REVIEW | “New Order Presents Be Music”

fbn60

New Order “mijando” no penico dos outros…

O ano de 1982 representou uma espécie de ponto de inflexão para o New Order. Após uma excursão pelos Estados Unidos no ano anterior, a banda deu início à virada em direção à dance music que a transformou em um dos grupos mais importantes e influentes de sua geração. De volta à Inglaterra, o New Order gravou a pulsante “Temptation” (faixa que marcou a ruptura definitiva com o Joy Division, sua encarnação anterior) e abriu uma casa noturna em Manchester  – a mítica Haçienda – tendo como parceira no empreendimento a sua própria gravadora – a não menos mítica Factory Records. Também foi em 1982 que seus integrantes começaram a se lançar em novas aventuras produzindo e remixando discos e faixas de outros artistas dance, muitos deles companheiros na Factory. À medida em que adquiriam novos equipamentos (sequenciadores, samplers, baterias eletrônicas), originalmente para explorar em seus próprios discos as possibilidades abertas pelas novas tecnologias musicais, Sumner, Hook, Gilbert e Morris passavam a compartilhar seus brinquedos e o know how obtido com as bandas que estavam produzindo. Era uma via de mão dupla: ao mesmo tempo em que fertilizavam o trabalho de outros músicos, as experiências realizadas nos quintais alheios serviam de laboratório para o que viriam a fazer em suas próprias gravações.

Nessas aventuras “fora de casa”, os membros do New Order mantiveram suas “identidades secretas” individuais preservadas atrás de uma marca: Be Music. Originalmente, Be Music era o nome da editora musical criada pela banda e seu empresário, Rob Gretton (1953-1999), para o licenciamento do seu catálogo e para o recebimento de royalties e direitos autorais. Todavia, Gretton teve a ideia de transformar a Be Music em algo maior e mais ambicioso. O falecido ex-manager do New Order queria que a banda fosse vista publicamente como uma entidade única – o objetivo era fortalecer a unidade do grupo e evitar que um ou mais membros fizessem um nome fora do New Order… e lucrassem com isso. Quando Peter Hook produziu, em fevereiro de 1982, uma faixa dos Stockholm Monsters chamada “Death Is Slowly Coming”, o crédito foi para a “entidade” em vez de para o baixista. Resumindo: nada de marketing pessoal ou luzes de holofotes sobre um integrante específico – naquela época eles eram radicalmente avessos a qualquer tipo de autopromoção, idolatria ou à ideia de uma eventual personalidade dominante na banda. Claro, isso tudo foi antes de Electronic, The Other Two, Revenge etc…

A Factory Benelux, filial belga da Factory Records que sobreviveu ao colapso de sua matriz, numa louvável iniciativa reuniu no recém-lançado New Order Presents Be Music o extenso material produzido e remixado por integrantes do NO entre 1982 e 2015. Editado em dois formatos (LP duplo e box set com três CDs), a nova compilação, no entanto, não foi a primeira dedicada às produções da Be Music. Em 2003, a LTM Recordings (gravadora administrada pelo britânico James Nice, o mesmo sujeito que atualmente também é o manda-chuva da Factory Benelux) lançou Cool As Ice: The Be Music Productions. No ano seguinte, a LTM editou uma sequência para a compilação anterior que se chamou Twice As Nice e que incluía, também remixes e produções assinadas por Arthur Baker, Donald “DoJo” Johnson (A Certain Ratio) e Mark Kamins. Pois então: uma parte de New Order Presents Be Music já havia sido reunida em compilações específicas antes. Esse é o caso, por exemplo, de “Looking From a Hilltop (Megamix)” do Section 25; “Cool As Ice”, de 52nd Street; “Love Tempo”, do Quando Quango; e “Fate/Hate”, de Nyam Nyam.

Mas por abranger um período mais extenso e não se concentrar apenas nas produções feitas para grupos do cast da Factory, New Order Presents Be Music é, até o momento, a compilação mais completa e atualizada sobre Be Music. Além disso, todas as faixas que fazem parte da coletânea foram remasterizadas especialmente para o projeto. E mesmo não sendo um álbum do New Order propriamente dito, de uma certa forma é quase como se fosse. Em primeiro lugar, algumas faixas foram escritas e gravadas pelos próprios integrantes da banda, como no caso de “Theme”, uma criação de Peter Hook usada como tema de abertura dos shows do grupo Lavolta Lakota; “Inside”, originalmente lado A de um EP ultralimitado (500 cópias) que Gillian Gilbert e Stephen Morris lançaram em 2011 com uma trilha sonora produzida especialmente para uma exposição do designer Peter Saville na galeria francesa Frac Champagne-Ardenne; e “Video 5-8-6”, uma canção de 22 minutos do próprio New Order tocada na noite de inauguração da Haçienda e a partir da qual nasceram algumas das faixas do álbum Power, Corruption and Lies (1983). Para ficar ainda mais com cara de disco do New Order, a capa, texturizada em ambos formatos, foi criada por Matthew Johnson para o Peter Saville Studio – todavia, não há indicações de que Saville tenha trabalhado como diretor de arte dessa vez.

O maior problema de New Order Presents Be Music são as diferenças entre as edições em CD e em vinil. Para começar: a versão digital possui 36 faixas, contra apenas 12 do LP! Além disso, o box set vem acompanhado de um livreto de 48 páginas com informações detalhadas e fotos das capas dos singles compilados. Em plena era do naufrágio do CD e da guinada de 360o do vinil, a versão long play bem que poderia ter recebido um tratamento melhor para agradar o fã clube do formato. Sem falar que a “mutilação” operada pela Factory Benelux no bolachão preto sacrificou algumas pérolas como “You Hurt Me” (do Shark Vegas), na qual Bernard Sumner também contribuiu como músico convidado; “Motherland” (do obscuro The Royal Family and the Poor); “Telstar” (cover do clássico instrumental dos Tornadoes assinado pelo Ad Infinitum); “Tell Me” (da banda de synthpop Life, da qual fazia parte Andy Robinson, ex-programador e técnico de teclados do New Order, e agora empresário do grupo); e “Knew Noise” (Section 25), lado B do single “Girls Don’t Count” produzido em 1979 por Ian Curtis e Rob Gretton, mas creditado à Fractured Music (uma espécie de embrião da Be Music).

O material mais recente produzido e/ou remixado pelos integrantes do New Order, por sua vez, forma um conjunto mais irregular. Além disso, se resume basicamente a contribuições do Stephen Morris ou do The Other Two (dupla formada por ele e a tecladista Gillian Gilbert). As colaborações com o Factory Floor, Helen Marnie (vocalista do Ladytron) e Tim Burgess (dos Charlatans) são, digamos assim, “ok”. Já o remix de “Daggers”, do Fujiya & Miyagi é pura bobagem descartável.

Também é de se estranhar a ausência das duas faixas gravadas e lançadas pelo New Order, mas sob o rótulo Be Music, em um flexi disc promocional distribuído de brinde para os frequentadores da Haçienda em sua primeira véspera de Natal, em 1982. “Ode to Joy” (um cover bizarro de “Ode an die Freunde”, de Beethoven) e “Rocking Carol” (uma tradicional canção natalina tcheca) foram recentemente incluídas na reedição da coletânea Ghosts of Christmas Past: Remake (da gravadora Les Disques du Crépuscule, hoje também sob o comando de James Nice) e apesar de fazer total sentido a inclusão delas numa compilação de bandas alternativas tocando/cantando canções natalinas, elas tinham que estar em New Order Presents Be Music também.

O saldo, todavia, é positivo. O novo álbum, de um modo geral, atinge o objetivo de apresentar ao ouvinte uma visão panorâmica de um lado pouco conhecido, mas ainda assim relevante, do New Order. Presents Be Music nos mostra que a influência de uma banda não se mede apenas pelo impacto de seus próprios discos. Seja como sócios de uma das danceterias mais famosas da Europa nos anos oitenta e noventa, seja como produtores e remixers, os membros do New Order ajudaram, de diversas maneiras, a traçar as coordenadas que definiriam a direção seguida pela música popular – alternativa ou mainstream – nos últimos anos.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram


NOTA: Foi uma longa pausa de dezembro do ano passado até aqui… De lá para cá, passei por uma trabalhosa mudança e uma inesperada internação… Mas agora parece que as coisas estão voltando para os trilhos – incluindo o blog! Vejo vocês no próximo post. Um abraço.

NEWS | FBN anuncia nova compilação de faixas produzidas e remixadas pelos membros do New Order

fbn60Enquanto estamos na contagem regressiva para os shows do New Order e do Peter Hook & The Light no Brasil, o site da Factory Benelux – originalmente uma licenciada da Factory Records para os mercados de Bélgica, Holanda e Luxemburgo que sobreviveu ao naufrágio da sua matriz inglesa  – anunciou recentemente o seu próximo lançamento, a compilação New Order Presents Be Music.

Para quem está por fora: “Be Music” era a editora musical criada pelo New Order no começo da década de 1980 não apenas para o recebimento dos royalties sobre o seu catálogo mas também para servir de “assinatura” toda vez em que seus integrantes estivessem envolvidos em trabalhos fora da banda como produtores ou remixers.

Ao longo dos anos oitenta, Bernard Sumner, Peter Hook, Gillian Gilbert e Stephen Morris produziram vários artistas do cast da gravadora Factory Records, como Section 25, 52nd Street, Quando Quango, Royal Family & The Poor, entre outros. A LTM Recordings, que pertence ao atual comandante da Factory Benelux, James Nice, já havia editado duas coletâneas dedicadas às produções da Be Music: Cool As Ice (2003) e Twice As Nice (2004). Mas New Order Presents Be Music promete ser mais completa. Em um box set de três CDs (ou em LP duplo), a nova compilação, que será lançada em fevereiro do ano que vem, incluirá também remixes mais recentes, produzidos em sua maior parte por Stephen Morris, feitos para nomes como Factory Floor, A Certain Ratio e Section 25. De lambuja, será incluído “Knew Noise”, faixa do Section 25 produzida por Ian Curtis e Rob Gretton.

Segundo a Factory Benelux, a capa (ver foto) será produzida por Matt Robertson em associação com o Peter Saville Studio.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

RE-ISSUES | The Invisible Girls: o lado músico de Martin Hannett

hannett_photo_martin_with_curly_hair

Martin Hannett: foi sócio da Factory Records e produziu Joy Division e New Order. Mas também era músico e tinha uma banda.

O filme parte história real, parte ficção, A Festa Nunca Termina, de Michael Winterbottom, que mostra os personagens (Tony Wilson, Rob Gretton), bandas (Joy Division, New Order, Happy Mondays) e empreendimentos (Factory Records, The Haçienda) que ajudaram a colocar a cidade de Manchester (norte da Inglaterra) no mapa da música pop mundial, possui duas cenas clássicas envolvendo o produtor Martin Hannett, magistralmente interpretado pelo versátil ator britânico Andy Serkis:

    1. Tony Wilson (interpretado no filme por Steve Coogan) pára seu automóvel em um descampado, no que parece ser uma área rural. Ele sai do carro e encontra um sujeito de cabelos desgrenhados (Hannett/Serkis), cigarro pendurado na boca, andando de um lado para o outro, segurando um grande microfone apontado para o céu e com um gravador à tiracolo. Wilson, que não está tão próximo de Martin, lhe dirige a palavra, em voz alta: “Ei, Martin, o que você está fazendo?”. O homem do microfone, irritado, responde: “Gravando… o silêncio!”. “Gravando o silêncio??”, Wilson retrucou, perplexo. E a resposta foi “Não! Agora estou gravando a porra do Tony Wilson!!”.
    2. Nos Strawberry Studios, em Stockport, durante a gravação do primeiro LP do Joy Division, Stephen Morris (Tim Horrocks) está na sala de gravação tocando um solo de bateria. Do outro lado do vidro, na sala de controles, Martin Hannett, desesperadamente, grita “Chega! Chega!”. E o baterista para. Em seguida, Hannett diz para Morris: “Bateristas fazem isso há anos e, particularmente, já estou de saco cheio disso. Vamos tentar algo diferente… Rápido, porém lento”. Todos (banda, Wilson, empresário) se olham e alguem solta: “Ele está falando sério?”.

Apesar do filme ser bastante caricato e de carregar nas tintas, com a intenção deliberada de fazer piada com o que, na realidade, era absurdo (a história da Factory é cheia de tropeços inacreditáveis), o retrato que Winterbottom fez de Hannett em seu filme não é assim tão distante do personagem real. O próprio Stephen Morris, em seu depoimento no documentário Joy Division, confirmou a história do “rápido, porém lento” e ainda acrescentou outras pérolas de Hannett do tipo “toque isso um pouco mais amarelo”. E tal como mostrado na telona, ele tinha pouca tolerância com os músicos e não os deixava ficar no estúdio enquanto ele trabalhava na edição e mixagem das gravações.

Mas essa excentricidade toda só contribuiu para tornar o mito em torno de Hannett ainda maior, já que seu talento como produtor, evidenciado, por exemplo, nos álbuns do Joy Division, ficou famoso. Mas poucos conhecem um outro lado do produtor: o de músico. Ao lado do tecladista Steve Hopkins, Martin Hannett era a outra metade do The Invisible Girls. E é sobre essa “banda” incomum que falaremos nas próximas linhas.

Hannett e Hopkins se conheceram em um show do Soft Machine em 1976. Mas foi o empréstimo de um sintetizador ARP2600 que realmente deu início ao elo entre os dois, que, no mesmo ano, engataram a primeira parceria: a trilha sonora de um curtametragem de animação chamado All Sorts of Heroes, dirigido por Rick Megginson e Steve Hughes. Martin tocou o baixo e alguns teclados; Hopkins era tecladista em tempo integral. Mas nessa época ainda não tinham adotado o nome The Invisible Girls. Isso só aconteceria em 1978, quando prestaram serviços como banda de acompanhamento do poeta mancuniano John Cooper Clarke em seu segundo álbum, Disguise in Love. Desde quando passaram a acompanhar Clarke, a dinâmica do The Invisible Girls passou a ser essa: Hopkins e Hannett formavam o núcleo permanente da banda (teclado e baixo), mas os postos dos demais instrumentos seriam preenchidos por músicos convidados que sempre mudariam. Nessa primeira fase, se juntaram à dupla o baterista Paul Burgess e os guitarristas Lyn Oakey e Pete Shelley (Buzzcocks). Martin também assumiria o papel de produtor de toda e qualquer gravação envolvendo as “Garotas Invisíveis”.

James Nice, o homem que hoje controla as gravadoras Les Disques du Crépuscule e a ressuscitada Factory Benelux, capitaneou dois (re)lançamentos dedicados ao The Invisible Girls. Em primeiro lugar saiu em 2014 – Pauline Murray and The Invisible Girls; o segundo, intitulado Martin Hannett / Steve Hopkins: The Invisible Girls, veio à luz no ano passado. O primeiro é uma reedição remasterizada e expandida do álbum de estreia da ex-vocalista do grupo punk Penetration e que contou com o Invisible Girls como banda de apoio; o segundo é uma compilação, que reúne muitas faixas inéditas ou que não tinham sido lançadas em formato digital antes.

CS547880-01A-BIG

Pauline Murray and The Invisible Girls (1980)

Após o fim do Penetration, a vocalista Pauline Murray, acompanhada do ex-baixista da banda (e que viria a ser seu marido), Robert Blamire, estava tentando levar adiante o projeto do seu primeiro disco solo. A dupla procurou Martin Hannett com o objetivo de tê-lo como produtor, mas no final Pauline e Blamire acabaram ganhando o Invisible Girls como parceiros na empreitada. Com Hopkins nos teclados e Robert Blamire como “membro honorário” da banda tocando o baixo, o grupo foi completado, como de costume, com convidados: John Maher (ex-Buzzcocks) na bateria, Dave Hassell na percussão e, nas guitarras, Dave Rowbotham (Fast Breeder) e Vini Reilly (Durutti Column). Hannett não tocou nenhum instrumento, mas assumiu a produção (dividindo-a com Hopkins) e, com seu parceiro, escreveu os arranjos. O engenheiro de som era ninguem menos que Chris Nagle, outro parceiro de Hannett, e que trabahou em Unknown Pleasures, do Joy Division, e Movement, do New Order. A edição expandida da Les Disques du Crépuscule (o LP original saiu em 1980) é excelente: além de um belo encarte, recheado de informações e com fotos, são dois CDs. No disco 1, temos o álbum original remasterizado, o single “Searching for Heaven” (que traz Bernard Sumner, do New Order, como convidado na guitarra solo) e versões Peel Sessions. O disco 2 é todo ao vivo e traz faixas gravadas em 1981 na Holanda (Amsterdam Paradiso e Den Haag Paard van Troje) e 1980 na Inglaterra, sendo que somente as registradas em solo britânico foram de fato tocadas pelos Invisible Girls “originais” (i.e., os que tocaram no disco). Outro detalhe que vale a pena mencionar: a capa foi desenhada por Peter Saville, o designer que assinou todas as capas do Joy Division e do New Order.

Martin Hannett / Steve Hopkins: The Invisible Girls, por sua vez, é cheio de surpresas – mas, advertimos, não é para quaisquer ouvidos. A compilação pode ser dividida em três momentos diferentes. As primeiras cinco faixas (instrumentais, como quase todas do CD) formam o bloco mais acessível. Gravadas entre 1980 e 1987, são canções com DNA pop, apesar da ausência de vocais. Hopkins exibe sua habitual proficiência nos teclados, enquanto Hannett se ocupa da “cozinha”: ele toca baixo e bateria nessas gravações. E na funky “Huddersfield Wastes”, Martin toca até guitarra ritmica. Mas é nesse terço do disco é que se pode notar com absoluta nitidez a famosa marca registrada de muitos discos produzidos por Hannett, em especial os do Joy Division: o som da bateria, seco e esparso, com um eco sutil, mas ainda assim notável.

FBN65CD_8pp_Booklet

Martin Hannett & Steve Hopkins: The Invisible Girls (2015)

O bloco seguinte é o mais perturbador e sombrio. Nele predomina a contribuição de Martin Hannett como produtor e co-autor de trabalhos de artistas e bandas como Nico (“Procession”, uma das raras faixas cantadas do disco), Section 25 (“Collective Project”), Crispy Ambulance (“Concorde Drone”), Vini Reilly / Durutti Column (“First Aspect of the Same Thing” e “Second Aspect of the Same Thing”). Nesse mesmo segmento do álbum há espaço ainda para uma incursão solo de Hannett, “The Music Room”, porém creditada aos Invisible Girls, e a retomada da dobradinha com Hopkins em “Space Music”, um experimento com sintetizadores. Esse seria o “Lado B”: mais experimental, em vários momentos parece que estamos ouvindo velhos discos de krautrock. Mas esse grupo de canções nos ajuda a entender os caminhos e territórios percorridos pelas bandas que Martin produziu ao longo da sua carreira.

As bonus tracks vêm no terceiro lote: são as canções da trilha sonora de All Sorts of Heroes. Na verdade trata-se de uma peça homônima dividida em nove partes. Desta vez parece que estamos ouvindo pequenas jammings de um minuto e meio ou dois. A bateria floreada, o sax e o piano evocam um clima jazzy que em nada lembra a orientação leftfield dos Invisible Girls. Há ecos do chamado “rock progressivo” aqui e ali. Curioso, se levarmos em consideração que essas gravações foram feitas um ano antes da explosão do punk rock na Inglaterra – e em 1977 Martin Hannett estaria produzindo o EP Spiral Scratch, dos Buzzcocks. Existiriam mais conexões entre o prog rock e o punk do que faz crer nossa vã filosofia? Talvez a obra feita nas sombras, quase “invisível”, do The Invisible Girls seja a resposta a essa questão.

Enfim, a semente do que Hannett plantou nos discos do Joy Division e dos primórdios do New Order foi produzida em laboratório nos experimentos realizados com Steve Hopkins no Invisible Girls, uma banda cujo papel de coadjuvante não significou, em momento algum, ser ofuscado pelo brilho das estrelas principais. Pelo contrário: o envolvimento da dupla fez toda a diferença. Infelizmente, esse gênio dos estúdios não viveu o bastante para prosseguir colocando sua assinatura tanto em discos alheios quanto no trabalho do Invisible Girls: após se afundar no álcool e nas drogas ao longo da década de 1980, Martin nos deixaria em 1991, aos 43 anos, devido a um ataque cardíaco.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram