NEWS | Joy Division + New Order: Novas edições limitadas a caminho

f2a60e20-ffda-46a0-8aa4-6274ab2b78b6_2048x2048Quem ainda não se recuperou do investimento feito em Movement: Definitive Edition que se prepare. Novos lançamentos do Joy Division e do New Order na forma de edições limitadas estão a caminho. Para começar, uma edição comemorativa de 40 anos do LP de estreia do Joy Division, Unknown Pleasures, sairá lá fora com um novo design (a capa será branca ao invés de negra) e prensado em vinil vermelho de 180 gramas. Mas é só, nada de extras ou mimos… e a masterização é a de 2007. Preço estimado? Em torno de £ 19 –  aproximadamente R$ 98 pelo câmbio de hoje.

01-JoyDivision-RedVinyl_778c0540-5173-4ede-ae74-16b5fdc63b9c_2048x

Mas isso é só o começo. No mês seguinte sairá o quase impronunciável ∑ (No,12k,Lg,17Mif) New Order + Liam Gillick: So it Goes.., um álbum ao vivo que será lançado pela Mute Records em três formatos: digital download, CD duplo com capa trifold e LP triplo colorido (vinis de cores vermelho, verde e azul) numa caixa que acompanhará, ainda, um livreto ilustrado de 24 páginas. Nesse disco teremos, na íntegra, a primeira das cinco noites que o New Order fez nos antigos estúdios da TV Granada durante o Manchester International Festival de 2017 (além de faixas bônus pinçadas dos demais concertos da banda no evento). O New Order foi o grande homenageado do MIF 2017 e na ocasião o grupo preparou um show especial que contou com um palco-instalação elaborado pelo artista visual Liam Gillick e com a participação de uma “orquestra de sintetizadores” tocados por doze estudantes da Royal Northern College of Music. O set list deixou de lado os grandes sucessos (a exceção foi “Bizarre Love Triangle”) e se concentrou em faixas que, em sua grande maioria, não eram tocadas ao vivo pelo New Order há muitos anos, como “Dream Attack”, “In a Lonely Place”, “All Day Long”, “Sub-Culture” (cujo sample a banda já liberou), “Ultraviolence”, “Vanishing Point”, “Disorder” (Joy Division), entre outras. O preço de pré-venda no site da Mute é de £ 45 (ou R$ 230 em média).

843f5656-109f-4b9c-97e3-13f3030c269c_2048x2048

Isso para não falar na autobiografia do baterista Stephen Morris – Record Play Pause – que acabou de sair…

Visite também nosso Instagram:
http://instagram.com/neworderbrfac553 Instagram

 

Anúncios

REVIEW | “Unknown Pleasures (Joy Division)”, por Chris Ott (coleção “O Livro do Disco”)

download

O livro do disco: “Unknown Pleasures” para se ler.

Já que estivemos falando de livros e presentes de Dia dos Namorados, eis que na data dedicada aos casais no Brasil – o último domingo, dia 12 – minha esposa me apareceu com esse livrinho convidativo: Unknown Pleasures (Joy Division), escrito pelo jornalista Chris Ott e lançado por aqui pela editora Cobogó em sua coleção O Livro do Disco. Como hoje o seminal álbum de estreia de Ian Curtis, Bernard Sumner, Stephen Morris e Peter Hook está completando seu 37aniversário, achei que esse era um momento oportuno para apresentar aqui meu review sobre o livro.

A proposta da coleção O Livro do Disco, segundo a editora, era disponibilizar no Brasil uma série de livros dedicados a álbuns clássicos e influentes do pop nacional e internacional seguindo os moldes da 33⅓ Seriesda Bloomsbury Publishing, que foi a “inventora” da coisa toda. Todavia, enquanto o equivalente brasileiro conta com apenas 11 títulos, que vão de The Velvet Underground & NicoAs Quatro Estações da Legião Urbana, seu irmão gringo mais velho já contabiliza 115 volumes. Aliás, os itens da coleção dedicados aos discos lançados lá foram são traduções dos originais lançados pela Bloomsbury na 33⅓ . Eu até já tinha visto por aí os títulos da Cobogó, mas confesso que não me lembro de ter dado de cara com esse sobre Unknown Pleasures antes. A ficha catalográfica é de 2014, mas a primeira impressão é do ano passado.

9780826415493

O original da espécie

Confesso que fiquei um pouco decepcionado com a apresentação do livro logo de cara. Enquanto os títulos da 33⅓ trazem, sem excessão, a capa do álbum estampada na própria capa do volume, a Cobogó, certamente por questões de direitos de reprodução, optou por um layout que, embora seja bonito e contenha as cores da arte original do LP, é um desastre sob outros aspectos: uma figura abstrata, formada por círculos concêntricos, que possivelmente remete à imagem de um disco de vinil, mas que se destaca de maneira quase imponente, enquanto que, sob ela, de modo bem menos chamativo (como se nem tivesse tanta importância assim), temos o nome da coleção, o título do álbum, o artista e o nome do autor.

Também senti um cheiro forte de cliché quando Ott, crítico musical e ex-colaborador do site (ou seria melhor chamar aquilo de “antro dos malas sem alça”?) Pitchfork, escreveu o seguinte no “Prefácio” redigido  (intencionalmente?) em um dia 18 de maio: “Hoje faz 23 anos que – aos 23 anos – Ian Curtis cometeu suicídio”. Para mim, não podia ser pior. E continua: “Sua voz singular alçou as canções angustiantes do Joy Division…”. Não foi um bom começo, para ser sincero. Só faltou o autor dizer que estava ouvindo “Atmosphere” naquele exato momento em que ele escrevia essas “melosidades”.

asset

Meu exemplar do dito cujo

Felizmente, tudo muda do primeiro capítulo em diante. Trata-se de um livro bem escrito e baseado em fontes seguras – isso é o mínimo, aliás, que se espera de um bom jornalista. E faço questão de colocar isso em destaque porque estou cansado de ler matérias por aí cheias de informações incorretas. O mais curioso é que Unknown Pleasures (Joy Division) nos entrega mais do que promete – o livro vai muito além do primeiro disco da banda. Tanto que, num total de 110 páginas, Ott só começa a falar realmente do Unknown Pleasures a partir da página 63. O que o leitor que o comprar terá nas mãos é, talvez, a melhor história condensada já escrita do Joy Division. Estou falando algo que está anos-luz à frente do constrangedor (impublicável, aliás) Joy Division / New Order: Nada É Mera Coincidência, de Helena Uehara (editora Landy, 2006, 114 páginas). Está tudo lá: do primeiro show dos Sex Pistols em Manchester (04 de junho de 1976) à trágica morte de Ian Curtis e o lançamento póstumo de Closer (1980), que hoje em dia prefiro a Unknown Pleasures.

Curiosamente, o livro de Chris Ott é uma versão expandida de um artigo que ele havia publicado no Pitchfork, chamado “An ideal for listening” e que havia sido desavergonhadamente republicado (com outro título) no site World In Motion, de David Sultan (um famoso “especulador” no mercado de raridades do New Order e do Joy Division e que atualmente tem sido uma espécie de “mecenas” do baixista Peter Hook). Ott não se queixou da “apropriação indébita” (o próprio deixa isso claro no livro). Mas isso não é bonito. Nos anos 1990, quando eu tinha uma página pessoal sobre o New Order chamada Technique Page, tive a minha “história condensada” da banda (naquela época ainda com informações incorretas ou equivocadas, reconheço) descaradamente copiada e colada no site de uma emissora de rádio – sem que os devidos créditos me fossem dados, é claro.

Para concluir, voltemos ao livro: se você quer uma boa (e confiável) biografia de bolso sobre o Joy Division, essa parece ser a melhor opção. Naturalmente, não substitui a leitura de outros títulos mais volumosos e escritos por quem viveu aquela história diretamente (Peter Hook, Bernard Sumner, Deborah Curtis), mas funciona bem como “passe de entrada”.

LANÇAMENTO | Livro de memórias de Peter Hook sobre o Joy Division acaba de sair no Brasil

42887499No esteio do lançamento, no ano passado, da edição nacional de Touching From a Distance, a biografia de Ian Curtis e o Joy Division escrita por Deborah Curtis (Edições Ideal, 328 páginas), a editora Seoman, do Grupo Editorial Pensamento, pôs nas livrarias esta semana nossa versão em português de Unknown Pleasures: Inside Joy Division, escrito e lançado pelo ex-baixista Peter Hook em 2012, porém com o subtítulo alterado para o pomposo “A Biografia Definitiva da Cult Band Mais Influente de Todos os Tempos” (que mais parece inspirado naqueles insuportáveis livros de títulos quilométricos da editora Sextante). A capa foi baseada na edição paperback (brochura) norteamericana (ou seja, é diferente da original inglesa) e no Brasil o livro foi publicado com um prefácio escrito por Edgard Scandurra, guitarrista do Ira! e o homem por trás da banda-de-um-homem-só eletrônica Benzina. Uma amostrazinha do prefácio (muito bom, aliás) e do primeiro capítulo podem ser conferidos AQUI. De quebra, a editora ainda disponibilizou no You Tube um clipe / trailler de lançamento do livro estrelando o próprio Peter Hook dedilhando um baixolão! (ver abaixo)


O livro veio em boa hora, haja vista que Touching From a Distance – ou (argh!) Tocando à Distância – é muito mais uma biografia sobre o Ian Curtis que a história do Joy Division. Além disso, Unknown Pleasures é divertidíssimo e arranca umas boas risadas do leitor (por mais “estranho” que isso possa parecer quando se trata de JD). De quebra, a editora nacional está com uma oferta exclusiva em parceria com a Livraria Cultura: somente no site da loja foi disponibilizada uma edição especial limitada em 1.000 cópias numeradas e “assinadas” pelo Peter Hook (é um autógrafo digital), encadernadas em capa dura, sendo que os primeiros 300 clientes ainda levam de brinde uma camiseta. Encomendamos uma edição dessas para um review aqui no blog (só não sabemos se estamos entre os 300 sortudos que faturarão a camiseta).

Já que a editora Seoman tomou essa belíssima iniciativa, fica o pedido para que traduzam, também, o primeiro livro de Hooky, Haçienda: How to Not Run a Club (difícil, né?), e o que o baixista lançará este ano sobre o New Order. E já que estamos falando em livros, em comemoração aos seus sessenta anos a editora de arte Thames & Hudson Publishers relançará no dia 05 de maio próximo o volume Factory Records: The Complete Graphic Album (FAC 461), um belíssimo trabalho de compilação de toda a comunicação visual produzida para os diversos projetos da Factory Records (capas de discos, pôsteres e cartazes, flyers etc). Vale a dica.