REVIEW | “Be a Rebel” (New Order)

O New Order lançou hoje seu primeiro single desde “People on the High Line”, de 2016. “Be a Rebel” vinha sendo esperada pelos fãs desde que Bernard Sumner declarou ao The Times em julho deste ano que estava trabalhando na mixagem dessa faixa durante o lockdown. Não se trata necessariamente de uma música “nova” – na verdade, é uma sobra de estúdio vinda diretamente das sessões de gravação do último álbum do grupo, o excelente Music Complete (2015). Sumner, em uma outra entrevista, só que publicada pela Classic Pop Magazine em junho de 2015, foi categórico quando disse que a banda tinha escrito algo em torno de 15 músicas para Music Complete, mas que a Mute Records (atual gravadora do New Order) queria um álbum com apenas dez. Nessa mesma entrevista, o decano vocalista/guitarrista deixou claro que, ainda que o disco saísse com as dez canções que a Mute desejava, ele ficaria incomodado se não pudesse finalizar todas as músicas.

E parece que ele levou a promessa à cabo durante a quarentena imposta pela pandemia do novo coronavírus. Ou quase. Em nenhum momento foi mencionado por Sumner ou por qualquer outro integrante do New Order de que outras faixas verão a luz do dia no futuro, então por ora “Be a Rebel” será tudo (isto é, se não contarmos a caixa com a edição definitiva do álbum Power, Corruption and Lies e o vindouro novo disco ao vivo Education Entertainment Recreation, que não tem data ainda para sair).

O site do New Musical Express definiu “Be a Rebel” como uma faixa “agridoce”. Nas redes sociais, as reações dos fãs foram, em geral, positivas – e em alguns casos chegaram a ser acaloradas e entusiasmadas. Bom, mas será que o novo single do New Order, que ganhará ainda este ano versões em mídias físicas que incluirão remixes, vale tanta euforia?

Não se trata, de uma maneira alguma, de uma canção ruim. Além disso, “Be a Rebel” possui os ingredientes de um single de sucesso (mas se chegará a alcançar posições altas nas paradas, isso são outros quinhentos). Entretanto, há muitas coisas nela que podem incomodar. Por exemplo: num exame mais superficial, a música soa bastante como o Electronic (o extinto projeto solo de Bernard Sumner em parceria com o ex-Smiths Johnny Marr). Alguns trechos específicos chegam inclusive a remeter a um outro side project dos integrantes do New Order, neste caso o duo The Other Two, formado nos anos 1990 pelo casal Gillian Gilbert e Stephen Morris. Porém, as aventuras solo dos membros remanescentes do New Order que conhecemos hoje como sendo o “clássico” não necessariamente representam padrões engrandecedores de comparação. Não que o Electronic e o The Other Two fossem ruins, mas, convenhamos, não eram assim tão bons (ou pelo menos não quando postos frente a frente com o poderoso catálogo da Nova Ordem).

Por outro lado, sucessivas e mais atentas audições revelam um cenário mais desolador, infelizmente. “Be a Rebel” peca pela absoluta falta de personalidade. Quem tiver uma memória auditiva mais acurada certamente terá a incômoda sensação de que o novo single do New Order se parece com incontáveis faixas eurodance da década de 1990, começando pelos timbres (incluindo aqueles inconfundíveis riffs de piano que ajudaram a popularizar o sub-gênero conhecido como italo house), mas passando também pela sequência de acordes que compõem a estrutura básica da canção. A pegada dance e a voz e a guitarra de Sumner funcionam como boas “pegadinhas” aqui, isto é, são artifícios que escondem o que “Be a Rebel” realmente é: uma fotocópia de uma fotocópia, um clone de outros tantos clones. É uma faixa genérica. Se trocarmos a voz de Bernard pelos vocais, por exemplo, de Neil Tennant, ela se transforma imediatamente num outtake dos Pet Shop Boys. Ou então experimente imaginar Catherine Quinol cantando “Be a Rebel”… e ela se transformará, num passe de mágica, em um single do Black Box. Trocando em miúdos: ela soa como se tivesse sido criada por aqueles produtores especialistas na fabricação de sucessos dance em massa a partir de fórmulas prontas. Poderia ser uma música nova de qualquer um, não um novo single de uma banda com o legado do New Order.

Entretanto, os fãs mais empolgados com o novo lançamento da banda parecem cativados por sua atmosfera nostálgica que parece reviver a explosão do eurodance dos anos 90. Nesse sentido, “Be a Rebel” desenvolveu o poder de despertar em muita gente uma memória afetiva em torno de jardineiras, calças baggy, cores cítricas e os áureos tempos da MTV. De certo modo, Music Complete também era nostálgico, mas havia algo naquele álbum que parecia olhar para frente. Se tivesse sido incluída no disco, “Be a Rebel” certamente soaria deslocada.

Por enquanto, “Be a Rebel” está disponível apenas em formatos digitais no You Tube, nas plataformas de streaming e para download pago. Em novembro os fãs poderão colocar as mãos em uma edição limitada em 5.000 cópias prensada em vinil de 12″ cinza (já disponível para a pré-venda). Se o mercado para formatos físicos não estivesse rolando ladeira abaixo, não seria supresa alguma ver essa faixa sendo empurrada goela abaixo em uma enésima coletânea junto à fina flor do catálogo do New Order (“Blue Monday”, “True Faith”, “Regret”), com direito a algumas belas peças de Music Complete de lambuja, como “Singularity” e “Tutti Frutti”. Afinal, hoje em dia ninguem mais precisa comprar um CD com uma coleção inteira de músicas que já tem por causa de uma única faixa.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553

Instagram

REVIEW |”Closer” 40th anniversary vinyl pack

WhatsApp Image 2020-07-25 at 22.30.40Para celebrar o aniversário de 40 anos do “canto do cisne” do Joy Division, o álbum Closer (lançado no dia 18 de julho de 1980, ou seja, apenas dois meses após a morte do vocalista Ian Curtis), a Warner Music relançou, há pouco mais de uma semana, o disco em uma edição limitada prensada em um belíssimo vinil transparente, além de três singles de 12 polegadas póstumos que estavam fora de catálogo há anos: “Love Will Tear Us Apart”, “Atmosphere” e “Transmission”. Uma observação: todos vendidos separadamente, com os três últimos prensados em vinis de cor preta convencionais.

Vale lembrar que, no caso dos singles, todos eles já haviam sido lançados em outros formatos antes de aparecerem pela primeira vez em doze polegadas. “Love Will Tear Us Apart” apareceu antes no formato sete polegadas em junho de 1980 (a versão em 12″ só foi para as lojas em agosto daquele ano); “Atmosphere” foi lançada pela primeira vez em um EP da gravadora Sordide Sentimentale chamado Licht ünd Blindheit (com “Dead Souls” no lado B) limitado em 1.578 cópias e editado em março; já “Transmission” ganhou uma primeira versão em compacto simples em outubro de 1979.

No caso do doze polegadas de “Atmosphere”, seu lançamento se deu inicialmente para o mercado norte-americano com o código de catálogo FACUS 2 e com uma versão diferente de “She’s Lost Control” no lado B. Todavia, quando o disco saiu no Reino Unido, ele foi lançado com “She’s Lost Control” no lado A e “Atmosphere” no lado B. A versão relançada pela Warner é a norte-americana. Esse e os outros dois singles são, na visão deste blog, as verdadeiras estrelas desse pack comemorativo graças à potencialização das gravações remasterizadas com brilhantismo por Frank Arkwright (que vem trabalhando na remasterização do catálogo do Joy Division desde 2007) através de sólidos vinis de 180 gramas de 45 rotações.

WhatsApp Image 2020-07-25 at 22.30.40 (1)

O mesmo já não se pode dizer da nova edição de Closer. Quem já conhece o universo dos vinis transparentes e/ou coloridos sabe que não raras são às vezes em que esses discos saem com uma qualidade irregular. Na coleção deste que escreve, as edições translúcidas de dois títulos recentes do New Order – Music Complete (de 2015) e NOMC15 (de 2017) – são dois exemplos em contrário e que trazem um som limpo e com ruídos francamente imperceptíveis. Esse não é o caso dessa edição de quadragésimo aniversário de Closer. A cópia que recebemos peca pelo indisfarçável chiado, sem falar nos glitches e pulos, principalmente nas faixas de abertura de ambos os lados. Além disso, optaram por não imprimir o encarte com os rounded corners que existiam na edição original (e que reapareceram na primeira reedição em vinil de 180 gramas, também lançada em 2007). Por último, a novíssima edição de Closer comete o mesmo pecado da edição de quadragésimo aniversário do álbum anterior, Unknown Pleasures: fora as mudanças estéticas na capa e no vinil, o conteúdo é exatamente o mesmo de todas as outras edições anteriores. No caso de Closer, teria sido interessante, talvez, colocá-lo em uma caixa junto com os três singles póstumos de 1980 e mais um livreto como mimo para tornar mais atraente seu reaparecimento no mercado. Da forma como saiu, não passou de mais um cash catcher sem vergonha que tenta conquistar o público apenas com o apelo da aparência.

O conselho do blog é: a não ser que você seja um completist, gaste seu dinheiro apenas nos singles de doze polegadas.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

 

REVIEW | New Order ao vivo no MIF/2017 (live streaming)

93778472_3155271651164385_9090550788943854743_n

Foto: reprodução (instagram.com/neworderofficial)

A quarentena decorrente da pandemia do novo coronavírus gerou uma espécie de “surto secundário”: a explosão de uma gama de atrações liberadas na internet por meio das lives e dos streamings. E no meio de tanto conteúdo disponibilizado de hora em hora para públicos de todos os perfis e preferências, os fãs do New Order não foram esquecidos. Ao longo desta semana a banda anunciou em suas redes sociais que hoje, às 19:30 do horário britânico (15:30 aqui no Brasil), um show do grupo seria exibido via streaming no You Tube.

O concerto em questão era uma das cinco noites da “residência” que a banda fez nos antigos estúdios da emissora de televisão Granada durante a edição de 2017 do Manchester International Festival, um evento que, aliás, os homenageou naquele ano. Os shows dessa curta temporada diferiam daqueles de uma turnê “regular” do New Order: eles subiram ao palco com uma “orquestra de sintetizadores” formada por doze jovens tecladistas estudantes da Royal Northern College of Music regidos pelo maestro Joe Duddell e com projeções e efeitos de iluminação criados pelo artista visual Liam Gillick. Esse ambicioso projeto gerou dois produtos: um documentário sobre a produção, intitulado Decades (exclusivo do canal SKY Arts UK), e um belíssimo disco ao vivo.

Muitos fãs ficaram animados com a possibilidade de ver (e não apenas ouvir) um desses shows na íntegra. Mas a expectativa se transformou em leve frustração quando, na verdade, o canal do MIF exibiu uma versão incompleta do concerto que já estava hospedada no You Tube desde 2017. Aliás, o vídeo em questão ainda estava disponível no canal até poucos instantes antes de sua reexibição no live streaming. Além de começar com uma entrevista com Liam Gillick, o show teve toda a sequência inicial e a encore cortados. Ao todo, tivemos o vislumbre de apenas seis músicas: “Shellshock”, “Guilt is a Useless Emotion”, “Sub-Culture”, “Bizarre Love Triangle”, “Vanishing Point” e “Plastic”. Se não era o que muita gente esperava, foi no mínimo divertido ver os comentários dos internautas, que variavam entre a indignação e perguntas sobre se aquele show estava “acontecendo ao vivo de verdade” (sim, muita gente realmente achou que o New Order mandou às favas o lockdown e fez um show aberto ao público, vê se pode…).

Controvérsias à parte, quem não havia visto esse vídeo antes pôde conferir uma apresentação muito diferente e original em pelo menos três aspectos. Em primeiro lugar, todas as partes que nas versões originais (ou mesmo nos shows habituais) eram “tocadas” por máquinas (sequencers, baterias eletrônicas e samplers) foram executadas ao vivo (isto é, manualmente) pelo reforço dos doze tecladistas. Em segundo, o palco continha uma grande estrutura ao fundo que abrigava os músicos da “orquestra” e sobre a qual Gillick projetava formas geométricas em movimento e que aludiam o estilo minimalista que sempre caracterizou a comunicação visual do grupo. E para arrematar: o repertório consistia basicamente em canções menos conhecidas, lados B ou temas que não eram tocados ao vivo há muitos anos.

Na opinião deste que escreve, o vídeo editado pelos produtores do evento até que consegue satisfazer a curiosidade de quem não sabia exatamente do que se tratava – ou que sabia mas nunca tinha visto. É claro que aqueles que não estavam tão a par assim da proposta enviaram centenas de mensagens perguntando por “Blue Monday” ou “Regret”. De qualquer modo, a breve amostra de 37 minutos infelizmente deixou aquele famoso gosto de quero mais na nossa boca, apesar de que algumas tomadas, certos ângulos e a edição de imagens tenham deixado a desejar. Certamente, o material exibido hoje está longe de ser digno de um lançamento em DVD ou BluRay. Um consolo pelo menos para quem achou que o streaming de hoje era “só mais do mesmo”: duas lives, uma durante e outra depois da exibição. Na primeira o guitarrista/tecladista Phil Cunningham e o baixista Tom Chapman respondiam pelo Twitter perguntas de fãs sobre o show; na segunda, Liam Gillick, Peter Saville (ex-designer das capas dos discos do New Order) e o DJ Dave Haslam bateram um papo entre si e com os internautas. Menos mal.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

REVIEW | Unsealing “Electronic” (Parlophone 1994 Vinyl Re-issue) + unboxing “Use Hearing Protection”

Já faz um tempinho que alguns leitores fiéis deste blog (sim, eles existem!) vêm me cobrando novos posts e atualizações e peço desculpas a eles por escrever tão pouco de uns tempos para cá, mas a verdade é que depois que um filho passa a fazer parte da nossa rotina aquele tempo “livre” que nós temos de quando em vez (ou seja, aquele tempo que nos resta quando não estamos trabalhando) vem sendo usado de maneira bem diferente. Por isso, resolvi publicar este post “dois em um” sobre as últimas aquisições para a minha coleção: a caixa Use Hearing Protection: Factory Records 1978-1980 (lançada no final do ano passado) e o relançamento em vinil do homônimo disco de estreia do Electronic, o extinto projeto paralelo de Bernard Sumner em parceria com o ex-guitarrista dos Smiths, Johnny Marr.

Para começar, relatarei uma desatenção de minha parte. Quando o relançamento da estreia do Electronic foi anunciado, o press release disseminado pelas redes sociais dizia que se tratava de uma edição limitada prensada em vinil branco com venda exclusiva pela store virtual da Rhino Records UK… que, por sua vez, não envia para o Brasil! Eu já estava me preparando para acionar meus contatos no exterior para pedir aquela mãozinha amiga quando então acessei o site da Amazon UK e vi o LP disponível para pré-venda. Não pensei duas vezes: em vez de molestar mais uma vez meus “sócios” gringos, encomendei na Amazon mesmo. Porém, quando o disco chegou, eis a surpresa: o vinil não era branco. Sim, era um bolachão preto Normalzinho da Silva. Voltei lá no anúncio da Amazon para conferir e… é, não havia qualquer menção de que se tratava de um long play branco ou que fosse uma edição limitada. A empolgação com a possibilidade de poder comprar o disco sem ter que recorrer a “esquemas” com os chegados lá de fora me fez esquecer que itens exclusivos da loja virtual da Rhino SÃO REALMENTE EXCLUSIVOS! Além disso, não havia me dado o trabalho de pesquisar sobre uma eventual edição convencional acessível nas melhores lojas do ramo (como a Amazon).

83469563_567014090557830_4092564074792446553_n

Mas agora falando do álbum… Electronic já havia ganho outras três reedições lançadas, respectivamente, em 1994, 2013 e 2014: a primeira foi uma versão em compact disc lançada pela Parlophone com uma nova capa (lembrando que o álbum original saiu pela Factory Records), a segunda encarnou em um CD duplo remasterizado (e recheado de extras) e a última e mais recente aparição foi em vinil de 180 gramas (e baseada na remasterização do ano anterior). A nova edição traz a capa da versão de 1994 da Parlophone (que nunca havia saído em vinil antes), mas o áudio é o do remaster de 2013 enquanto que o tracklist é o do 180 gramas de 2014  (que trazia “Getting Away With It” como faixa bônus). No disco laser duplo de sete anos atrás, a nova masterização soa ok. Quer dizer, funciona bem no CD. Já no vinil… Bem, eu nunca pus para ouvir o LP de 2014, de maneira que achei que pelo menos desta vez eu deveria colocar para tocar a recém adquirida reedição (ainda que não fosse a de vinil branco que eu tanto ansiava obter). A primeira coisa que me chamou a atenção foi o volume um tanto baixo. O mesmo problema, aliás, do relançamento em long play de Get Ready (New Order), em 2015. Trocando em miúdos: foi uma dupla frustração.

Mas o assunto agora é o filet mignon, a super-ultra-luxuosa caixa Use Hearing Protection, que por sua vez foi concebida para celebrar o quadragésimo aniversário de nascimento do selo Factory Records. Deixarei de lado a novela que foi importar esse bibelô para me concentrar no que realmente interessa. Limitada em 4.000 cópias numeradas, Use Hearing Protection nos presenteia com edições facsimile (réplicas perfeitas) dos dez primeiros itens / objetos produzidos (e catalogados) pela Factory entre 1978 e 1980, além de alguns bônus bem interessantes. Um dos principais atrativos do box set é, sem qualquer sombra de dúvida, o EP duplo A Factory Sample (FAC 2), relançado de modo oficial pela primeiríssima vez (e disponível única e exclusivamente com a caixa) e com sua estilosa capa confeccionada em PVC. Para quem não sabe, A Factory Sample possui os dois primeiros registros do Joy Division na Factory, as canções “Digital” e “Glass”, além de faixas de Durutti Column, Cabaret Voltaire do comediante John Dowie.

Além de A Factory Sample, o pacote contém outros itens em vinil: “All Night Party” (FAC 5), single de estreia do A Certain Ratio; “Electricity” (FAC 6), primeiro compacto do Orchestral Manoeuvres in the Dark; Unknown Pleasures (FACT 10), o clássico début do Joy Division em LP; e “Big Noise From the Jungle”, um single de 12″ dos Tiller Boys que deveria ter sido lançado pela Factory com o código de catálogo FAC 3 mas que acabou sendo editado originalmente pelo selo New Hormones em 1980. Para completar a lista dos dez primeiros “produtos” catalogados da gravadora, temos ainda pôsteres dos primeiros shows realizados no Factory Club (FAC1, FAC 3 e FAC 4), um papel de carta timbrado num envelope personalizado (FAC 7), um rascunho / sketch do projeto (não concretizado) de um “ábaco menstrual” (FAC 8) e um DVD com o filme No City Fun (FAC 9), baseado em um artigo publicado no fanzine “City Fun” de Liz Naylor, com direção de Charles Salem e trilha-sonora do Joy Division.

asset (7)

Dentre os extras, a caixa brinda os fãs com dois CDs inteiros de entrevistas I-N-É-D-I-T-A-S do Joy Division (concedidas em 1979 à escritora e cineasta canadense Marry Harron) e um livro de 60 páginas com texto de James Nice (LTM Recordings e Factory Benelux), fotos de Kevin Cummins e entrevistas com Joy Division, Tony Wilson e Rob Gretton. É de arregalar os olhos.

Mas qual é a impressão geral? Se deixarmos de lado o “conceito” por trás da caixa (reunir o que foi produzido pela Factory Records nos seus dois primeiros anos de existência, do FAC 1 ao FAC 10), há itens dentro do pacote que são, sim, dispensáveis… a começar por mais uma edição de Unknown Pleasures, um disco que todo mundo tem e que já foi relançado de todas as maneiras possíveis. O rascunho do projeto do “ábaco menstrual” e o papel de carta / envelope são verdadeiras extravagâncias que só se justificam por causa do tema do box set. Sendo assim, parece coisa de maluco pagar uma quantia nada amigável por Use Hearing Protection para se conseguir uma cópia facsimile de A Factory Sample. Entretanto se considerarmos o livro, o CD duplo de entrevistas inéditas e o filme No City Fun em DVD pela primeira vez, temos um pacote recheado de atrativos suficientes para satisfazer o mais apaixonado, ávido e bem remunerado fã do Joy Division. Ainda assim, pode-se dizer que todo o conjunto vale a pena mesmo se o potencial comprador também for um interessado nas outras bandas incluídas na caixa, principalmente o OMD e o A Certain Ratio (como é o meu caso, sobretudo com relação ao ACR). Afinal, não venha me dizer que existem tantos entusiastas assim dos Tiller Boys!

Agora, que se preparem os fãs porque 2020 promete uma verdadeira sangria nas contas bancárias (ainda mais com o dólar atingindo a estratosfera): “só” para começar teremos uma edição comemorativa de 40 anos do Closer (Joy Division) e a Definitive Edition de Power, Corruption and Lies (New Order). E pode ter certeza de que não vai ficar só nisso. Business as usual!

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

 

 

NEWS | Banda de fãs russos do New Order lança CD produzido por Stephen Hague

joi+noir_itunes+copy

Celeste, oálbum de estreia do Joi Noir. Foto: reprodução.

Coisas do mundo das redes sociais… Um belo dia uma banda de nome pitoresco chamado Joi Noir passou a seguir o perfil do blog New Order BR FAC533 no Instagram (@neworderbrfac533). Além de curtir os posts, o perfil do Joi Noir (@joinoir) passou a deixar comentários divulgando seu álbum de estreia, intitulado Celeste, e sempre fazendo questão de frisar que o disco foi produzido por Stephen Hague, que tem em seu currículo o próprio New Order. A partir daí, passei a prestar mais a atenção nas postagens da banda, feitas em sua totalidade pela vocalista Olga Gallo (que parece ser também a “cara pública” do Joi Noir). Algumas delas trazem fotos de seus integrantes posando ao lado de alguns de nossos heróis aqui do blog, como Bernard Sumner e Peter Hook, com direito a discos autografados pelos mesmos, o que demonstra que a turma do Joi Noir também é bastante ligada na Nova Ordem. Os vídeos publicados no Instagram não desmentem essa impressão: é possível notar sem muito esforço ecos do Joy Division e do New Order no som deles. Em poucos dias a troca de comentários e de mensagens via direct se transformou em um hábito. E ontem o carteiro deixou na minha caixa de correio uma cópia em CD autografada (com dedicatória!) de Celeste. Nada mais justo do que dar a eles um pequeno espaço aqui no blog.

asset (3)

Olga e Igor com Bernard Sumner, Peter Hook e seus discos autografados. Foto: reprodução (Instagram)

A história do Joi Noir, do seu nascimento até o lançamento do primeiro disco, merece destaque. Seus integrantes são russos, mas a banda foi formada na República do Congo (!!!) em 2014, mais precisamente em Pointe-Noire. O nome do grupo não apenas se baseou em sua localidade de origem, mas também nas iniciais dos nomes de seus membros fundadores: o baterista Jack Kuznetsov (o “J”), a vocalista Olga Gallo (de onde saiu a letra “O”) e o guitarrista Igor Plotnikov (que forneceu o “I”). Do Congo a banda se mudou para Kuala Lumpur, na Malásia, onde Jack acabou deixando a banda, sendo então substituído por um baterista malasiano chamado Mie Apache. Foi em Lumpur que essa formação começou a trabalhar nas gravações demo do material que mais tarde faria parte de Celeste. O grupo utilizou a Malásia como base durante um tour pelo Sudeste Asiático e pelo Japão até que em 2017 Olga e Igor se mudaram para Barcelona (onde estão instalados até hoje) e se converteram no núcleo permanente da banda. Nessa época, as demos do Joi Noir caíram nas mãos de Stephen Hague, que gostou do som, amou a voz de Olga Gallo, e decidiu dar uma força para a dupla aceitando co-produzir seu álbum de estreia. Olga e Igor se transladaram para Hastings, na Grã Bretanha, onde fizeram as gravações de Celeste acrescidos de músicos britânicos e do próprio Hague, que tocou baixo e teclado em algumas faixas. A formação que tocou no CD, com exceção do produtor, teve também uma breve existência sobre os palcos.

Lançado no dia 20 de setembro deste ano pela Galago Records nos formatos streaming, LP (vinil branco, edição limitada) e CD, Celeste é um disco com credenciais para agradar não apenas fãs do New Order, mas também todos os amantes de estilos como o pós-punk e a new wave. O som do Joi Noire transita por influências facilmente identificáveis de New Order, Siouxsie & The Banshees, Pretenders e Pixies. Ainda que sejam uma banda de rock alternativo, várias faixas do álbum poderiam circular tranquilamente pelas FMs da vida. Esse é o caso, por exemplo, de “Wild Way Hope”, que é também o single de estreia de Celeste.  “Loved You Now” é outra que cairia muito bem no rádio. Mas os grandes destaques do CD, na minha humilde opinião, são “Crashers” (quiçá a melhor canção do disco), “Excited” (com uma introdução que lembra “A Means to an End” do Joy Division), “Amber” e “Sample and Hold” (ambas verdadeiras cápsulas do tempo que nos levam de volta aos anos 1980). Em suma, não é um disco difícil de se gostar e ele cresce a cada nova audição. Para fins de comparação, pode-se dizer que o Joi Noir é aquilo que o She Wants Revenge tentou ser e não conseguiu, além de se juntar a esforços louváveis de revitalização do pop com ares oitentistas de bandas como White Lies e Editors.

E não podemos nos esquecer da “cereja do bolo”! As fotos usadas na capa do disco (desenhada pelo artista gráfico Andrew Vella) foram feitas por Andy Earl, renomado fotógrafo que já clicou Johnny Cash, Duran Duran, Spandau Ballet, Gary Numan, Eurythmics, Simple Minds, Mike Oldfield, Robert Plant, The Cranberries, Pet Shop Boys, Simply Red e muitos outros!

Pessoalmente falando, o maior ganho que eu tive com Celeste foi encurtar o contato com pessoas que, como eu, compartilham o amor pelo New Order – e que declararam esse amor em um disco produzido por um cara que deu uma mãozinha em clássicos como “True Faith” e “Regret”. Considerando os itinerários seguidos por Olga e Igor – da fria Rússia à ensolarada Barcelona, passando por África e Ásia – esse encontro propiciado pelas redes sociais é um exemplo das voltas que o mundo dá.

asset (4)

Minha cópia autografada de Celeste. Love is hope!

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

 

REVIEW | ∑(No, 12k, Lg, 17Mif) New Order + Liam Gillick: So It Goes..

DD45102A-FF63-48E4-A5C9-2FABB462DDE0Uma olhadela protocolar no tracklist do mais novo disco ao vivo do New Order, o quase impronunciável ∑(No, 12k, Lg, 17Mif) New Order + Liam Gillick: So It Goes.. (que doravante chamaremos apenas de So It Goes..), pode fazer qualquer um pensar que não se trata de um lançamento para não iniciados ou para aqueles que só conhecem a banda pelos grandes sucessos. Mas será que é isso mesmo? Examinemos um pouco mais de perto antes de chegarmos a conclusões precipitadas.

So It Goes.. é o registro da “residência” de cinco noites nos antigos estúdios da emissora de TV Granada durante o Manchester International Festival (MIF) de 2017, realizado entre os dias 04 e 21 de julho daquele ano. O New Order era um dos homenageados do festival (com direito a uma exposição dedicada ao seu legado intitulada True Faith) e para as suas apresentações ao vivo naquele que foi o cenário de sua primeira aparição na televisão (ainda como Joy Division, em 1978) a banda se juntou ao artista visual local Liam Gillick (que tem obras expostas no MoMA de Nova Iorque) e a uma “orquestra” de sintetizadores formada por doze jovens alunos da Royal Northern College of Music com o objetivo de transformar aqueles concertos em uma experiência singular. O New Order e seu time auxiliar de músicos tocariam em uma espécie de palco-instalação que interagiria às luzes e às projeções criadas por Gillick.

Mas as surpresas iam além… o New Order apresentaria um repertório baseado apenas em canções que há anos não eram tocadas ao vivo e que incluía, também, lados B. Ou seja, nada de hits (a única excessão seria “Bizarre Love Triangle”). Além disso, em vez de sequencers samplers, todas as partes programadas outrora executadas no palco com a ajuda de máquinas seriam tocadas ao vivo com o auxílio da orquestra de tecladistas da RNCM, sob regência do maestro Joe Duddell.

O empreendimento recebeu elogios rasgados da imprensa europeia e ainda gerou um documentário chamado Decades, produzido pela Sky Arts, e que se concentra justamente no processo de criação do show apresentado no MIF 2017. O disco que acaba de sair contém, na íntegra, o concerto do dia 13 de julho de 2017, além de incluir canções pinçadas das performances dos dias 06 e 15/07 como faixas bônus. Lançado pela Mute Records, So It Goes.. pode ser encontrado nos formatos CD duplo, box set com três LPs (edição limitada), digital downloadstreaming. O belíssimo projeto gráfico faz valer a pena o investimento nas edições físicas, principalmente o box set. Não há previsão de lançamento no Brasil.

221C33D0-4D94-416C-A4BC-9808E0F2544B

BDD3EAD5-2269-4681-B67D-3044B94C0793

De volta ao tracklist, aqui temos o New Order percorrendo todas as suas fases: do Joy Division ao seu último disco de estúdio, Music Complete, de 2015. Algumas versões ao vivo não são menos que emocionantes. É o caso, por exemplo de “Disorder” (tocada com absoluta perfeição), “Dream Attack” (uma das melhores faixas de Technique, de 1989), “Sub-Culture” (talvez a mais bela recriação de um arranjo já operada pela banda) e “In a Lonely Place” (lado B do single de estreia do New Order). Tudo maravilhosamente bem tocado e, principalmente, bem gravado. Mesmo canções pouco badaladas de seu catálogo, como “Ultraviolence” ou “All Day Long”, ou temas do pouco inspirado disco Waiting for the Sirens’ Call (2005), como “Who’s Joe” e “Guilt Is a Useless Emotion”, ganharam um novo frescor em So It Goes… O set termina melancólico, porém belo, com versões cheias de alma de “Your Silent Face” e “Decades”. A três faixas-bônus são caprichos, verdadeiros mimos para os fãs: “Elegia”, “Heart and Soul” e uma versão surpreendentemente fantástica “Behind Closed Doors”, b-side de “Crystal” (2001) e talvez a única música dentre as de So It Goes.. que jamais havia sido tocada ao vivo pelo New Order antes (*).

Talvez o único ponto “negativo” do disco seja a voz de Bernard Sumner. Sempre faltou brilho em seus vocais, mas a idade (Sumner tem 63 anos) bateu à sua porta e sua voz hoje soa bastante cansada, às vezes até um pouco fora do tom em algumas músicas. Mas aí já seria exigir demais de quem nunca se destacou no manejo do microfone, ainda que tenha assumido o posto que outrora pertenceu ao mítico Ian Curtis.

So It Goes.. é, de longe, o melhor disco ao vivo do New Order, mesmo sem pérolas como “Ceremony”, “Blue Monday”, “True Faith” ou “Regret”. É um disco que mostra que a banda possui um repertório consistente para além dos grandes êxitos – e que ganhou uma roupagem atraente o bastante para despertar o interesse de quem não conhece profundamente a banda. Para os fãs de longa data, o álbum é um presente, quase um agradecimento por tantos anos de apaixonada e fiel devoção. Em entrevistas recentes, seus integrantes afirmaram que não há planos para um novo álbum de inéditas em vista e que, por enquanto, prosseguirão apenas fazendo shows. Todavia, se por acaso o seu catálogo terminasse por aqui, So It Goes.. seria (por que não?) um belíssimo canto do cisne.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

(*) Na verdade, “Times Change”, faixa que abre o CD, também nunca foi tocada ao vivo antes… entretanto, tanto essa (em versão instrumental) quanto “Elegia” aqui são tocadas apenas pelos músicos da “orquestra de sintetizadores”, sem participação da banda.

 

 

 

REVIEW | Livro: “Record Play Pause – Confessions of a Post-Punk Percussionist Volume 1” (Stephen Morris)

Stephen+Morris+Record+Play+Pause

Quando será que vai sair a autobiografia da Gillian Gilbert?

A banda das incontáveis coletâneas vem aumentando, também, sua coleção de autobiografias. Depois de Peter Hook e Bernard Sumner, agora chegou a vez de Stephen Morris, ex-Joy Division e (ainda) baterista do New Order, que acaba de lançar lá fora pela editora Constable o seu Record Play Pause: Confessions of a Post-Punk Percussionist Volume 1 (416 páginas). O título dá a pista: o que temos por hora é “apenas” a primeira parte. Nos catálogos de algumas livrarias on line vem sendo acrescentado um The Joy Division Years como forma de indicar para o leitor que a história do New Order provavelmente será foco do volume seguinte.

Não há como avaliar esse primeiro tomo das memórias de Morris sem comparar (pelo menos em determinados aspectos) com os livros lançados previamente por Hook e Sumner. Por ter feito a escolha de distribuir toda sua biografia e trajetória no mundo da música ao longo de três títulos, Peter Hook ofereceu aos fãs do Joy Division e do New Order uma história extremamente rica em detalhes e informações. Nesse aspecto, a autobiografia de Sumner, publicada em volume único, perde de goleada. Ainda que o segundo volume das memórias de Morris não tenha uma previsão de lançamento, já podemos supor que em matéria de profundidade e detalhamento Record Play Pause tem tudo para conquistar um potencial segundo lugar na preferência dos fãs.

As diferenças, todavia, não param por aí. Ainda que o mais provável é que todos esses livros tenham sido escritos por ghost writers (prática comum em se tratando de autobiografias de astros da música), cada um deles foi desenvolvido em um estilo de escrita que parece refletir com alguma precisão a personalidade de cada “autor”. Os livros atribuídos a Peter Hook, por exemplo, possuem uma linguagem carregada de um humor escrachado e irreverente. Já o livro de Sumner tem um estilo de escrita mais low profile, se parecendo às vezes com uma entrevista. Mais uma vez, Record Play Pause parece ficar no meio do caminho entre os dois. O senso de humor mais sofisticado de Stephen Morris, por vezes sarcástico e mordaz, comparece. O texto dá voz à personalidade conhecidamente nerd e excêntrica do baterista.

O primeiro volume de Record Play Pause cobre um período que vai da infância de Morris em Macclesfield (cidade que fica nos arredores de Manchester) até os primeiros passos do New Order. Dividido em três partes, duas delas são dedicadas ao Joy Division, desde suas origens punk como Warsaw até o fim trágico com a morte de Ian Curtis. Naturalmente, há muita coisa no livro que já foi dita alhures, seja nas autobiografias de Sumner e Hook, seja em tantos outros livros já publicados sobre o Joy Division e o New Order. Isso não quer dizer, entretanto, que Morris não traz para o leitor alguma coisa diferente ou nova aqui ou ali.

Record Play Pause revela ao leitor fatos da vida pessoal de Morris que ajudam a entender como aquele garoto oriundo da pequena burguesia de Macclesfield (em contraste com Hook e Sumner, que vieram da classe operária de Salford) se tornou um dos percussionistas mais celebrados de sua geração. Está tudo ali: o interesse pela música (em especial bandas como uma forte veia experimental / vanguardista, como Hawkwind, Captain Beefheart, Can, Velvet Underground e Van Der Graaf Generator), seu desejo de aprender a tocar um instrumento musical, do clarinete (por sugesão de seu pai) à bateria (demonstrando, desde o começo, predileção pelo estilo repetitivo de bateristas como Moe Tucker e Jacki Liebezeit), além, é claro, das primeiras experiências com drogas.

A terceira parte certamente é a que mais prenderá a atenção do leitor. Nela Morris traça o perfil de figuras importantes para a história da banda, como Rob Gretton (o falecido ex-empresário do Joy Division e do New Order) e Tony Wilson (repórter televisivo e chefe da gravadora Factory), esmiuçando o relacionamento que o grupo tinha com eles; detalha as gravações dos dois LPs que o Joy Division produziu durante sua curta existência (o que inclui generosas descrições de aspectos técnicos); conta como conheceu Gillian Gilbert e de que maneira os dois engataram o relacionamento amoroso que dura até hoje; e explica como ele e Bernard Sumner foram “capturados” pelos instrumentos eletrônicos. Tudo isso costurado pelo humor tipicamente britânico (ou seja, irônico ou autodepreciativo) do baterista.

Record Play Pause não chega a ser “o livro” sobre o Joy Division, mas segue a mesma linha das autobiografias anteriores, que retrata o grupo de uma forma bem menos “séria” ou “solene”, o que contraria o mito de “banda depressiva” que repousa no imaginário coletivo há anos. Apesar dos já conhecidos problemas de seu finado ex-vocalista, o ambiente interno do JD era qualquer coisa, exceto depressivo. Resta saber agora que outros mitos Morris ajudará a derrubar quando lançar o volume que cobrirá a história completa do New Order.


P.S.: Para minha imensa alegria, fui presenteado com uma cópia promocional de Record Play Pause assinada pelo Stephen Morris (foto). Todavia, o responsável por conseguir esse exemplar me pediu que eu mantivesse sua identidade em sigilo… de qualquer forma, gostaria de deixar registrado meus agradecimentos por tamanha consideração.

IMG_1276

Minha cópia promocional de Record Play Pause assinada pelo autor.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

<<OBS.: texto modificado em 26/07/2019, às 10:23.>>

REVIEW | 1981-82 Singles Re-issue

assetQuando o New Order anunciou, ainda no ano passado, que relançaria em 2019 seu álbum de estreia – Movement – em uma luxuosa caixa contendo um LP, dois CDs, um DVD e um livro, a banda aproveitou a oportunidade para comunicar aos fãs que os singles de 12″ originalmente editados no mesmo período (1981-1982) também seriam relançados em vinis de 180 gramas e com áudio remasterizado. Esses singles, de acordo com o grupo, sairiam aos poucos algumas semanas antes de Movement: Definitive Edition ir para as lojas. Os relançamentos em questão eram: as duas gravações de “Ceremony” (cada uma em um vinil), “Everything’s Gone Green” e “Temptation”.

Assim como a edição encaixotada do Movement, sobre a qual este blog já resenhou, os quatro singles em questão já estão na mão. E o papel do FAC 553 agora é trazer aos fãs lusófonos do New Order nossas impressões sobre eles. Então vamos lá…

Comecemos pelos dois 12″ de “Ceremony”. Um deles (o de capa verde) contém uma primeira versão gravada pelo New Order nos estúdios Eastern Artists Recordings, Nova Jersey, em 1980, durante a primeira excursão do grupo (ainda um trio na ocasião) pelos EUA (ou mais especificamente por uma pequena parte da Costa Leste). Durante a mesma sessão de estúdio, a banda gravaria também “In a Lonely Place”, que entraria no Lado B. Ambas canções foram escritas pouco antes de Ian Curtis por fim à sua vida e encerrar o capítulo Joy Division, de maneira que as duas foram as primeiras faixas a fazerem parte do repertório do New Order. Um mix alternativo (e inédito) dessa gravação de “Ceremony” foi incluído no CD de extras de Movement: Definitive Edition. Originalmente, esse single tinha sido programado para ser lançado em janeiro de 1981, mas a verdade é que ele terminou só saindo em março. A segunda versão da música, agora com Gillian Gilbert incorporada à banda, foi lançada em setembro de 1981 e trazia uma capa diferente, com fundo cor de “creme” e uma faixa vertical azul. Seu lado B também traz “In a Lonely Place”, mas é a mesma gravação lançada em março de 81. Os dois re-issues são bem fieis aos originais – ou quase. A capa da “versão 2”, como vocês poderão perceber, foi grosseiramente modificada.

asset (1)

Não foi a primeira vez que a Warner tirou uma “licença poética” e modificou o projeto gráfico de um disco do New Order por ocasião de um relançamento. Em 2009, quando os cinco primeiros LP’s de estúdio foram relançados, as capas de Power, Corruption and Lies (1983), Low Life (1985) e Brotherhood (1986) sofreram alterações – ou, melhor dizendo, foram barateadas. Infelizmente, isso deverá acontecer novamente em relançamentos vindouros. Uma fonte segura do blog creditada como “colaborador” em Movement: Definitive Edition (e cuja identidade manteremos em sigilo) já nos adiantou isso. Naturalmente, nada até agora se compara ao absurdo cometido em + / – Singles 1978-1980, caixa de vinis de 7″ do Joy Division lançada em 2010 com um formato mais ou menos no modelo da Singles Box dos Smiths, só que com fotos das artes originais impressas sobre capas de fundo branco em vez de réplicas perfeitas das capinhas oficiais!

Melhor “sorte” tiveram as reedições de “Everything’s Gone Green” e “Temptation”, cujas capas permanecem fidedignas às das versões originais lançadas, respectivamente, em 1981 e 1982. Essas duas canções merecem um parênteses. Lançadas após Movement, elas representam as primeiras tentativas de aproximação com os ritmos dance eletrônicos. Comparadas com o que vieram a fazer depois, como o arrasa-quarteirão “Blue Monday”, são faixas que soavam tão aventureiras quanto, digamos assim, rudes. Em suas atuais versões remasterizadas, soam agora mais polidas, o que sob certa perspectiva pode ser considerado uma “perda” frente ao valor histórico das mixagens outrora incluídas nas primeiras fitas master. Mas isso, na verdade, é uma questão de gosto – ou de opinião. Da parte deste que escreve o presente review, a melhor gravação de “Everything’s Gone Green” ainda é aquela do vinil brasileiro de Substance (1987). Mas como se chama isso mesmo? Memória afetiva, certo?

Não teria feito mal algum se esses relançamentos tivessem seguido uma tendência atual do mercado: a inclusão, em cada vinil, de um passe para baixar versões digitais dessas gravações, uma vez que não há sinais de que esses singles ganhem eventuais contra-partes em CD. Mas, de um modo geral, os fãs não têm mais do que reclamar. Finalmente o catálogo do New Order vem recebendo um tratamento digno da enorme influência que lhe é creditada. Completists certamente jamais deixarão de lado sua obsessão de reunir todas as variações possíveis desses singles, mas se não for esse o seu caso você já não precisará mais recorrer ao eBay para obter cópias de segunda mão.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

 

REVIEW | “Movement: Definitive Edition”

C69E2D5A-C126-4963-A5E1-B675CE5F1708Há uma semana saía (lá fora) a super-aguardada “edição definitiva” de Movement, o sombrio álbum de estreia do New Order, lançado originalmente em 1981. Embalado em uma luxuosa caixa contendo um LP, dois CDs, um DVD e um livro, a nova versão do début da “Nova Ordem” parece ser o primeiro de uma série de reedições em formato deluxe de seu antigo catálogo. Na esteira do lançamento do box set, a Warner reeditou em vinis de 12” polegadas três singles do New Order do período 1981-82, distribuídos em quatro discos: duas versões diferentes de “Ceremony”, “Everything’s Gone Green” e “Temptation”. Atenção, navegante: fique de olho no limite do seu cartão de crédito!

O conteúdo exato da caixa é: o álbum original totalmente remasterizado em vinil e em CD, um disquinho recheado de material extra, como demos, mixagens alternativas e gravações de ensaio e um DVD com vídeos ao vivo – em sua grande maioria inéditos ou raros. O livro, com capa dura, páginas impressas em papel de altíssima gramatura, sem falar nas belíssimas fotos, é um mimo à parte. Enfim, há motivos de sobra para os fãs desembolsarem com gosto seu suado dinheirinho nessa caixa.

O estojo que abriga todos esses caprichos exibe a elegância e o minimalismo que se tornaram marcas registradas da identidade visual da banda. Todavia, Peter Saville, o artista que assinou o design gráfico original, não esteve envolvido no projeto, que ficou a cargo de dois antigos colaboradores seus: Howard Wakefield (criação) e Warren Jackson (direção de arte). Saville agora está envolvido com novas experiências criativas e deixou de lado as capas de discos após décadas produzindo algumas das mais brilhantes e icônicas da história do pop. A última capa que ele criou para o New Order foi a de Music Complete, de 2015.

IMG_9744

O álbum original – em LP ou CD – não traz nenhuma surpresa. É o mesmo tracklist de 1981 e com as faixas na mesmíssima ordem. A remasterização é de 2016, conduzida pelo engenheiro de som Frank Arkwright nos estúdios Abbey Road, e que anteriormente estava disponível apenas nos formatos streaming e digital download. Diga-se de passagem, ela é muito superior à remasterização de 2008, aquela feita para o frustrante projeto Collector’s Edition. Arkwright é um autêntico artista da engenharia de som e isso já havia ficado patente, por exemplo, no relançamento do catálogo do Joy Division anos atrás. Entretanto, como de costume, a Warner cometeu seus pecados habituais. Além de ter colocado o código “FACD 50” na lombada da capa do vinil (!!!), a gravadora chegou a anunciar que a versão em CD feita para caixa seria no estilo mini vinyl replica (reprodução exata do artwork do LP para o formato compact disc) – mas o mesmo “FACD 50” impresso na parte frontal e as visíveis diferenças nas proporções do projeto gráfico mostram que a promessa não foi cumprida.

Mas essas, digamos assim, trapalhadas passam perfeitamente batidas quando se considera tantas coisas maravilhosas reunidas em um único pacote. O CD de “extras”, por exemplo, tem tudo aquilo que os fãs sempre esperaram que viesse à luz do dia em formato digital. É bem verdade que as Western Works Demos – com o trio remanescente do Joy Division (Sumner, Hook e Morris) se revezando nos vocais – não são nenhuma novidade, ainda que esta seja a primeira vez que elas chegam ao público por vias oficiais. Porém, as gravações demo realizadas nos estúdios Cargo, Rochdale, em janeiro de 1981, são a joia da coroa desse disco. Nelas, as canções que mais tarde fariam parte de Movement, ou que foram lançadas em singles de 12” naquela época, aparecem sem o verniz dos arranjos definitivos e sem os decorativos efeitos de estúdio que o produtor Martin Hannett fez uso nas gravações que todos conhecem. Hannett também produziu essas demos, mas nelas ele deixou tudo soar de modo natural, o que nos permite vislumbrar o lampejo, ainda que tímido, do som que estaria por vir mais tarde – algo ocultado na mixagem final do LP. Preste a atenção na batida de “Mesh” e tire suas conclusões.

Um ensaio gravado de “Chosen Time”, que encerra o CD de material extra, também mostra que sem os truques de Hannett para modificar o som da bateria (sua marca registrada) o New Order já conseguia soar dance antes mesmo de assimilar os ritmos eletrônicos noturnos de Nova Iorque. Um mix alternativo de “Temptation” – a primeira tentativa real da banda de produzir música para as pistas de dança – reforça a tese de que talvez fosse esse o som que a “Nova Ordem” estava a perseguir desde o início. Todavia, foi uma busca em meio à escuridão forjada pelo fim trágico do Joy Division, origem de toda insegurança e hesitação que se ouve no material dessa época – e de um lado sombrio que teimou em perseguir o grupo por muito tempo.

O DVD tem também seus encantos. Pela primeira vez temos, na íntegra, a performance ao vivo da banda no extinto programa de TV Riverside, do canal BBC 2. Muitos se lembrarão dessa gravação por causa de um excerto de “Temptation” no documentário New Order Story, de 1993. Dentre as gravações avulsas, a de “Ceremony” no CoManCHE Student Union já era umas das favoritas deste que escreve antes mesmo de ser pinçada para o box set (está disponível no You Tube). Entretanto, a cereja do bolo é, sem dúvidas, o show no Hurrah’s, Nova Iorque, em 1980, ainda sem Gillian Gilbert na formação e possivelmente realizado com instrumentos adquiridos nos EUA após o roubo do seu equipamento original nas ruas da Grande Maçã (história já bastante conhecida entre os fãs do New Order). Infortúnios à parte, é um inédito registro com imagem e som de um curto período em que o grupo existiu como um trio, após o fim do Joy Division.

A cobertura de chantilly é o lindíssimo livro de 48 páginas. Além das notas habituais que situam o ouvinte no contexto da obra, temos fotos da banda ao vivo e dos instrumentos / equipamentos usados pelo New Order naquela época, para deleite do público geek. Há fotos de pôsteres e flyers de concertos também. Como bônus, o feliz proprietário do box set poderá ler uma transcrição da primeira entrevista oficial concedida pelo grupo.

IMG_9746

Não existem tantos artistas na história do pop cujos itens da discografia tenham recebido um tratamento dessa estatura. Com Movement: Definitive Edition, o New Order encontra-se agora ao lado de um seleto grupo formado Beatles, Led Zeppelin, Pink Floyd, Velvet Underground e Bowie. A nova caixa coloca a banda no seu devido lugar, dignificando seu catálogo e seu legado (em parte eclipsado pelo revival em torno do Joy Division). Além disso, nos faz olhar um disco historicamente subestimado com a indulgência que sempre lhe foi negada. E estabelece um alto parâmetro para as caixas que deverão vir a seguir.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

REVIEW | New Order, ao vivo no Teatro Caupolicán (Chile, 09.01.2019)

img_8213Após a rocambolesca história envolvendo problemas no translado de seu equipamento da Cidade do México até Santiago, eis que o New Order finalmente cumpriu, há exatamente uma semana, a promessa de repor o show cancelado no Chile em novembro do ano passado. De quebra, a banda ainda conseguiu encaixar na sequência uma data em Miami para viabilizar o retorno ao Novo Continente.

Mas o assunto aqui é o concerto em Santiago e, mais uma vez, a banda foi recebida pelos chilenos sobre o palco do Teatro Caupolicán, ex-Teatro Monumental. Com capacidade para 4.500 pessoas, o Caupolicán foi fundado em 1939 e desde o começo foi idealizado para abrigar importantes apresentações artísticas – e até mesmo desportivas. Já acolheu artistas muito distintos como Iron Maiden, Air Supply, Peter Frampton, NOFX, Duran Duran, Simply Red, The Prodigy e, é claro, New Order. Mas o estado bastante envelhecido de suas instalações contrasta com a beleza das fotos de divulgação postadas em seu site oficial…

Apesar do prazo para venda de ingressos ter sido estendido em função do adiamento do show, o New Order regressou ao Caupolicán sem que todas as entradas tivessem sido vendidas, o que não quer dizer que a banda tocou para um tatro vazio. Muito pelo contrário, aliás. Se não foi um concerto sold out, certamente chegaram bem perto disso. Todavia, os chilenos parecem gostar de chegar bem em cima da hora porque, em um piscar de olhos, o lugar passou de vazio a abarrotado poucos instantes antes do grupo pisar no palco. 

Com relação ao show, o New Order fez a espera valer a pena e apresentou ao público uma performance daquelas dificeis de se colocar defeito. Gillian Gilbert até tocou uma nota errada no solo de teclado de “Age of Consent” e Bernard Sumner foi Bernard Sumner ao substituir um verso de “Ceremony” por uma “bronca cantada” para o pessoal da iluminação (ele trocou “travel first and lean towards this time” por “turn the fucking light off quickly”), mas isso foi tudo em meio ao que poderíamos chamar de “falhas”. De resto, foi um show redondinho.

Apesar da reclamação de “Barney” sobre a luz, o set de iluminação e os vídeos exibidos nos telões de led de alta definição mostraram o quanto a banda conseguiu se desenvolver em termos de efeitos visuais, uma vez que antes da saída do baixista Peter Hook (em 2007) esse era um aspecto pouco valorizado pelo New Order. Se o vocalista não parecia tão contente assim com um foco de luz direto no seu rosto em “Ceremony”, por outro lado não escondia uma alegria genuína por estar ali diante daquela plateia. Nem ele, nem o guitarrista/tecladista Phil Cunnigham e o baixista atual, Tom Chapman. Os chilenos não puseram o Caupolicán abaixo de tanto pular e cantar por milagre, o que deixou o grupo muito descontraído e à vontade (é claro que não poderíamos chegar a essa conclusão se olhássemos apenas para uma estatuesca Gillian Gilbert, ou para um Stephen Morris quase que totalmente encoberto por sua bateria).

O som estava perfeito da primeira à última música, com os instrumentos soando equilbrados e muito bem separados uns dos outros; o set list foi acertado porque conseguiu balancear hits (apenas “Regret” ficou de fora), músicas mais recentes (foram cinco faixas do disco Music Complete, de 2015), favoritas dos fãs (como “Sub-Culture” e “Vanishing Point”), canções do Joy Division (no bis) e até uma surpresa (“World”, cuja última vez que havia sido tocada foi no Brasil, em 2014), tudo em duas horas e meia de show. Somando todos esses acertos, a apresentação beirou a perfeição.

Com o show encerrado e o Caupolicán ficando vazio, eu e um colega de New Order Brasil encontramos o Andy Robinson, um dos managers da banda, no curralzinho lá no fundo da pista onde ficam o engenheiro de som e chefe da iluminação. Eu disse a ele: “Andy, dentre os shows do New Order que eu tive a oportunidade de assistir, esse foi um dos melhores”. E ele respondeu: “Mas isso foi graças a vocês [o público]”.

Quanta modéstia!

SET LIST:
Singularity
Ceremony
Age of Consent
Crystal
Academic
Your Silent Face
Tutti Frutti
Sub-Culture
Bizarre Love Triangle
Vanishing Point
World (The Price of Love)
Plastic
The Perfect Kiss
True Faith
Blue Monday
Temptation
Atmosphere (Joy Division – encore)
Decades (Joy Division – encore)
Love Will Tear Us Apart (Joy Division – encore)

P.S.: Sob a mesa controladora do chefe da iluminação havia um set list… Eu o puxei e perguntei se poderia ficar com ele. A resposta foi “sim”. De volta ao hotel, descobri que era o set list do show de Buenos Aires no ano passado! O que estava fazendo ali (já que o repertório em Santiago teve pequenas mudanças), sinceramente não sei…

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram