no primeiro single do New Order, em 1981; “Dreams Never End” e “Truth” entrariam no LP de estreia, Movement, lançado no mesmo ano; “Procession” ganharia um compacto próprio, também em ’81, mas reapareceria no ano seguinte ao lado de “Mesh” no EP Factus 8 (também conhecido como 1981-1982); “Cries and Whispers” entraria no lado B do single “Everything’s Gone Green”, lançado na Bélgica pela Factory Benelux.

Bom, chega de tanto falatório… Quem quiser curtir o show no Maxwell’s, Hoboken (NJ), 20 de setembro de 1980 (mesmo sendo uma gravação pirata com todas as falhas e falta de qualidade típicas do gênero), pode descarregá-lo AQUI.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

REVIEW | 1981-82 Singles Re-issue

assetQuando o New Order anunciou, ainda no ano passado, que relançaria em 2019 seu álbum de estreia – Movement – em uma luxuosa caixa contendo um LP, dois CDs, um DVD e um livro, a banda aproveitou a oportunidade para comunicar aos fãs que os singles de 12″ originalmente editados no mesmo período (1981-1982) também seriam relançados em vinis de 180 gramas e com áudio remasterizado. Esses singles, de acordo com o grupo, sairiam aos poucos algumas semanas antes de Movement: Definitive Edition ir para as lojas. Os relançamentos em questão eram: as duas gravações de “Ceremony” (cada uma em um vinil), “Everything’s Gone Green” e “Temptation”.

Assim como a edição encaixotada do Movement, sobre a qual este blog já resenhou, os quatro singles em questão já estão na mão. E o papel do FAC 553 agora é trazer aos fãs lusófonos do New Order nossas impressões sobre eles. Então vamos lá…

Comecemos pelos dois 12″ de “Ceremony”. Um deles (o de capa verde) contém uma primeira versão gravada pelo New Order nos estúdios Eastern Artists Recordings, Nova Jersey, em 1980, durante a primeira excursão do grupo (ainda um trio na ocasião) pelos EUA (ou mais especificamente por uma pequena parte da Costa Leste). Durante a mesma sessão de estúdio, a banda gravaria também “In a Lonely Place”, que entraria no Lado B. Ambas canções foram escritas pouco antes de Ian Curtis por fim à sua vida e encerrar o capítulo Joy Division, de maneira que as duas foram as primeiras faixas a fazerem parte do repertório do New Order. Um mix alternativo (e inédito) dessa gravação de “Ceremony” foi incluído no CD de extras de Movement: Definitive Edition. Originalmente, esse single tinha sido programado para ser lançado em janeiro de 1981, mas a verdade é que ele terminou só saindo em março. A segunda versão da música, agora com Gillian Gilbert incorporada à banda, foi lançada em setembro de 1981 e trazia uma capa diferente, com fundo cor de “creme” e uma faixa vertical azul. Seu lado B também traz “In a Lonely Place”, mas é a mesma gravação lançada em março de 81. Os dois re-issues são bem fieis aos originais – ou quase. A capa da “versão 2”, como vocês poderão perceber, foi grosseiramente modificada.

asset (1)

Não foi a primeira vez que a Warner tirou uma “licença poética” e modificou o projeto gráfico de um disco do New Order por ocasião de um relançamento. Em 2009, quando os cinco primeiros LP’s de estúdio foram relançados, as capas de Power, Corruption and Lies (1983), Low Life (1985) e Brotherhood (1986) sofreram alterações – ou, melhor dizendo, foram barateadas. Infelizmente, isso deverá acontecer novamente em relançamentos vindouros. Uma fonte segura do blog creditada como “colaborador” em Movement: Definitive Edition (e cuja identidade manteremos em sigilo) já nos adiantou isso. Naturalmente, nada até agora se compara ao absurdo cometido em + / – Singles 1978-1980, caixa de vinis de 7″ do Joy Division lançada em 2010 com um formato mais ou menos no modelo da Singles Box dos Smiths, só que com fotos das artes originais impressas sobre capas de fundo branco em vez de réplicas perfeitas das capinhas oficiais!

Melhor “sorte” tiveram as reedições de “Everything’s Gone Green” e “Temptation”, cujas capas permanecem fidedignas às das versões originais lançadas, respectivamente, em 1981 e 1982. Essas duas canções merecem um parênteses. Lançadas após Movement, elas representam as primeiras tentativas de aproximação com os ritmos dance eletrônicos. Comparadas com o que vieram a fazer depois, como o arrasa-quarteirão “Blue Monday”, são faixas que soavam tão aventureiras quanto, digamos assim, rudes. Em suas atuais versões remasterizadas, soam agora mais polidas, o que sob certa perspectiva pode ser considerado uma “perda” frente ao valor histórico das mixagens outrora incluídas nas primeiras fitas master. Mas isso, na verdade, é uma questão de gosto – ou de opinião. Da parte deste que escreve o presente review, a melhor gravação de “Everything’s Gone Green” ainda é aquela do vinil brasileiro de Substance (1987). Mas como se chama isso mesmo? Memória afetiva, certo?

Não teria feito mal algum se esses relançamentos tivessem seguido uma tendência atual do mercado: a inclusão, em cada vinil, de um passe para baixar versões digitais dessas gravações, uma vez que não há sinais de que esses singles ganhem eventuais contra-partes em CD. Mas, de um modo geral, os fãs não têm mais do que reclamar. Finalmente o catálogo do New Order vem recebendo um tratamento digno da enorme influência que lhe é creditada. Completists certamente jamais deixarão de lado sua obsessão de reunir todas as variações possíveis desses singles, mas se não for esse o seu caso você já não precisará mais recorrer ao eBay para obter cópias de segunda mão.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram