REVIEW | New Order ao vivo, Arena “Sabiazinho”, Uberlândia (30.12.2018)

IMG_7427Em sua sexta passagem pelo Brasil, o New Order incluiu na sua agenda de shows uma inesperada aterrissagem por Uberlândia, uma espécie de “capital” da região do Triângulo Mineiro. Com aproximadamente 683 mil habitantes (segundo estimativa do IBGE feita este ano), Uberlândia é uma cidade maior do que a terra natal da banda, Manchester (441 mil hab.), possui o terceiro maior IDH do estado Minas Gerais e o 23o maior PIB do país. Os números dão uma dimensão da importância do município mineiro, mesmo assim a cidade carece ainda de um histórico de shows internacionais que faça páreo com grandes capitais nacionais como São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Curitiba. Em todo caso, os uberlandenses devem sentir um certo orgulho por já terem conseguido recepcionar nomes de diferentes estilos como A-Ha, Shakira, Slash (ex-Guns N’ Roses), Simple Plan e, agora, o New Order.

Todavia, na ausência de uma casa de espetáculos apropriada para receber nomes internacionais (e nacionais também), o principal espaço para shows é o “Sabiazinho”, apelido simpático do ginásio poliesportivo local que atende verdadeiramente pelo nome Arena Multiuso Presidente Tancredo Neves. Apesar da determinação (e do êxito) de colocarem Uberlândia no radar do management do New Order, os produtores locais certamente sabiam de que se tratava de uma aposta de risco e, por essa razão, reservaram para o show apenas metade do ginásio, reduzindo a capacidade do mesmo de 8 para 4 mil pessoas. Um decisão acertada, aliás. O público presente não chegou a lotar o lugar e se tivessem usado o ginásio por inteiro a banda tocaria mais para grandes bolsões de espaços vazios.

A plateia era predominantemente mais velha, formada em geral por quarentões e cinquentões, uma turma que certamente conheceu o New Order em seu auge na década de 1980. Essa é uma observação importante. Quem já assistiu a banda ao vivo em São Paulo (cidade na qual tocaram em todas as seis ocasiões em que estiveram aqui) deve ter notado que lá a presença de jovens de vinte e poucos anos (ou menos), vestidos com camisetas do Joy Division, sempre foi grande, chegando a rivalizar, pelo menos em quantidade, com os “tiozinhos”. Pelo visto, o público do New Order em Uberlândia não passou pela renovação que se vê nas grandes metrópoles (o que não é uma crítica, mas, sim, uma constatação).

Mas e o show? Em geral, foi uma performance com muitas virtudes, mas com alguns “pecados” aqui e ali também. Aliás, se não fosse assim, não seria New Order, é claro. Devido às dimensões reduzidas do palco, o set de iluminação e a disposição das telas de led ao fundo tiveram que sofrer mudanças e adaptações. Todavia, isso não chegou a produzir grande impacto nos efeitos visuais, que terminaram sendo um destaque à parte (nesse aspecto, a banda evoluiu bastante de 2011 para cá). Com relação ao som, este estava bastante desequilibrado no primeiro terço do show, com a guitarra do vocalista Bernard Sumner muito mais alta que a de Phil Cunningham (que também toca teclados e percussão eletrônica), enquanto que o baixo de Tom Chapman e o sintetizador de Gillian Gilbert pareciam mais atrás dos demais instrumentos em algumas músicas.

Esse primeiro bloco, formado basicamente por canções que tinham uma “pegada” mais rock, foi bastante “morno” na verdade. Apesar de alguns picos de calor, em “Regret” e “Crystal”, a banda não parecia tão entusiasmada (com exceção de Tom Chapman, cada vez mais à vontade no posto que outrora pertenceu a Peter Hook) e a reação do público, em geral, não chegou a ser explosiva. Entretanto, após “Your Silent Face”, um novo show parecia ter começado. “Tutti Frutti”, single do último álbum do New Order, Music Complete (2015), inaugurou o bloco mais eletrônico e dance e daí em diante o clima esquentou de vez e em todos os sentidos. O som melhorou, ficando mais bem balanceado, o público vibrou com muito mais intensidade e a banda (principalmente Sumner) ficou visivelmente mais descontraída e envolvida com a plateia (mas sempre no limite do habitual estilo low profile do grupo). Músicas que passaram anos fora do set list dos shows, como “Sub-Culture” e “Vanishing Point”, emocionaram; os mega-sucessos “Bizarre Love Triangle”, “True Faith” e “Blue Monday” transformaram o ginásio em um enorme salão de baile; a obrigatória “Temptation” fechou o set com louvor.

Se o show tivesse terminado ali já teria sido suficiente para ser considerado “histórico” em Uberlândia, mas ainda havia mais. O New Order reservou o bis para celebrar sua “primeira encarnação” – a banda tocou três canções do Joy Division, levando muita gente às lágrimas (de regozijo, vale ressaltar). Foram elas “Atmosphere” (mas aqui novamente o teclado de Gillian Gilbert parecia ter desaparecido em meio ao som dos demais instrumentos), “Decades” e, finalmente, a apoteótica “Love Will Tear Us Apart”. Balanço final: um set list adequado que trouxe todos os hits que a banda teve no Brasil, músicas novas, favoritas do público e clássicos do Joy Division, ou seja, 40 anos de história bem condensados em duas horas (20 músicas no total). Há quem diga, no entanto, que o New Order de hoje em dia é um grupo acomodado porque prefere se manter seguro na zona de conforto que conquistou. Mas é assim desse jeito que eles conseguem entrar em campo com o jogo ganho – e o público só tem a agradecer.

SET LIST:
Singularity
Regret
Age of Consent
Restless
Crystal
Academic
Your Silent Face
Tutti Frutti
Sub-Culture
Bizarre Love Triangle
Vanishing Point
Waiting for the Sirens’ Call
Plastic
The Perfect Kiss
True Faith
Blue Monday
Temptation
Atmosphere (encore)
Decades (encore)
Love Will Tear Us Apart (encore)

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

REVIEW | Peter Hook & The Light ao vivo no Audio Club, SP (10.10.2018)

Captura de Tela 2018-10-17 às 01.05.14

Foto: Yuri Murakami (Music Drops)

Num bar bem próximo ao Audio Club, em São Paulo, algumas horas antes do show do Peter Hook & The Light, um grupo de fãs que dividia uma mesa havia chegado a uma melancólica conclusão: que fazer ininterruptas turnês pelo mundo tocando os velhos sucessos em palcos minúsculos e para pequenas audiências era algo um tanto quanto deprimente para quem havia feito parte de uma banda que outrora foi sinônimo de vanguarda.

Provavelmente muitas pessoas pelo mundo afora compartilham esse mesmo sentimento. Mas basta Peter Hook entrar em cena e começar a palhetar seu baixo (sempre colocado à altura dos joelhos) para esse lamento desaparecer. Como já dissemos aqui no blog em ocasiões anteriores, Hook conhece bem as armas que tem e sabe usá-las com destreza. Ele tem carisma e presença de palco, o que faz com que boa parte da plateia nem se incomode tanto com o fato de que seus vocais são sofríveis e que, ainda por cima, ele não consegue tocar baixo e cantar ao mesmo tempo (coube a Yves Altana a tarefa de dar aquele par extra de mãos nas quatro cordas). Além disso, ao contrário da versão atual de sua ex-banda, ele oferece ao público porções bem mais generosas de clássicos do Joy Division, para o delírio de uma nova geração de fãs que surgiu no rastro do revival em torno do grupo nas últimas décadas. E de quebra suas turnês vêm percorrendo quase a totalidade do extenso catálogo que ele ajudou a construir ao longo de trinta anos. Em outras palavras: Hook é o sujeito que costuma entrar em campo com o jogo já ganho.

Mas no palco do Audio o que se viu ao longo de duas horas e meia de performance foi uma apresentação com vários altos e baixos. Comecemos pela sonorização: no set de abertura, totalmente dedicado ao Joy Division, o som estava tinindo e “no talo”; mas foi só entrar no repertório do New Order, mais eletrônico e cheio de camadas, que os problemas aqui e ali começaram a aparecer. Embora os baixos elétricos de Hook e Altana soassem bem potentes, os grooves eletrônicos de certas faixas eram praticamente inaudíveis. Em “Fine Time” e “All the Way”, por exemplo, algumas linhas de teclado também soavam muito baixas. Uma bela versão de “Run” foi lamentavelmente prejudicada em seus instantes finais por um apagão (literalmente falando) no sintetizador do tecladista Martin Rebelski. No bis – estelar – as coisas pareciam mais bem equilibradas novamente nesse aspecto, para sorte do público (que, diga-se de passagem, não lotou a casa).

Com relação à parte musical, havia chegado a vez de Peter Hook revisitar em solo brasileiro os álbuns Technique (1989) e Republic (1993). De um lado, um disco que muitos consideram a obra-prima do New Order e que veio a ser o último lançado pela banda na gravadora Factory; de outro, um LP bem sucedido comercialmente, puxado por um single poderoso, mas que contém um repertório bastante irregular em termos de qualidade.  Ao vivo, Hook e sua banda até que se esforçaram para oferecer à plateia uma versão de Technique digna do seu sucesso e de sua importânciamas poucos foram os momentos de brilho no bloco dedicado ao álbum. Dentre eles, “Round and Round”, “Vanishing Point” e “Dream Attack”.

Curiosamente, o disco mais fraco – Republic – ganhou do The Light uma interpretação mais competente que seu badalado antecessor. Entretanto muitos nem perceberam. Durante o bloco de canções do disco muita gente saiu da pista e foi para o bar ou simplesmente ficou perambulando pela casa, tirando selfies e jogando conversa fora. Uma versão pouco animada do clássico “Regret” (que abriu essa terceira parte do show) pode ter plantado uma semente de dúvida no público. Todavia, quem não arredou o pé curtiu boas e bem executadas versões de “World”, “Spooky”, “Young Offender”, “Liar” e “Times Change”. A decepção foi “Avalanche”, faixa que encerra Republic: em vez de tocada ao vivo, teve sua versão original de estúdio lançada no P.A. para servir de pausa para respirar antes da apoteótica encore.

No bis, “Hooky” e o The Light voltaram ao palco com sangue nos olhos. “Blue Monday”, mesmo com seu groove soando baixo, fez a pista lotar novamente. E o que rolou em seguida foi um bailão daqueles: “Ceremony”, “Temptation”, “True Faith” e, como gran finale, “Love Will Tear Us Apart”.

Considerando os resultados desiguais entre as canções dos álbuns tocados na íntegra (desta tour e, também, das outras anteriores), o ideal seria que Peter Hook e seus colegas do The Light fizessem um show só de canções escolhidas a dedo, como costumam fazer no set abertura dedicado ao Joy Division e nas encores. Isso resultaria num concerto bem mais equilibrado e sem o risco de ter a pista esvaziada em alguns momentos. Afinal, convenhamos: será que o público estaria mesmo interessado em ouvir, na próxima turnê, o disco Waiting for the Sirens’ Call da primeira à última faixa?

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

 

NEWS | Peter Hook em “queima de estoque”

IMG_4616Pelo visto, a venda de ingressos para o show do Peter Hook (ao lado sua atual banda, o The Light) no próximo dia 10 de outubro, em São Paulo, não vai de vento em popa. A Ticket 360, empresa responsável pela bilheteria, lançou uma inusitada promoção dias atrás: na compra de um ingresso, o cliente leva mais um de graça para presentear um amigo. Não, você não leu errado… É isso mesmo: leve dois, pague um.

Descontando o fato de que será a quinta vez de Peter Hook no Brasil em sete anos, pode se dizer que o ex-baixista do Joy Division e do New Order teve um pouco de azar desta vez. Seu show foi programado bem no meio de uma sequência de concertos de vários contemporâneos seus por aqui: o Killing Joke tocou em São Paulo na último domingo; Peter Murphy e David J. celebrarão os 40 anos do Bauhaus três dias antes do show do Hooky, também em Sampa; Morrissey e o próprio New Order chegam em novembro. Ainda por cima há rumores sobre um retorno do Cure ao país. Com o dólar alto, economia em crise e tantos nomes que compartilham entre si o mesmo público, Peter Hook acabou indo para o fim da fila. Os fãs têm que cruzar os dedos para não se repetir aqui o que aconteceu no Chile em 2016: o show do The Light acabou cancelado, muito provavelmente devido à baixa procura por ingressos (culpa, talvez, do New Order, que se apresentou na mesma semana – e no mesmo teatro – em que o baixista estava escalado para tocar).

Peter Hook trará ao Brasil uma nova turnê que estreia hoje na Inglaterra e na qual se dedicará a tocar, na íntegra, os álbuns Technique (1989) e Republic (1993). Segundo o site Pledge Music, o show de daqui há dois dias, no Koko (Candem, Grande Londres) será gravado e lançado em CD triplo pela Live Here Now. O disco será vendido apenas via plataforma direct to fan pela Pledge Music, a exemplo de lançamentos anteriores do The Light. Certamente publicaremos resenhas tanto do disco quanto do show (se houver) aqui no blog.

Quem quiser ouvir uma amostra do que vem por aí, no You Tube dá para conferir “Regret” e “Run” in session no programa de Marc Riley na BBC-6 e que foi ao ar em 19 de março deste ano.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

 

NEWS| New Order volta ao Brasil em novembro

assetE lá vamos nós de novo! Após a divulgação de um show na capital chilena no dia 21 de novembro, os fãs brasileiros do New Order cruzaram os dedos à espera de uma ou mais datas em solo tupiniquim. E as preces foram atendidas: em suas páginas nas redes sociais, a Move Produções confirmou a vinda da banda para a realização de três shows entre 28/11 e 02/12.

No anúncio, duas novidades: o New Order tocará pela primeira vez em Curitiba, no espaço Live (pegando a última data), e, também, em Uberlândia, no coração do Triângulo Mineiro (!), em concerto que se realizará no dia 30 de novembro na Arena Multiuso Presidente Tancredo Neves, mais popularmente conhecida como “Ginásio Sabiazinho”. Em São Paulo, a banda reprisa no Espaço das Américas (onde se apresentou pela última vez no Brasil, em 2016) no dia 28 de novembro, uma quarta-feira. E vale lembrar que em outubro tem Peter Hook & The Light, também em São Paulo.

Neste exato momento, o New Order está excursionando pela América do Norte; e no meio dessa turnê e da passagem pela América do Sul, Phil Cunningham (guitarra e teclados) e Tom Chapman (baixo, substituto de Peter Hook desde 2011) se licenciarão temporariamente para uma pequena série de shows de seu projeto paralelo, o ShadowParty (cujo disco de estreia resenhamos no post passado).

A seguir, um provável set list para os shows no Brasil*:

Singularity
Regret
Ultraviolence
Crystal
Restless
Your Silent Face
Superheated
Tutti Frutti
Sub-Culture
Bizarre Love Triangle
Vanishing Point
Waiting for the Sirens’ Call
Plastic
The Perfect Kiss
True Faith
Blue Monday
Temptation
Atmosphere (encore)
Decades (encore)
Love Will Tear Us Apart (encore)

(*) Set list do show do dia 23 de agosto de 2018, Palace Theatre, St. Paul, Minesotta (EUA).

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

NEWS | Tem mais do mesmo vindo por aí…

IMG_2606O ex-baixista do New Order, Peter Hook, anunciou recentemente em suas redes sociais que estará a caminho pelo selo Live Here Now um novo CD ao vivo do The Light com os álbuns Unknown Pleasures e Closer, ambos do Joy Division, tocados na íntegra. Para quem já perdeu a conta, com esse “novo” disco serão sete itens no catálogo do The Light com o mesmo repertório. O futuro rebento será gravado em Londres, no Roundhouse, dia 18 deste mês (os ingressos já se encontram esgotados), e a pré-venda na plataforma Pledge Music já está disponível. A única diferença com relação aos lançamentos anteriores é que o novo CD, que será triplo, trará algumas músicas do New Order de lambuja.

IMG_2607Falando em New Order… o álbum ao vivo NOMC15, lançado em meados deste ano com exclusividade pela Live Here Now / Pledge Music, acaba de ser “relançado” e disponibilizado nas melhores lojas (físicas e virtuais) do ramo na Europa, nos EUA e no Japão. Quem se adiantou e comprou o disco na pré-venda no site da Pledge Music levou para casa um CD duplo embalado em uma caixinha digipak ou um LP triplo prensado em vinil transparente (ou os dois juntos em um combo que incluía também camiseta e pôster). As atuais reedições, para a tristeza dos mais atrasados, estão disponíveis apenas em vinil comum preto (LP) e em estojo de acrílico simples (CD). O tracklist, no entanto, é rigorosamente o mesmo.

NEWS | Um passarinho me contou…

IMG_1333Não se trata de uma informação oficial, mas veio de uma fonte segura – o que é o bastante para deixar os fãs animados. Um contato mais do que confiável do blog teria conversado com um membro do road crew do New Order na semana passada durante o Riot Fest, em Chicago, evento no qual a banda se apresentou, e ele teria dito que está nos planos de Sumner, Gilbert, Morris, Cunningham e Chapman para 2018 uma excursão pela Europa com o espetáculo que produziram especialmente para o Festival Internacional de Manchester este ano. Para quem não sabe do que se trata, foram cinco apresentações nas quais o New Order foi acompanhado no palco por uma “orquestra” de doze sintetizadores tocados por jovens músicos da Northern College of Music regidos pelo maestro Joe Duddell e que contou também com cenografia e efeitos visuais assinados pelo conceituado artista multimídia Liam Gillick. Nesses shows, realizados nos antigos estúdios da TV Granada (Manchester), o grupo substituiu o manjado set recheado de hits por um repertório concentrado em canções que a banda não tocava ao vivo há anos.

Esses shows receberam aclamação tanto da crítica quanto do público e ganharam bastante destaque na imprensa europeia. Algumas faixas apresentadas nesses concertos foram integradas ao set da mais recente passagem do New Order pelos Estados Unidos. O contato do blog nos disse ainda que cidades como Berlim e Viena estão na mira da banda para essa tour europeia no ano que vem. A seguir apresentamos, por álbum, a relação das músicas que foram tocadas este ano durante o Festival Internacional de Manchester e que poderão fazer parte desses tão ansiosamente aguardados shows em 2018:

Power, Corruption & Lies (1983): “Ultraviolence” e “Your Silent Face”.
Low Life (1985): “Elegia” e “Sub-Culture”.
Brotherhood (1986): “Bizarre Love Triangle” e “All Day Long”.
Substance (1987): “Shellshock”.
Technique (1989): “Vanishing Point” e “Dream Attack”.
Republic (1993): “Times Change” (versão instrumental).
Get Ready (2001): “Behind Closed Doors” (lado-B do single “Crystal”).
Waiting for the Sirens’ Call (2005): “Who’s Joe” e “Guilt is a Useless Emotion”.
Music Complete (2015): “Plastic”
——————————-
Joy Division: “Disorder”, “Decades” e “Heart and Soul”.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553

 

REVIEW | Avaliamos “NOMC15”, o novo ao vivo do New Order

C6z6n2VWcAYX3reAntes de mais nada, alguns esclarecimentos. Originalmente, o novo disco ao vivo do New Order, intitulado NOMC15 (uma espécie de “sigla” para New Order Music Complete 2015), deveria ter saído anteontem. Todavia, poucos dias atrás os clientes que fizeram o pre-order do álbum no site da plataforma Pledge-Music foram informados do adiamento do lançamento para o dia 16 de junho. A notícia só não foi um banho de água fria completo porque a Pledge-Music garantiu que esses clientes teriam acesso ao download do álbum antes que os formatos físicos (CD duplo e vinil triplo transparente) finalmente fossem lançados. Dito e feito: ao abrir minha caixa de e-mails na sexta-feira, eis que encontrei o link para baixá-lo nos formatos de arquivo MP3 e FLAC. Joia!

Aqueles que já estão acostumados com a plataforma Pledge-Music (o que não é o meu caso) não se surpreenderam com o adiamento. Para quem não sabe do que estamos falando, seguem aqui mais algumas explicações: a Pledge-Music é uma plataforma direct-to-fan, isto é, ela permite que artistas produzam e comercializem seu trabalho por fora do esquema das grandes gravadoras ou dos conglomerados de mídia; através dessa plataforma, músicos e bandas podem distribuir seus discos diretamente aos fãs, ou contar com uma mãozinha deles para financiar novos projetos, um sistema um tanto quanto parecido com o crowdfunding. Todavia, segundo relatos, as mudanças nas datas de lançamento são comuns, infelizmente.

Por trás de NOMC15 está a “gravadora” Live Here Now (ex-Abbey Road Live Here Now), que se vem se notabilizando há alguns anos por gravações ao vivo de altíssima qualidade sonora que são distribuídas/comercializadas poucos instantes após o fim dos shows, com capa/arte e tudo o mais (graças a um super-esquema de produção), ou vendidas diretamente ao público via plataformas como a Pledge-Music. Essa não foi a primeira vez que o New Order lançou um disco ao vivo pela Live Here Now – o álbum Live at the London Troxy foi produzido nesse esquema (aliás, vale dizer que ele acabou de ser relançado).

NOMC15 contém a segunda noite da banda no Brixton Academy, Londres, bem no comecinho da turnê do álbum Music Complete, em novembro de 2015. Tive a sorte e o privilégio de ver o show de estreia dessa tour em Paris umas duas semanas antes. Os set lists foram idênticos e lembro-me bem de ter pensado, logo após a saída do show, que o concerto, exatamente daquele jeito como eu havia visto, daria um bom registro ao vivo. Mas a razão me dizia que se a banda tivesse que escolher um show da nova turnê para lançar, certamente não seria um dos primeiros, já que isso não é muito comum.

Mas pode se dizer que o show da noite de 17 de novembro de 2015 foi escolhido a dedo pelo New Order. Foi uma apresentação inspirada, numa casa lotada e com um “bônus”: a cantora Elly Jackson, que participou de duas faixas de Music Complete (“Tutti Frutti” e “People on the High Line”), subiu ao palco para cantá-las na companhia dos veteranos. Um diferencial importante, haja vista que em todos os demais shows da turnê ela foi (e vem sendo ainda) substituída por playbacks. Há coisas que, para o bem ou para o mal, a tecnologia musical não consegue reproduzir – dentre elas o calor e o feeling de uma voz humana ao vivo.

Vale mencionar que o New Order adquiriu uma certa “má fama” quando o assunto é performances ao vivo. Para muita gente, o grupo “é muito bom em disco, mas fraco no palco”. Essa “impopularidade” com relação aos shows não chega a ser uma completa uma injustiça. A banda era mesmo um tanto desleixada nesse aspecto – para não dizer punk. Para piorar, o New Order detestava dar bis – e não poucas foram as vezes que promotores e produtores incluíram a seguinte advertência ao público na bilheteria: “AVISO: talvez o grupo não toque ‘Blue Monday’!”. Na verdade, os mais fanáticos adoravam isso… Mas o New Order já não é mais assim há bastante tempo. Eles tocam praticamente o mesmo set list todas as noites, com tudo muito bem ensaiadinho (os erros são cada vez mais raros); eles agora dão encores e tocam “Blue Monday” sempre. É esse New Order que nos oferece esse NOMC15.

Uma das tarefas mais ingratas de um disco ao vivo é tentar reproduzir a atmosfera de um show para aqueles que não estavam lá. Ingrata, não… é praticamente impossível. Todavia, existem alguns que até chegam perto. Mas para isso existe um “segredo”: um pouco de “sujeira” na gravação ajuda. Bootlegs, em princípio, parecem toscos (muitos são registrados com gravadores simplórios por alguem da plateia), mas conseguem, graças a essa mesma falta de apuro técnico, nos “teletransportar” quase que por mágica para o meio do público. Ora, mas qual o motivo de tanta divagação? Digamos o seguinte: os avanços tecnológicos nem sempre conseguem transformar uma performance fantástica em um álbum ao vivo de igual nível. NOMC15 é soberbamente bem gravado e mixado; entretanto, às vezes mais parece que estamos a ouvir um disco de estúdio com algum som de plateia de vez em quando do que um memorável concerto.

A alta qualidade sonora chega, às vezes, a esterilizar algumas canções. Três exemplos: “Crystal”, “Ceremony” e “True Faith”. Pude assistir in loco as mesmas versões e arranjos de NOMC15 em Paris (tenho, inclusive, uma gravação pirata desse show) e, acreditem: os ruídos, os urros da plateia, a reverberação, o eco, etc, todas essas “imperfeições” engrandecem esses temas. Por outro lado, é preciso reconhecer que, em outros casos, o som cristalino e bem definido nos ajuda a “descobrir” detalhes que muitas vezes nos escapam quando estamos em frente às paredes de P.A.’s e misturados à multidão. “Waiting for the Sirens’ Call” seria um belo exemplo: a faixa teve o seu arranjo reconstruído para essa turnê tendo como base um remix feito pela banda italiana Planet Funk; o que no show não passa de um momento morno (daqueles que muita gente  aproveita para ir pegar uma bebida no bar), se transformou, no disco, em uma grandiosa apoteose de sintetizadores. O mesmo vale para uma das mais novas: (a excelente) “Plastic”.

A lista de músicas até que resume bem a trajetória da banda: temas novos (cinco ao todo: as três já citadas mais “Singularity” e “Restless”), os grandes hits (“Bizarre Love Triangle”, “The Perfect Kiss”, “Temptation”, “Crystal”, “True Faith” e, é claro, “Blue Monday”), canções menos famosas (“5-8-6” e “Your Silent Face”), obscuridades (“Lonesome Tonight”, lado B do single “Thieves Like Us” e uma das surpresas da turnê) e, evidentemente, um par de temas do Joy Division (“Atmosphere” e “Love Will Tear Us Apart”). Fãs mais radicais e “malas” lamentarão a ausência de canções de Movement, mas o que realmente vem fazendo falta são faixas do disco mais perfeito e bem sucedido da banda: Technique, de 1989. Talvez a recusa de tocar as músicas desse LP seja um resquício daquele antigo New Order…

Para os caçadores de pelo em ovo, alguns discretíssimos tropeços aqui e ali podem ser encontrados, sim!, como uma batida errada em “Ceremony” (coisa rara em se tratando de Stephen Morris, “a bateria eletrônica humana”), um teclado entrando ligeiramente atrasado em “Tutti Frutti”… Se eles não existissem, não seria o New Order, é claro. Mas não passam de gotas insignificantes num oceano de pontos a favor – em outras palavras, o saldo geral em NOMC15 é positivo. Até mesmo o som do baixo de Tom Chapman, mixado um tanto atrás dos demais instrumentos (o que é um retrocesso em matéria de New Order), não chega a nos fazer sentir desesperadamente a falta de Peter Hook (por estranho que isso possa parecer). Mas é certo que os detratores do New Order “certinho” vão discordar disso veementemente.

O correto é dizer que NOMC15 é um disco que reflete tanto a transformação do New Order em artistas completos (que jogam bem tanto em estúdio quanto ao vivo) quanto o crescimento e amadurecimento de seu público – ou, melhor dizendo, da parte dele que quer ver sua banda favorita fazendo bonito no palco, ainda que um tanto burocraticamente e sem a espontaneidade e a atitude de outrora. É como diz a primeira linha do refrão de “Times Change” (trad.: “os tempos mudam”): “A vida nunca mais será a mesma”

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

REVIEW | Avaliamos os novos discos ao vivo de Peter Hook & The Light

Peter_Hook_Digi-600x425Peter Hook deve gostar muito de ouvir o tilintar das caixas registradoras… afinal, que razão ele teria para pegar três shows seus com o The Light (seu atual grupo) e lançá-los distribuídos em seis CDs (dois álbuns duplos e dois simples), ou ainda em nove discos de vinil (avulsos)? Não, caro leitor, você não leu errado: são meia dúzia de discos laser e uma novena de LPs.

A última vez que me lembro de ter visto algo assim foi quando a New State Recordings lançou, em 2006, uma coleção de doze singles de vinil contendo remixes clássicos e recentes de faixas do New Order. Conheço gente que até hoje não conseguiu completar a coleção devido à dificuldade para se conseguir os doze discos juntos. Quem ficou babando pelos novos lançamentos do The Light vem passando por um perrengue parecido. Eu explico…

Quando Hook anunciou o lançamento, foi dito que as versões em vinil dos álbuns Unknown Pleasures Live in Leeds, Closer Live in Manchester, Movement Live in Dublin e Power, Corruption and Lies Live in Dublin seriam edições limitadas produzidas exclusivamente para o Record Store Day 2017 (ocorrido no último dia 22 de abril). Só que muita gente se queixou de que não havia uma loja sequer entre as inscritas no evento que possuísse em estoque os nove discos (coloridos, faltou dizer). Resultado: mesmo quem estava disposto a abrir a carteira e fazer tamanha extravagância acabou não obtendo êxito. Até este momento não sei ao certo o que dizer sobre essa bizarra estratégia comercial.

Entretanto, como as edições em CDs já chegaram em nossas mãos, foi possível fazer uma avaliação dos novos lançamentos para o blog. Será que valem a pena? Bom, leiam as análises individuais de cada álbum e tirem suas próprias conclusões!

Unknown Pleasures Tour 2012 – Live in Leeds (☆☆☆): Este registro do show realizado dia 29 de novembro de 2012 no The Cockpit, uma popular casa noturna que fechou suas portas em 2014, é o terceiro lançamento oficial de uma versão ao vivo completa do álbum Unknown Pleasures (isso se não colocarmos na conta o CD triplo So This Is Permanence, que apresenta Peter Hook e o The Light interpretando em uma única noite todo o repertório gravado pelo Joy Division). No mínimo isso revela o quanto o disco é estimado pelo baixista. Todavia, se eu tiver que escolher a melhor das três versões ao vivo de Unknown Pleasures, fico com Live in Australia, de 2011. De interessante em Live in Leeds é o fato de Hook nos brindar com um set mais longo e que inclui uma seleção mais variada de faixas de outros períodos do Joy Division, abrangendo desde a fase punk com “The Drawback” e “Warsaw” até canções de Closer. Todavia, essas faixas reaparecem em versões melhores no disco Closer Tour 2011: Live in Manchester (a exceção talvez seja “Atrocity Exhibition”…).  Aqui, de uma maneira geral, falta um pouco de punch. Na ocasião em que o show no The Cockpit foi gravado, Nat Wason ainda era o guitarrista do The Light. Destaques: “Disorder”, “New Dawn Fades”, “Shadowplay”, “Interzone”, “Atrocity Exhibition”, “Something Must Break”.

IMG_9315

Unknown Pleasures Live in Leeds

Closer Tour 2011 – Live in Manchester (☆☆☆☆): também com Nat Wason na guitarra, aqui temos o The Light apresentando uma razoável versão da obra-prima do Joy Division no FAC 251 The Factory, um clube do qual Peter Hook é sócio e que fica no prédio que outrora sediava o quartel-general da Factory Records. Tal como Live in Leeds, é um CD duplo – o que quer dizer que além do álbum Closer tocado na íntegra temos diversas outras faixas do Joy Division. “From Safety to Where…?” transformou-se de cara em uma das minhas favoritas. Mas vamos com calma! Até chegarmos nela temos ainda que passar por uma ótima versão da instrumental “Incubation” (que abre o disco), além de “Dead Souls” (apenas “ok”) e “Autosuggestion” (em versão superior a aquela apresentada no ano passado aqui no Brasil). Dentre as canções de Closer, destacamos “Atrocity Exhibition”, “Colony” (interpretada na voz arrepiante de Rowetta, dos Happy Mondays) e “The Eternal”. Cabe aqui mencionarmos uma certa dificuldade do baterista Paul Kehoe de emular o estilo “rápido, porém lento” de Stephen Morris no Joy Division – o que ficou evidente, por exemplo, na arrastada interpretação de “Passover” e numa versão “sem-sangue-nos-olhos” de “Novelty”. Por sua vez, “Decades”, minha faixa favorita de Closer, não chegou aos pés da apoteótica versão que o New Order vem apresentando em seus shows. No balanço geral, é um disco melhor que Unknown Pleasures Live in Leeds. Vale a pena também por “These Days”,  “Warsaw” e pelos vocais guturais de Hook em “Transmission”.

Movement Tour 2013 – Live in Dublin (☆☆☆☆): Inexplicavelmente, esse show gravado no dia 22 de novembro de 2013 no The Academy, em Dublin, foi dividido em dois CDs simples, cada um deles trazendo uma interpretação completa de um álbum do New Order. Este, com foco em Movement (primeiro LP da banda), abre com uma seleção de sete faixas do Joy Division. Talvez a intenção de Hook tenha sido evidenciar a ligação, em termos musicais, entre o JD e o som do New Order em seu álbum de estreia. Em Movement Live in Dublin, temos versões ainda melhores de “Incubation”, “Autosuggestion” e “The Drawback”, mas a falta de brilho em canções como “Passover” e “Wilderness” se repete. Só que desta vez o guitarrista não é mais Nat Wason, mas, sim, um velho companheiro de Hook: David Potts (ex-Revenge e ex-Monaco). Fãs mais ardorosos do rancoroso baixista que me perdoem, mas ainda não nasceu uma versão de “Ceremony” feita pelo The Light que realmente me agrade – e o mesmo digo para a clássica “Dreams Never End”. Entretanto, as interpretações de “Procession” e “Cries and Whispers” são dignas de elogios e aplausos, assim como quase toda releitura de Movement, com destaque para “Truth”, “Senses”, “Chosen Time” e “Doubts Even Here”.

Power, Corruption and Lies Tour 2013 – Live in Dublin (☆☆☆☆): Aqui temos a continuação do show cuja primeira parte foi incluída no CD anterior. Com exceção de “Love Will Tear Us Apart”, que encerra o disco, o resto é puro New Order. O álbum começa com uma versão espectacular e arrebatadora de “Everything’s Gone Green” – single originalmente lançado em 1981, logo após Movement, e que é considerado por Peter Hook (e, também, pelos seus ex-colegas de banda) o primeiro lampejo do som clássico do N.O. Sem muita enrolação, o disco segue com “Age of Consent”, faixa que dá início à interpretação do The Light para Power, Corruption and Lies. Apesar de ortodoxas, isto é, com arranjos muito próximos aos da gravações originais de estúdio, as versões ao vivo desse Live in Dublin possuem um incontestável frescor, o que faz desse CD o melhor entre os quatro. Todavia, um dos raros pontos fracos aqui são os vocais de Hook. A voz do baixista até que se ajusta um pouco melhor ao repertório do Joy Division ou ao material inicial do New Order. Mas não é o caso, por exemplo, de “Leave Me Alone”, “True Faith” (todavia impecável na parte instrumental) e “Temptation”. O disco inclui ainda um registro de “Blue Monday” que é bastante representativo de uma das grandes “falhas” desse pacote lançamentos ao vivo: a falta de um grave mais “cheio” e poderoso. Cabem aqui menções honrosas para “The Village” e “Ultraviolence”.

IMG_9209

Closer Live in Manchester (no alto), Movement Live in Dublin (esquerda) e Power, Corruption and Lies Live in Dublin (à direita).

Os discos vêm embalados em bonitos estojos tipo digipak cujas artes recriam ou reciclam, com muito bom gosto, os projetos gráficos dos álbuns originais. Entretanto, surpreende o fato de que nenhum deles traz encartes / libretos com fotos dos shows ou textos. Também é de se estranhar que não existem créditos para o artista gráfico (ou escritório de design) responsável pela parte visual, o que sugere que as capas podem ter sido produzidas pelo departamento de arte da própria gravadora (Westworld Recordings). Esse “desleixo” é algo a se lamentar, principalmente porque as capas ficaram realmente muito boas.

Depois de incontáveis coletâneas de gravações de estúdio, agora chegou a vez do mercado ficar abarrotado de álbuns ao vivo com o material do Joy Division e do New Order – não podemos nos esquecer que no mês que vem chega NOMC15, registro de um show da turnê do disco Music Complete feito em Londres em 2015. E o New Order já tem outros três discos ao vivo oficiais em seu catálogo: BBC Radio One Live in Concert (1992), Live at the London Troxy (2012) e Live at Bestival (2013). Pelo visto, se depender de Peter Hook os fãs de ambas as bandas terão discos ao vivo para mais umas duas gerações.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram


NOTA: É com profundo pesar e tristeza que publico este post, já que ontem mais uma vez a loucura e o desprezo pela liberdade e pela vida ganharam as manchetes. Manchester chora as vítimas da insensatez, da ignorância e da falta de escrúpulos daqueles que querem impor aos outros, através da violência e do medo, sua enviesada e distorcida visão de mundo. Minhas condolências às famílias dos mortos no ataque à Manchester Arena. E registro aqui minha torcida pela recuperação dos feridos. Foi a música que primeiro me conectou a Manchester; agora, o que me conecta à cidade é a solidariedade e a empatia.

NEWS | Novo ao vivo do New Order chega em maio

C6z6n2VWcAYX3reEssa agora vai doer feio no bolso: não bastasse o anúncio de que em maio deste ano sairão nada menos que quatro novos álbuns ao vivo de Peter Hook e o seu The Light (nos formatos CD e vinil) pelo selo Westworld, a Pledge Music e a Abbey Road Live Here Now divulgaram ontem o lançamento de NOMC15, registro de um show do New Order no dia 17 de novembro de 2015 no Brixton Academy, em Londres, e que ocorrerá também em maio. O novo disco ao vivo do New Order será lançado em três formatos: CD duplo, LP triplo em vinil transparente (edição limitada) e digital download. Quem resolver fazer a compra na pré-venda já leva, de lambuja, um download de “People on the High Line” ao vivo com participação especial de Elly Jackson (La Roux). Se os mais afortunados assim desejarem, poderão encomendar NOMC15 na forma de bundle (pacote) com CD, LP, print (mini-poster) e camiseta pela soma nada amigável de £75. Lembrando que os lançamentos do selo Live Here Now são vendidos exclusivamente em seu site ou, então, loja on line da Pledge Music. Nem adianta trazer para cá de outra maneira, meu amigo! Em tempo, na carona do anúncio de NOMC15 (que quer dizer New Order Music Complete 2015), a Live Here Now relançou Live at the London Troxy, primeiro disco ao vivo do New Order com a atual formação lançado em 2012.

TRACKLIST:
1) Singularity
2) Ceremony
3) Crystal
4) 5 8 6
5) Restless
6) Lonesome Tonight
7) Your Silent Face
8) Tutti Frutti (feat. La Roux)
9) People on the High Line (feat. La Roux)
10) Bizarre Love Triangle
11) Waiting for the Sirens’ Call
12) Plastic
13) The Perfect Kiss
14) True Faith
15) Temptation
——————–
16) Atmosphere
17) Love Will Tear Us Apart
18) Blue Monday

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

REVIEW | Peter Hook & The Light ao vivo no Cine Jóia, São Paulo (06.12.2016)

capaSe eu tivesse que explicar como é um show do Peter Hook & The Light para uma pessoa que nunca os viu ao vivo, eu o descreveria da seguinte maneira: trata-se de uma ótima banda cover de New Order e Joy Division, com Hook à frente balançando o braço, fazendo caras, bocas e poses para o público e para os fotógrafos e regendo o coro da plateia. Ah, e de vez em quando ele toca baixo, só para variar.

Isso quer dizer que o show é meia boca? Não, muito pelo contrário! A combinação entre os catálogos do Joy Division e do New Order, que resistiram com excelência à passagem do tempo, e os inquestionáveis carisma e presença de palco de Peter Hook, sempre asseguram noites memoráveis. E se o repertório do concerto for baseado em duas coletâneas de sucesso das duas bandas, ambas intituladas Substance, as chances de alguem voltar para a casa decepcionado caem drasticamente para quase zero. Arrisque perguntar como foi o show para quem esteve no Cine Joia (São Paulo) na última terça-feira. Todo mundo voltou para casa feliz e satisfeito.

Mas a experiência acumulada em shows do Peter Hook & The Light (já são quatro no currículo) me fez chegar a uma drástica conclusão: as pessoas vão aos concertos muito mais para ver Hook do que para ouvir o The Light, que nada mais é do que uma banda de tributo cujo líder, meio que numa função de mestre de cerimônias, é ninguem menos que um dos homenageados. Façamos uma comparação com o show do New Order da quinta-feira da semana passada, no Espaço das Américas (também na capital paulista): o público que lotou a casa de espetáculos na Barra Funda deu mostras de que se importa pouco com a ausência de Peter Hook e que nem liga para a notória baixa interação do grupo com a audiência (ainda assim, os gritos para Gillian Gibert provaram que a tecladista possui algum tipo de carisma espôntaneo, mesmo permanecendo praticamente imóvel no palco durante todo o show). A música, nesse caso, parece falar mais alto.

Peter Hook, por sua vez, tem uma grande autoconsciência dos seus talentos sobre um palco e de seu “charme” – e, como era de se esperar, soube tirar proveito deles em seu favor. Ele sabe o que o público espera dele e dá exatamente aquilo o que ele quer, ainda que o verdadeiro baixista da banda seja Jack Bates, seu filho, e não ele. Hook escolhe a dedo as partes das músicas em que ele põe a mão no baixo (uma introdução, ou um solo), com direito a poses, para o delírio da galera, sempre com a câmera dos smartphones a postos. Na retaguarda, o The Light tocou de maneira competente, porém um tanto “ortodoxa”, canções que todo mundo sabia cantar. Os arranjos eram, de um modo geral, muito próximos aos das gravações originais – e isso era um verdadeiro paradoxo, haja vista que o New Order ao vivo, com Hook, não tinha o hábito de soar muito semelhante aos discos. Isso reforçou a aura de “banda cover” do The Light.

O público parecia não se importar com nada disso, é claro. Nem mesmo com a péssima sonorização do show. A acústica do Cine Joia se voltou contra a banda: quando a plateia cantava com mais entusiasmo, a casa se transformava em uma caixa de ressonância que amplificava o barulho do público, a ponto de fazê-lo ficar mais alto que o som do The Light. Além disso, os teclados e as programações eletrônicas de Andy Poole estavam muito baixos, o que diminuía especialmente o punch das canções do New Order. Durante “Blue Monday” mal se ouvia a sua memorável linha de baixo.

img-1040957-peter-hook-light

Foto: Lucas Guarnieri (Rolling Stone Brasil)

Mesmo assim, a resposta da audiência ao material do New Order foi intensa. Os destaques certamente foram “Ceremony”, “Temptation”, a já citada “Blue Monday” e “Perfect Kiss” (cantada pelo guitarrista David Potts). “Confusion” (com o arranjo da versão regravada pelo New Order em 1987 e não o original produzido por Arthur Baker em 1983) e “State of the Nation” receberam uma reação mais morna. “Bizarre Love Triangle” e “True Faith”, pelo contrário, levaram o público à catarse. A primeira parte do set terminou com o lado B mais lado A de todos os tempos: “1963”. Foi aprovada com louvor.

Após uma pausa de aproximadamente dez minutos, Peter Hook e banda retornaram ao palco para  homenagear o Joy Division. Tal como na primeira parte, o The Light combinou canções de Substance com lados B. As exceções foram “Disorder” e “Shadowplay”, ambas de Unknown Pleasures (1979), e que foram tocadas ainda no começo desse bloco. “Shadowplay”, em particular, não pôs o Cine Joia abaixo por um milagre. Já a primeira foi interrompida por um “acidente de percurso” com o baterista Paul Kehoe (um dos pedais do instrumento pareceu ter se desmontado) e, após a resolução do problema, a música foi reiniciada.

Como o material do Joy Division não tinha muita eletrônica, havia mais espaço para improvisar, o que fez com que a segunda parte do show fosse musicalmente mais interessante. Além disso, a voz de Hook se adapta melhor às músicas do Joy. A aprovação do público, por sua vez, foi extrema, graças em grande parte às hordas de fãs “modinha” do Joy Division e suas previsíveis camisetas de Unknown Plasures (o “uniforme” ajuda a identificar facilmente esse espécime que vem frequentando quase todos os shows de bandas oitentistas e alternativas nos últimos anos).

Com “Warsaw”, que abriu a sequência de canções do Substance do Joy Division, fomos transportados no tempo para a era de ouro do punk rock inglês, com direito a mosh e stage diving na plateia; “Digital” também foi um dos pontos altos com o público berrando “Day in, day out! Day in, day out!” com toda a força; “Autosuggestion” foi um daqueles momentos de pausa para recuperar o fôlego e, nessa hora, muita gente foi para o bar buscar uma cerveja; durante “Incubation”, quem descansou um pouco foi o próprio Peter Hook, que saiu brevemente de cena enquanto o The Light mandava ver; “Atmosphere” foi dedicada às vítimas do desastre aéreo que matou a equipe de futebol da Chapecoense, sagrando-se em definitivo como “Marcha Fúnebre do Rock”.

O desfecho não foi nenhuma surpresa, é claro: era a vez da esperada “Love Will Tear Us Apart”. Apesar da letra tratar de um casamento fracassado e em tom de pesar, o sentimento e o clima eram de regozijo e felicidade. Foi a apoteose de Peter Hook e sua banda – e do público também. Entretanto, o gran finale continha uma ironia: embora fosse uma celebração do “sério”, “incorrompido” e “sagrado” Joy Division, “Love Will Tear Us Apart”, principalmente ao vivo, soa escancaradamente pop e acena para (o que veio a ser) o “profano” New Order. Os tais fãs “modinha” vestidos de Unknown Pleasures, que habitualmente desdenham do New Order, ainda não foram espertos o bastante para sacar isso.

Aproveito o post para agradecer aos produtores responsáveis por trazerem Peter Hook ao Brasil por terem me ajudado a conseguir um autógrafo com dedicatória no meu exemplar do livro, Substance: Inside New Order.

14550030_702465179917763_6589031812670947328_n

Meu exemplar autografado do último livro de memórias de Peter Hook

SET LIST:
In a Lonely Place
Procession
Cries and Whispers
Ceremony
Everything’s Gone Green
Temptation
Blue Monday
Confusion
Thieves Like Us
The Perfect Kiss
Sub-Culture
Shellshock
State of the Nation
Bizarre Love Triangle
True Faith
1963
No Love Lost
Disorder
Shadowplay
Komakino
These Days
Warsaw
Leaders of Men
Digital
Autosuggestion
Transmission
She’s Lost Control
Incubation
Dead Souls
Atmosphere
Love Will Tear Us Apart

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram