REVIEW | “Music Complete: Remix EP”

R-10103553-1491669379-3436.jpeg

Mais do mesmo… Music Complete: Remix EP

No último dia 07 de abril o New Order divulgou através de suas redes sociais o lançamento de um novo EP com remixes de cinco faixas de seu último trabalho de estúdio, o álbum Music Complete. Sob o título Music Complete: Remix EP, o novo título foi disponibilizado apenas no formato streaming (Spotify e You Tube) e digital music download para clientes da Apple Store. O “disco” teria sido lançado como parte da campanha de divulgacão da próxima tour pelos Estados Unidos, que começará no dia 13 de abril, em Nova Iorque, e que contará também com uma participação no festival Coachella. Não há informações sobre algum eventual lançamento em formato físico do EP (e nosso “radar” não detectou ainda a existência de algum CD promo exclusivo).

Em sua divulgação direta via Twitter e Instagram, os fãs são informados que Music Complete: Remix EP contém remixes “raros e inéditos”, mas há um pouco de “exagero” nisso. De inédito, “People on the High Line (Purple Disco Machine Remix)”, com sua pegada house, assinado pela dupla alemã Purple Disco Machine, e “Academic (Mark Reeder’s Akademix)”, do produtor Mark Reeder, um amigo e colaborador de longa data do New Order. Os três remixes restantes não são necessariamente “raros”, como veremos a seguir.

“The Game (Mark Reeder Spielt Mit Version)”, também produzido por Reeder, já havia sido lançado no ano passado em sua forma editada na coletânea A Symbol of Cosmic Order, da gravadora dinamarquesa Stella Polaris (existem rumores de que os remixes do Mark Reeder nesse novo EP podem reaparecer em uma nova coletânea do produtor em breve). Por sua vez, “Tutti Frutti (Takkyu Ishino Remix)” já era conhecido por ter sido incluído na versão japonesa do vinil de 12″ e, também, na caixa Wrapping Cloth ‘Furoshiki’ Box Set de Music Complete (também lançada exclusivamente no Japão e comentada aqui no blog). “Restless (Agoria Dub)”, de Sébastien Devaud, além de também fazer parte da mesma caixa editada na Terra do Sol Nascente, chegou a ser disponibilizada pelo site DirrtyRemixes.

De um modo geral, os remixes escolhidos para compor o EP são muito bons – com exceção, talvez, de “People on the High Line”. Todavia, a questão é: qual o senso de propósito desse lançamento? De 2015 para cá temos visto um bocado de remixes de Music Complete por aí, para todos os gostos, bolsos e formatos. Seria muito mais interessante, por exemplo, que o anunciado disco ao vivo NOMC15 viesse acompanhado de um respectivo DVD ou Blu-Ray, por exemplo, ou que os concertos na Opera House de Sidney com a Australian Chamber Orchestra ganhassem um lançamento caprichado. Será que realmente um EP de remixes lançado via streaming vai ajudar a vender mais ingressos de uma meia dúzia de shows nos EUA?

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

NEWS | FBN anuncia nova compilação de faixas produzidas e remixadas pelos membros do New Order

fbn60Enquanto estamos na contagem regressiva para os shows do New Order e do Peter Hook & The Light no Brasil, o site da Factory Benelux – originalmente uma licenciada da Factory Records para os mercados de Bélgica, Holanda e Luxemburgo que sobreviveu ao naufrágio da sua matriz inglesa  – anunciou recentemente o seu próximo lançamento, a compilação New Order Presents Be Music.

Para quem está por fora: “Be Music” era a editora musical criada pelo New Order no começo da década de 1980 não apenas para o recebimento dos royalties sobre o seu catálogo mas também para servir de “assinatura” toda vez em que seus integrantes estivessem envolvidos em trabalhos fora da banda como produtores ou remixers.

Ao longo dos anos oitenta, Bernard Sumner, Peter Hook, Gillian Gilbert e Stephen Morris produziram vários artistas do cast da gravadora Factory Records, como Section 25, 52nd Street, Quando Quango, Royal Family & The Poor, entre outros. A LTM Recordings, que pertence ao atual comandante da Factory Benelux, James Nice, já havia editado duas coletâneas dedicadas às produções da Be Music: Cool As Ice (2003) e Twice As Nice (2004). Mas New Order Presents Be Music promete ser mais completa. Em um box set de três CDs (ou em LP duplo), a nova compilação, que será lançada em fevereiro do ano que vem, incluirá também remixes mais recentes, produzidos em sua maior parte por Stephen Morris, feitos para nomes como Factory Floor, A Certain Ratio e Section 25. De lambuja, será incluído “Knew Noise”, faixa do Section 25 produzida por Ian Curtis e Rob Gretton.

Segundo a Factory Benelux, a capa (ver foto) será produzida por Matt Robertson em associação com o Peter Saville Studio.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

REVIEW | Single: “People on the High Line”

2016-06-imute553-webPara começar, “People on the High Line” talvez não tenha sido a melhor escolha. Mas quem se importa quando se trata do quarto single? E provavelmente este será o último saído de Music Complete – com ele, a caixinha que vinha de brinde com “Restless” (o primeiro) para colecionar todos os CDs singles derivados do álbum fica, enfim, cheia. Mas o problema com “People on the High Line” não é que ela seja uma faixa ruim… muito pelo contrário! Digamos que ela é uma daquelas gratas surpresas do disco, além de ser a apoteose de Tom Chapman, o substituto de Peter Hook na função de baixista. Porém, é uma canção que se aprecia bem mais no contexto de uma coleção variada de músicas do que como um single. Nesse aspecto, “Plastic” talvez funcionaria melhor.

Mesmo assim, a versão editada, assinada por Richard X, é um gol de placa – tanto quanto foi sua versão extended para as edições Deluxe Vinyl Box Set e Complete Music, que reaparece no single. Mas de um modo geral, “People on the High Line” é, dos quatro singles extraídos de Music Complete, o que possui os remixes mais fracos. O pior deles, de longe, é o do produtor australiano Carmelo Bianchetti, também conhecido por “Late Nite Tuff Guy” ou “LNTG”. Apesar da boa intenção de colocar em destaque a guitarra funky de Phil Cunningham, seu remix é tedioso, chato. Já o do DJ alemão Claptone vem ganhando bastante publicidade desde antes dos formatos físicos serem lançados, haja vista que foi o primeiro remix a ser mostrado ao público (e o único, além do extended mix, a fazer parte do vinil de 12″). Mas não é essa Coca-Cola toda, não. Quer dizer, não é ruim – mas também está longe de merecer tanto destaque.

O mais interessante é o remix feito pelo coletivo italiano Planet Funk – responsável, anos atrás, por uma excelente remixagem de “Waiting for the Sirens’ Call” que o próprio New Order aproveitou para recriar a canção ao vivo para a atual turnê. Usando como linha vocal principal um canal de voz harmônico que na gravação original praticamente não é percebido, e no qual o timbre de Bernard Sumner soa um tom abaixo, o pessoal do Planet Funk levou a música a um novo e diferente território. Naturalmente, teve gente por aí que não gostou. Mas o grande barato quando o assunto são remixes é a absoluta falta de unanimidade – e opiniões extremadas do tipo “ame-o” ou “deixe-o”.

Um dos remixes da banda britânica Hybrid, o “Armchair Remix”, também propõe uma atmosfera que difere do clima de balada que impregna a faixa. Sem batidas ou grooves, essa versão soa mais flutuante e etérea. A outra contribuição do trio, “Hybrid Remix”, é diferente: o salão de baile volta à cena e o resultado obtido rivaliza apenas com a recriação da turma do Planet Funk. Na opinião do blog, são as duas melhores versões.

O tracklist completo do mais novo lançamento está disponível, a princípio, na edição em CD (que, na mesma linha dos anteriores, vem em uma capinha fina de papelão). Todavia, aqueles que adquirirem o vinil de 12” (branco), que traz dois remixes, um de cada lado do disco (ok, já dissemos isso!), receberão um código para baixar tudo em MP3 (outra estratégia empregada nos singles antecedentes). Aliás, tanto a Mute Records quanto o New Order vêm dando conta muito bem da promoção do álbum Music Complete e de seus singles: “People on the High Line”, mesmo sem um vídeo promocional (ainda), alcançou o primeiro lugar do UK Physical Singles Chart, seguindo a mesma trilha de “Singularity” (o single anterior).

Falta ainda vir ao mercado a edição shaped picture disc de 7”, cujo lançamento está previsto para o dia 07 de setembro. Mas quando sair, estaremos aqui para avaliar em comentar!

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

NEWS | “People on the High Line” para todos os gostos

2016-06-cdmute553-tower

Capa do 12″ de “People on the High Line”.

Foram divulgados mais detalhes sobre o próximo single do New Order, “People on the High Line” (29/07), o quarto saído do décimo e mais recente álbum da banda, Music Complete (Mute Records, 2015). Em primeiro lugar, soltaram os tracklists do vinil de 12″ (que dessa vez terá a cor branca) e do CD (que trará outro ícone na capa, vide foto ao lado); além disso, no dia 09 de setembro será lançado em edição limitada (2.000 cópias) um picture disc cortado no formato do ícone que será usado na capa do 12″ e do digital single download (imagem ainda não divulgada). Esse disquinho terá, no lado A, a versão “Richard X Video Mix”, e, no lado B, o “Claptone Radio Edit”. Não há informações ainda a respeito desses mixes serem incluídos no pacote de downloads.

Enquanto isso, o site DirrtyRemixes.com fez a gentileza de disponibilizar de graça três remixes de “People on the High Line” para os fãs irem se aquecendo: “Richard X Extended Mix”, “Richard X Radio Edit” e “Claptone Remix” (sim, o próprio, aquele que havia saído dias atrás como digital single download exclusivo, porém pago, no site Beatport). O “Extended Mix” de Richard X não é novidade – é o mesmo do Deluxe Vinyl Box Set e do CD duplo Complete Music; já sua “contraparte”, a versão edit, a princípio só sairia no dia 29 deste mês com o lançamento do CD single. Os downloads podem ser feitos AQUI. Agradecemos o amigo Felipe, do New Order Brasil, pela dica!

PEOPLE ON THE HIGH LINE / Tracklist (oficial):

VINIL 12″ BRANCO
Lado A: Claptone 12″ Remix
Lado B: Extended Mix

CD SINGLE
01. Richard X Radio Edit
02. Claptone Remix
03. LNTG Can’t Get Any Higher Remix
04. Planet Funk Remix
05. Extended Mix
06. Hybrid Remix
07. Hybrid Armchair Mix

LIMITED SHAPED 7″ PICTURE DISC (somente 09/09)
Lado A: Richard X Video Mix
Lado B: Claptone Radio Edit

http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

REVIEW | Avaliamos “Complete Music” (New Order)

pack-shot_1

Capa de “Complete Music”

Quando o New Order anunciou o lançamento de Music Complete, seu décimo álbum de estúdio, ninguem esperava grande coisa. Seu antecessor, Lost Sirens, de 2012, uma espécie de mini-LP produzido a partir de sobras de estúdio do já por si só pouco inspirado Waiting for the Sirens’ Call (2005), parecia ser a pá de cal que faltava para encerrar o enterro de uma banda que, além de ter perdido um dos seus principais integrantes, não fazia mais nada além de passar o chapéu em shows tão lotados de fãs nostálgicos quanto de grandes sucessos. Apesar da notícia da assinatura do contrato com a legendária gravadora Mute ter causado algum burburinho – principalmente depois que uma declaração mal interpretada obrigou James “LCD Soundsystem” Murphy a desmentir em nota rumores de que o grupo iria para a DFA Records -, ninguem esperava não mais que uma grande faixa apenas, três ou quatro canções “ok” e o restante só de fillers.

Mas, supreendentemente, o New Order fez bem mais que isso. Mesmo com um grande desfalque (o baixista Peter Hook, apartado desde 2007), a banda fez um disco nada menos que impecável e digno da reputação construída ao longo do mais de três décadas. Depois de uma trinca de álbuns mais orgânicos, baseados em guitarras, o New Order estava de volta com o batidão pop-dançante-eletrônico que ajudou a popularizar. Todavia, Music Complete, lançado em setembro do ano passado, não foi feito apenas para se dançar. O disco era um exemplo da rica paleta sons do New Order.

Uma das versões de Music Complete era uma edição limitada em vinil com oito discos coloridos que continha, além do álbum em sua versão original, todas as suas onze faixas com outra mixagem que as deixavam mais longas – em alguns casos até com o dobro da duração. Chamados de extended mixes, esses remixes eram um mimo exclusivo para fãs mais capitalizados e ávidos por itens de colecionador. Mas supostamente pensando no público médio, a Mute Records resolveu reunir essas versões extended em um CD duplo, batizado de Complete Music.

É interessante observar que, de acordo com o formato, esse material pode adquirir um sentindo completamente diferente. Como parte de uma edição limitada, os remixes de um álbum inteiro distribuídos por vários discos de vinil dentro de uma caixa são um autêntico “bônus de luxo”; mas quando transformados em um “álbum independente”, o que se tem é uma “versão alternativa” do disco original e que, de certa forma, concorre com ele. O problema é que, especificamente nesse caso, Complete Music leva uma desvantagem: ele nasceu de um CD irrepreensível. E remixes, como sabemos, são empreendimentos de risco – podem tanto elevar uma obra a um outro nível como destruí-la completamente. É como pisar em ovos.

Felizmente, a proposta por trás das versões estendidas das canções de Music Complete nem era tanto a de reinterpretá-las, que é o que a maioria dos remixers faz hoje em dia. A ideia era basicamente alongar as faixas. Pense, por exemplo, nos extended mixes de “The Perfect Kiss”, “Bizarre Love Triangle” e “True Faith”. A intenção era recriar aquele tipo de remix de oito ou nove minutos dos singles do New Order na década de 1980. Porém, em Complete Music, temos resultados variados. Em geral, em boa parte ele não chega a superar o seu progenitor (“Restless”, “Unlearn This Heatred”, “Singularity”, “Tutti Frutti”, “Academy”); todavia, ele também nos oferece algumas recriações dignas das originais – faixas pouco badaladas, como “The Game” e “Stray Dog” (esta com a voz de Iggy Pop soando ainda mais profunda e calorosa), são boas surpresas. “People on the High Line”, por sua vez, ganhou músculos extras em seus grooves, além de cowbells adicionais. Mas o ponto alto, sem dúvidas, é “Plastic”: evocando seus mais antigos inspiradores (Moroder, Kraftwerk), o remix é uma autêntica trip com direito a bumbo “no talo” e vocoders. É tarefa ingrata escolher qual o melhor – o mix original ou o extended.

Quem pensou que Complete Music era uma jogada de marketing para vender as faixas bônus da caixa de vinis para um outro perfil de público, certamente subestimou o tino para negócios de Daniel Miller, o dono da Mute. O CD traz, no lugar dos extended mixes originais de “Nothing But a Fool” e “Superheated”, versões ineditas dessas faixas, rotuladas como extended mix 2. Trata-se de uma isca para fisgar, também, quem já havia comprado o box set. A estratégia foi além: de lambuja, quando se adquire o Complete Music o fã recebe um código para baixar o disco com os mixes originais. Deu tão certo que Music Complete voltou para o Top 20 da parada britânica de álbuns. No ano passado, ele atingiu o segundo lugar.

A capa do novo CD também é, de certa forma, um remix do projeto gráfico de Music Complete. Basicamente, o conceito e a arte são os mesmos, mas agora traduzidos em uma embalagem de papelão que imita uma capa de LP em miniatura, além de apresentar uma paleta de cores mais diversificada e vibrante.

Complete Music não é o que se pode chamar de item indispensável. Na verdade, é um disco absolutamente supérfluo e que nada acrescenta à discografia da banda, inclusive como conceito (o New Order já havia lançado discos de remixes e versões extended antes). É um item feito sob medida para saciar a sede e a extravagância dos completists, sempre ávidos a não deixar buracos em suas coleções. A verdade é que Music Complete, na sua versão original, simplesmente se basta por méritos próprios. O New Order provou, quando ninguem mais esperava, que ainda tinha lenha para queimar e fez uma boa fogueira. Complete Music tem um que de exibicionismo – algo do tipo “vejam agora que podemos fazer com esse fogo”, e, com ele, ao invés de produzir calor ou de preparar alimentos, acenderam fogos de artifício. Bonito, sem dúvida. Mas não passa de pirotecnia.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

NEWS | New Order anuncia lançamento de “Complete Music”

pack-shot_1

Capa de “Complete Music”

O New Order fez hoje em suas redes sociais e em sua webstore oficial o anúncio do lançamento de Complete Music, que seria, nas palavras da própria banda, “uma nova edição do álbum Music Complete. Porém, ao contrário do que o vocalista e guitarrista Bernard Sumner havia declarado recentemente em uma entrevista a Mike Doherty, publicada no site da revista Salonnão se trata de um álbum com novas versões extended ou retrabalhadas do último disco do grupo, lançado em setembro do ano passado. Segundo um texto publicado hoje no perfil do New Order no Instagram“devido à grande demanda, estamos disponibilizando pela primeira vez em CD, download e streaming as versões estendidas da edição limitada em vinil”.

O texto acrescenta ainda que “com uma arte alternativa de Peter Saville, Complete Music será lançado como CD duplo em uma capa digipack e em download de áudio de alta qualidade”. A data anunciada para lançamento é 13 de maio e a pré-venda já está liberada na lojinha virtual do New Order. Ambos formatos permitirão o download da versão original de Music Complete.

TRACKLIST
DISC 1:
1. Restless – Extended Mix
2. Singularity – Extended Mix
3. Plastic – Extended Mix
4. Tutti Frutti – Extended Mix
5. People on the High Line – Extended Mix
6. Stray Dog – Extended Mix
DISC 2:
1. Academic – Extended Mix
2. Nothing But a Fool – Extended Mix (2)
3. Unlearn This Hatred – Extended Mix
4. The Game – Extended Mix
5. Superheated – Extended Mix (2)

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

REVIEW | “Singularity” (single)

CeUye1EUIAAtoTA“Singularity” foi a primeira faixa do material que a banda estava escrevendo para o álbum Music Complete a ser apresentada publicamente. Isso aconteceu ao vivo, no dia 30 de março de 2014, em Santiago, no palco Playstation, enquanto encerravam a segunda noite da edição chilena do festival Lollapalooza com o Soundgarden (que estava em outro palco). Eu estava lá – e mal podia acreditar que, pela primeira vez, pude assistir o début de uma música antes mesmo dela ser lançada. Me recordo de, no dia seguinte, ter encontrado o vocalista e guitarrista Bernard Sumner no aeroporto Arturo Merino Benítez, quando a banda estava para embarcar em um voo a caminho da Argentina, e de ter dito a ele de que eu havia gostado muito da “música nova” (o que era a mais absoluta verdade, ainda que o som do show em Santiago estivesse muito ruim). Barney, que estava autografando meus encartes dos CDs Singles e Live at Bestival 2012, levantou a cabeça, arregalou os olhos, abriu um largo sorriso de satisfação e disse, com toda a simplicidade que há no mundo: “Yeah, que bom que você gostou!”.

Por causa da foto de um set list de ajuste entre iluminação e BPMs (batidas por minuto) que caiu na internet, instantaneamente a música ficou conhecida como “Drop the Guitar” – um título, alías, com toda pinta de provisório. Mas a banda não demorou muito para divulgar, em seu próprio site oficial, que seu nome verdadeiro era “Singularity”. No final de semana seguinte, em São Paulo (Autódromo de Interlagos), Bernard Sumner pegou o microfone e encerrou de vez a história antes de tocá-la novamente: “Esta se chama ‘Singularity’ e não ‘Drop the Guitar’, como andam dizendo por aí. Procurem na Wikipedia!”.

Da primeira apresentação ao público, em março de 2014, ao seu lançamento como single, em março de 2016, se passaram dois anos. De lá para cá, “Singularity” assumiu uma posição alta no repertório da banda: além de ter derrubado “Crystal” do posto de opener dos shows, ela é hoje uma das músicas de Music Complete que os fãs mais gostam. Recentemente, a banda apresentou uma versão ao vivo irrepreensível no The Late Show with Stephen Colbert que ganhou destaque no site da revista Rolling Stone. Todavia, como single, “Singularity” recebeu da atual gravadora da banda, a Mute Records de Daniel Miller, o mesmo tratamento dos dois anteriores, “Restless” e “Tutti Frutti”: primeiro saiu uma versão editada disponível no formato digital single download, seguido da divulgação do vídeo promocional e do áudio de um ou dois remixes no canal oficial da banda no You Tube, até que, finalmente, vieram os lançamentos em formatos físicos (CD e clear vinyl de 12″ colorido).

“Singularity” não traz nenhum lado B, somente remixes (os últimos singles do New Order a trazerem b-sides foram “Here to Stay” e o re-issue de “World in Motion”, ambos em 2002). Se no passado um remix costumava ser, via de regra, apenas um rearranjo dos elementos originalmente contidos na versão oficial, hoje em dia é uma autêntica reinterpretação, uma faixa “nova” construída a partir de alguns pedaços – samples – da canção original. Nesse terceiro single de Music Complete, o New Order recrutou para o seu time de colaboradores gente como Steve Dub, Erol Alkan, Mark Reeder, J. S. Zeiter e a banda Liars.

Pessoalmente, apesar de gostar muito de “Singularity”, sempre tive a impressão de que não era uma música lá muito fácil de se remixar. Opinião compartilhada, aliás, por um dos remixers escalados para essa empreitada (Mark Reeder). O engenheiro de som Craig Silvey, por exemplo, errou a mão na hora de passar a tesoura na gravação original para criar a versão “Single Edit”. Não que a culpa fosse dele – mas eu acho muito difícil encontrar pontos apropriados na faixa onde se pode fazer uma edição sem que a intervenção cirúrgica não pareça muito evidente. O mesmo já não se pode dizer da versão estendida. O DJ californiano Steve Dub ficou com o trabalho mais fácil – alongar a música em vez de encurtá-la – e se deu melhor. Seu “Extended Mix” é o mesmo que foi incluído na edição Deluxe Vinyl Box Set de Music Complete e o resultado final não é menos que magnífico.

O produtor musical e DJ Erol Alkan é, sem sombra de dúvida, um dos nomes badalados dentre os escolhidos para turbinar “Singularity”. Por ter sido durante tanto tempo o DJ residente do club londrino Trash, que também já recebeu shows de bandas como LCD Soundsystem e Bloc Party, e por ter remixado faixas de Hot Chip e Chemical Brothers, suas contribuições estavam entre as mais aguardadas entre os fãs gringos dos New Order. Todavia, seus “Stripped Remix” e “Extended Rework” não estariam, ao meu ver, entre os mehores remixes de “Singularity”. Não são ruins, todavia. Apenas ok. O “escorregão” fica por conta mesmo do “Liars Remix”: a banda nova-iorquina assinou um remix que, embora conserve grande parte dos elementos da gravação original, peca pela falta de imaginação. A tentativa de emular um som mais dark, como se quisessem prolongar a atmosfera soturna da introdução do mix oficial, soa estéril e fútil. Resumindo: esquecível (ele é uma espécie de bonus track na versão download do single, que pode ser obtida através de uma senha/código que acompanha a edição em vinil de 12″).

Por outro lado, quem curte techno vai viajar nos remixes de J. S. Zeiter, que também atende pelo nome de MCMLXV. Ele nos oferece seu “J. S. Zeiter Remix” (disponível na versão em CD) e sua contraparte predominantemente instrumental, “J. S. Zeiter Dub” (incluída no vinil). Não chegam a ser memoráveis, mas os considero melhores que os remixes do super-idolatrado Erol Alkan, principalmente a versão dub. Mas a “cereja do bolo” mesmo são as reinterpretações de Mark Reeder (“Duality Remix” e “Individual Remix”). Reeder merece mesmo um pouco mais de destaque aqui. Ele é um velho conhecido do New Order – na verdade, ele é um amigo próximo desde os tempos do Joy Division. Naquela época ele fazia parte de uma banda chamada Shark Vegas, mas ainda na década de 1980 ele se mudou para a Alemanha Ocidental, onde se tornou um representante da Factory Records e, também, produtor musical, DJ e dono da gravadora Mastermind for Success. É de Reeder e de outro DJ, o húngaro Corvin Dalek, a primeiríssima versão de “Crystal” (já com os vocais de Barney Sumner), que viria a se tornar um hit do New Order. Além disso, Reeder é a figura central do filme B-Movie: Lust and Luxury in West Berlin 1979-1989, que mistura imagens documentais e reconstituídas para traçar uma espécie de painel musical e cultural da outrora Berlim Ocidental, do punk à Love Parade, e que foi usado na montagem no vídeo promocional de “Singularity”.

O “Duality Remix” é surpreendentemente curto para os padrões de hoje – a versão disponível no CD está editada e possui 3’49”, enquanto que a gravação que acompanha o download tem 4’57”. Apesar da pequena duração, esse remix é um gigante. Seguramente, é o melhor de todos. Já o “Individual Remix” não é uma versão estendida do anterior. Pelo contrário, é um remix totalmente diferente, ainda que possua trechos e partes que remetam ao “Duality”. Trata-se de uma versão mais elaborada e complexa, mas peca justamente por dispensar a concisão e a perfeição objetiva da outra. Mesmo assim, é uma pérola.  Heil Mark Reeder!

Como bonus track, o CD e o 10 Track Audio Download (adquirido não apenas via código que acompanha o vinil, mas também através de download pago direto) trazem o remix de Tom Rowlands (Chemical Brothers) para “Tutti Frutti” e que havia sido disponibilizado para ser baixado de graça em dezembro do ano passado como “presente de Natal” para os fãs.

Para finalizar: a edição em vinil de 12″ de “Singularity” contém ainda um “brinde” um tanto quanto curioso. Trata-se de uma folha de papel branca impressa com um diagrama causal do buraco negro, acompanhado de um texto explicativo. De acordo com a astronomia, um buraco negro se forma quando uma estrela em colapso gravitacional desaba sua massa em direção ao seu próprio centro, tornando-se capaz de atrair ou “sugar” para o interior desse ponto toda matéria próxima. O buraco negro seria um exemplo de “singularidade gravitacional” (sacaram a conexão?). Observando com atenção o diagrama causal do buraco negro, se descobre com facilidade qual foi a inspiração do designer Peter Saville para a capa de “Singularity”.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

NEWS | “Sucessor” de “Music Complete” está a caminho

x-factor-hate-bernard-sumner-590x350

Sumner fala à “Salon” sobre o sucessor de “Music Complete”

Em entrevista dada ao site Salon e publicada ontem (22/03), o vocalista e guitarrista do New Order, Bernard Sumner, revelou ao repórter Mike Doherty que o “sucessor” do último álbum, Music Complete, lançado em setembro do ano passado, está no forno e prestes a ser lançado. Nas suas próprias palavras: “Se eu puder mencionar, gostaria de dizer que há um álbum para sair chamado Complete Music; são versões retrabalhadas e estendidas das faixas de Music Complete e deve ser lançado em breve, mas não estou certo quando. Nós enviamos as músicas para diferentes mixers e então eles as decompuseram e as rearranjaram, e depois nos mandaram de volta, então é como se fosse um outro take do álbum original”.

Quando perguntado sobre quem estaria por trás dos remixes, Sumner deu a seguinte reposta: “Eh, eu não sei se posso adiantar isso agora. Eu tenho que falar com o Daniel Miller [chefe da Mute Records], mas são apenas duas pessoas. O que é bom. Nós enviávamos uma faixa para o mixer, depois ele nos devolvia e fazia sugestões; nós mandávamos de volta e jogávamos esse jogo de tênis pela internet com as músicas. Algumas delas ficaram radicalmente diferentes, mas ao contrário de um remixer que compõe uma música totalmente nova, eles usaram a música que já tínhamos feito para as canções e a distorceram de uma forma muito interessante”.

Não deixa de ser uma manobra comercialmente arriscada para um disco que conquistou tão facilmente público e crítica, ainda mais se considerarmos que o álbum inteiro já havia ganho versões “retrabalhadas” e “extendidas” para a sua edição Deluxe Vinyl Box Set.

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

NEWS | Gillian Gilbert volta a soltar sua voz em single de dupla dance

41XgibAY0xL._SS280

Novo single do Koishii & Hush terá participação de Gillian Gilbert nos vocais

Essa notícia é para aqueles que se tornaram fãs incondicionais da voz da tecladista do New Order: Gillian Gilbert será a vocalista convidada no próximo single da dupla anglo-canadense de produtores dance Koishii & Hush, intitulado “Lifetime”. Previsto para ser lançado no dia 03 de fevereiro, “Lifetime” tem tudo para matar a saudade do público, que não tem uma amostra de Gillian ao microfone desde Superhighways (1999), o segundo e derradeiro álbum do The Other Two (“os outros dois”), projeto que ela mantinha paralelamente ao New Order ao lado de Stephen Morris, maridão e também baterista da banda. Vale lembrar que antes do The Other Two a tecladista (que também é guitarrista) já havia mostrado sua voz em algumas faixas de seu grupo titular, como “Doubts Even Here”, de Movement (1981), e “Avalanche”, de Republic (1993).

A dupla Koishii & Hush é formada por Simon Langford, ex-integrante do Dreamcatcher e do SoulSeekers, e Alex Sowyrda. Eles já produziram remixes para uma série de artistas, como Mick Jagger, Erasure, Yazoo, Danny Elfman, INXS e Fuzzbox. Em seus singles autorais, eles costumam ter convidados nos vocais, a exemplo de Sarah Blackwood, do Dubstar (em “Rules and Lies”), e John Taylor, baixista do Duran Duran (“C’est Tout Est Noir”). Snipets (pequenos trechos) de “Lifetime” e seus remixes, mas sem os trechos vocais de Gillian, já podem ser ouvidos no site da Amazon inglesa. E para quem nunca ouviu a Sra. Morris soltar o gogó, segue abaixo uma amostra:

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram